Abrir horizontes no nosso portfólio: diversificação

A diversificação numa carteira de acções é essencial para a estabilização do comportamento da nossa carteira por quê? Porque se investir todo nosso capital em uma única ação, um revés na empresa, uma mudança de ciclo no setor, ou penalidade o índice de ações a que pertence, fará com que a carteira, neste caso, formado por uma única ação, seja gravemente penalizada. Da mesma forma, o oposto pode acontecer, mas faz sentido para construir uma carteira com boas empresas, de modo que, se errar no investimento de uma, as outras ações mitigado o risco da carteira.

Tipos de Diversificação

Numa carteira de acções, a diversificação é investir em empresas de países e / ou diferentes setores. Há também um outro tipo de diversificação, diversificação temporária. Este último é mais importante do que parece, porque nos garante comprar ações a preços razoáveis:

– Diversificação geográfica: É a diversificação que consiste na compra de ações de outros países. Como as grandes empresas em um país estão altamente correlacionados com o índice, uma forma de reduzir a variabilidade de uma carteira de ações domésticas é comprando ações de empresas estrangeiras. O que devemos considerar? taxa de câmbio. As taxas de câmbio também afetam o retorno final sobre o investimento.

– Diversificação sectorial: A diversificação do setor é eliminar o risco da carteira através da incorporação de novos setores. Em Espanha, encontramos fortes empresas dos segmentos financeiro, energia e construção. Portanto, se começarmos uma carteira de ações a partir do zero, não seria razoável para iniciar esses setores. Além disso, existem importantes empresas de outros setores (Inditex e Telefônica). No entanto, não encontramos carros ou empresas de software, por exemplo.

– Diversificação Temporal: A diversificação Temporal tem a ver com quando comprar. A diversificação temporal, consiste em realizar compras espaçadas ao longo do tempo nas ações que nos propusemos analisar e que nos pareçam que estejam quotizadas abaixo do seu valor. Isto irá permitir-nos obter bons preços médios de compra, independentemente de que mercado.

A diversificação temporal é uma boa prática quando começamos a investir, isso, evitará evitar que compremos de forma abusiva com todo o nosso capital Em relação à diversificação sectorial e geográfica, se temos uma carteira composta por alguns valores nacionais, é melhor investir no exterior em setores que não estão presentes no mercado interno e diversificar em ambos os aspetos simultaneamente.

Como podemos diversificar

Suponha que temos uma carteira de acções portuguesas compostas de setores bem representados no mercado nacional: EDP, Corticeira Amorim, CTT, Semapa, Montepio e Sonae. Neste ponto, pode ser a diversificação muito interessante, tanto geográfica como sectorialmente. Quando temos uma carteira de ações nacionais que queremos diversificar, é necessário operar com um corretor que nos possa a cessar a acções de outros mercados.

Para diversificar da maneira mais eficiente possível, poderíamos incorporar uma empresa de consumo, outra de telecomunicações e uma de automóveis. Empresas grandes e estáveis ​​nestes sectores seria Diageo, AT & T e Volvo. Além disso, com estas empresas não só estaríamos a diversificar por sector, como também por país e moeda: Diageo é uma empresa britânica de bebidas alcoólicas (Guinness, Smirnoff, Baileys, etc.), a AT & T é uma empresa de telecomunicações dos EUA que também é proprietária Time Warner. Finalmente, a Volvo é um conhecido fabricante de carros e caminhões. Estas três empresas, além de nos proporcionarem exposição a outros setores, também nos proporcionam exposição à libra esterlina, ao dólar e à coroa sueca