10 Vantagens e desvantagens dos fundos de investimento

Os fundos de investimento são um veículo de investimento com uma série de vantagens e desvantagens que o investidor deve conhecer. Os fundos podem ser o produto ideal para um perfil de investidor e um que não cobre as necessidades dos outros. Portanto, é essencial conhecer bem os seus principais defeitos e virtudes para determinar se ele se ajusta ao que precisamos.

Vantagens e desvantagens de investir em fundos de investimento

Imagem relacionada

Vantagens dos fundos de investimento

1- Gestão profissional

É gerido por uma equipa de profissionais qualificados, com conhecimento e experiência no setor, por isso assume-se que agregará valor que será refletido como um aumento nos retornos esperados pelo mercado, ou em termos de proteção de capital. O acesso a um fundo dá-nos a garantia de que há toda uma equipa humana por trás, que cuidará de nossos interesses. Um investidor privado raramente poderia dedicar tempo integral ao acompanhamento dos seus investimentos, chegando a conclusões eficientes, que os fundos de investimento fazem.

2- O tempo

Se um investidor comprar ações, ele deve seguir cada um desses ativos, realizando as suas análises e conclusões, mediante um acompanhamento profundo, que consome nosso valor mais precioso, o tempo. Com um fundo de investimento, podemos “esquecer” a carteira com muito mais facilidade do que com uma carteira de títulos, o que nos poupará muito tempo e esforços em análise e operações. Muitos investidores não valorizam esse fator, mas apesar de pensarmos que obteremos menor rentabilidade com esse tipo de produto, nosso tempo também tem o seu preço.

3- Acompanhamento fácil

Os fundos atualizam os seus valores de liquidez diariamente, por isso é fácil saber o valor real de qualquer uma das nossas posições, bem como o seu comportamento. Além disso, nas folhas de avaliação do fundo, temos uma infinidade de índices calculados que facilitarão essa tarefa. Isso dá tranquilidade aos investidores, já que após algum evento no mercado podemos conhecer um momento após o mercado fechar o valor real do nosso investimento.

4- tributação favorável

Um dos pontos a favor é a tributação, já que permite atrasar o pagamento das mais-valias até o momento da venda. Com os fundos, podemos transferir o património entre os fundos sem ter que fazer a venda efetiva, e assim ajustar o pagamento do imposto para o momento em que ele é mais favorável. Se, por exemplo, fosse o caso de não querermos estar em nenhum produto financeiro e estarmos em liquidez, também podemos fazê-lo, transferindo o dinheiro para fundos monetários.

5- Todos os tipos de estratégias ao nosso alcance

Existem fundos para todos os gostos. Existem muitas estratégias em fundos de investimento, e qualquer estratégia em que possamos pensar, se funcionar, pode ter um fundo que a aplique. Também temos estratégias não convencionais, como mercados neutros, multi-estratégia ou fundos de valor típicos. Toda essa gama de possibilidades permitirá adotar qualquer tipo de estratégia, dependendo do momento do mercado ou de nossos gostos pessoais. Estas estratégias são definidas na sua vocação de investimento, que deve ser respeitada pela empresa gestora do fundo e que marcará a filosofia de investimento, bem como uma série de pontos-chave que o gestor do fundo deve respeitar.

6- Transparência e segurança

Atualmente, há dúvidas sobre a solvência e confiabilidade de muitos corretores, especialmente aqueles especializados em derivativos, com sedes fora do país. Por outro lado, os fundos de investimento não têm esse problema, pois os reguladores de cada país impõem um grande número de exigências para a constituição de um fundo, além do constante controle sobre eles. Alguns investidores, por ignorância, temem que as suas economias desapareçam repentinamente se assinarem um fundo, e isso é algo que não pode acontecer, dado que o regulamento impõe muitas barreiras, como a diferença entre a administradora e a empresa depositária, bem como presença de um regulador. No nosso caso, o referido regulador é o CMVM, que monitora os dois anteriores.

7- Poucas barreiras à entrada

Os fundos de investimento exigem um pequeno investimento inicial, uma vez que são compostos por investimentos de baixo valor para facilitar a entrada no fundo por novos investidores. Ao entrar num fundo, devemos adquirir uma participação mínima, que será equivalente ao valor patrimonial líquido do referido fundo. Este valor é geralmente muito baixo, o que permite a entrada para todos os tipos de investidores, o que significa que não tem barreiras à entrada. Em fundos especializados, existem critérios mínimos de capital, mas na maioria dos fundos isso não é o caso. No caso de o ter, o mais habitual é que seja uma participação mínima de € 1000.

8- Diversificação

Esses fundos devem atender a critérios de gestão de risco, o que leva a uma diversificação eficiente. Os fundos devem distribuir os seus ativos entre vários investimentos, protegendo o investidor de possíveis erros na seleção de ativos pela empresa gestora. Isso reduzirá o risco suportado pelo investidor. Além disso, para o investidor, seria impossível comprar a mesma carteira que o fundo numa base pessoal para as comissões de alta compra e venda, por outro lado, o fundo com grande riqueza, pode fazê-lo a um custo muito baixo.

9 – Acesso a obrigações

Para muitos investidores, é difícil aceder a obrigações, pelo capital mínimo exigido, ou simplesmente pela falta de conhecimento de como fazê-lo. Portanto, se quisermos investir em renda fixa, fazê-lo por meio de um fundo de investimento é uma boa alternativa, já que podemos aceder a muitos títulos e obrigações que não estão disponíveis para o investidor individual por causa do seu capital mínimo alto.

10- Acesso a mercados exóticos

Está a tornar-se mais fácil ter acesso a mercados exóticos, mas há muitos investidores que não investem por causa da ignorância ou da desconfiança. Os fundos de investimento colocam ao nosso alcance qualquer mercado que possamos imaginar. Do capital russo, à dívida de alto rendimento de algum país asiático. Os fundos de investimento dão nos uma nova gama de possibilidades que podem ajudar o investidor como um complemento às estratégias usuais nos mercados.

Desvantagens dos fundos de investimento

1- Custos

Um fundo de investimento tem vários custos que devem ser considerados. É verdade que os custos não são “pagos” pelo investidor, uma vez que estão incluídos na rentabilidade final do fundo, mas a longo prazo são percebidos. Há muitos estudos académicos sobre o assunto, e todos concluem que existem fundos que cobram taxas excessivas, superiores ao valor que o gestor é capaz de criar. Devemos valorizar bem os custos finais do fundo através de despesas correntes, e tentar selecionar aqueles com menos comissões.

2- Penalizam os movimentos

Alguns fundos têm custos de assinatura e venda, são poucos, mas existem. Esses custos podem ser altos, pois são baseados no património em que nos inscrevemos. Os gestores justificam dizendo que o objetivo dos fundos é canalizar a poupança no longo prazo e que não é um produto para negociação. Tem que olhar com cuidado antes de entrar num fundo, para ter certeza de que eles não têm altas comissões de subscrição e reembolso, ou podemos ficar com medo ao sair do fundo.

3- Confiança na empresa de gestão

Este é um ponto chave. Devemos determinar se queremos confiar nosso dinheiro a uma empresa de administração e que ele faz o que acha adequado. O problema é que o público em geral depende do sistema bancário tradicional e, embora tenha bons produtos, o banco de investimento tende a ter as melhores alternativas. Existem muitos pequenas gestoras, com tradição e experiência que possuem excelentes recursos, mas por não conhecerem o seu nome, muitos investidores duvidam se é um esquema financeiro. Não se deixe influenciar pela “marca” do fundo e abra a sua mente para mais empresas de gestão.

4- Fundos ativos falsos

É uma sombra que sobrevoa o setor de gestão de ativos. Os gestores realmente fazem alguma coisa? Essa é uma pergunta que, infelizmente, é difícil de responder. Mais e mais fundos estão vindo à luz que estão cobrando altas taxas para os participantes, enquanto eles estão seguindo o índice sem fazer nada. Este é um dos maiores riscos a que o investidor comum está exposto, a falsa gestão ativa. Existem razões como o Tracking Error e a sua relação com as comissões que eles nos dizem para ajudar, como explicamos com o Ratio Value. Portanto, devemos analisar bem o fundo antes de entrar, já que, se cairmos nas garras de um desses fundos, teremos um enorme custo de oportunidade.

5- Substitutos a um custo menor

A forte emergência dos ETFs foi, felizmente, um golpe para a indústria de fundos. Os ETFs são produtos de investimento que visam replicar um índice a um custo muito baixo, o que os torna um substituto quase perfeito para fundos de investimento de gestão passiva. Portanto, se não confiamos na capacidade dos gestores para vencer os mercados, e concluímos que a gestão passiva é a melhor alternativa a longo prazo, os ETFs podem ser uma alternativa razoável aos fundos de investimento. Mesmo para o gestão ativa, se bem feito.

6- Tempo fora do mercado entre transferências

É fácil fazer transferências entre fundos, sem custos em muitos casos e não paga pelos ganhos de capital, mas não é automático. Se fizermos uma ordem de transferência, nosso dinheiro permanecerá no “limbo” por um período indeterminado. Primeiro deve fazer o reembolso do fundo que nós subscrevemos, então nosso corretor deve processar o pedido para que chegue ao novo fundo de destino, e finalmente o fundo de destino deve processá-lo até que tenhamos o novo fundo na conta. Este período é muito variável, dependendo principalmente da agilidade dos fundos, que em alguns é nula. Se é um investidor que dói estar fora do mercado um dia por razões não relacionadas às suas decisões, uma transferência de fundos de investimento pode ser muito frustrante.

7- Eles excedem os seus índices?

Rentabilidade é o motor da maioria das decisões de investimento. Há uma dúvida razoável sobre se os fundos como um todo são capazes de vencer os mercados. Há muita literatura sobre isso, muito tendenciosa, dependendo dos emitentes (cada um olha ao seu lado), então a conclusão final deve ser tomada pelo investidor. Existem índices e indicadores para tentar saber se um fundo que venceu o mercado pode continuar a fazê-lo, mas é difícil. Além disso, no longo prazo, muitos gestores tendem a dar retornos, no melhor dos casos, iguais aos índices. Existem fundos que vencem os índices, mas seremos capazes de encontrá-los?

8- Não gerir pessoalmente os investimentos

Estamos a investir? Muitos investidores consideram que subscrever um fundo de investimento não é investir. Compra e venda, decidir se sair de um mercado como outro, é um sentimento que não podemos ter com os fundos. Podemos mover-nos entre eles, e acima do peso um ou outro de acordo com nossas expectativas, mas não é o mesmo. Há investidores que querem delegar a gestão dos seus ativos, e querem ter controle absoluto do seu dinheiro, e isso é algo que os fundos de investimento não podem lhe dar.

9- Não ter uma “voz” na gestão

Existem muitos estilos diferentes de investimento, mas nos fundos o investidor não tem voz. Se compra um negócio, como um restaurante, consegue ter uma opinião sobre os investimentos que devem ser feitos, como os acionistas de uma empresa cotada, mas nos fundos que não é possível. O gestor descreve a sua maneira de investir, se gosta bem, e se não estiver lá, tem a porta. Alguns investidores podem não concordar que a sua única alternativa é estar dentro ou fora, não para o lado, o que os levará a não delegar os seus ativos nesses produtos, e procurar aconselhamento financeiro ou carteiras administradas com maior impacto do participante no negócio. tomada de decisão.

10- Nem todos são transparentes

Os fundos devem fornecer informações aos investidores sobre a sua gestão e operação. Mas e se eles não o fizerem? E se essa informação não for informação relevante? Existem fundos mais opacos do que outros. Alguns não atualizam os valores de liquidação diariamente (tenho visto atrasos de uma semana) e já não falamos de informações relevantes. Em algumas gestoras de fundos, não é fácil saber os movimentos que eles fizeram, bem como a opinião do gestor. Existe muita informação a ser fornecida, mas neste ponto algumas gestoras fogem do assunto. Isso pode gerar desconfiança nesse tipo de produto e ser um problema em momentos tensos de mercado.

 

Conclusão

Isso depende. Não há mais. Existem carteiras de fundos de alta qualidade. São produtos que são muito úteis e podem atender às necessidades dos investidores, mas na prática sempre surgem problemas. Tudo depende da importância de cada investidor para cada uma das vantagens e desvantagens referidas, e outras que foram deixadas no encanamento.

Na nossa opinião, há uma questão fundamental que devemos nos perguntar para determinar se é o nosso produto:
Acha que é possível vencer o mercado?

 

Sobre o autor

Henrique Garcia
Analista de Mercados

    Onde Investir com Bolsonaro na Presidência

    Onde Investir com Bolsonaro na Presidência

    O Plano O economista de Jair Bolsonaro é Paulo Guedes, um conhecido liberal e ex-banqueiro que desenhou o plano de governação focado em reformas e privatizações. O "Tripé" O programa...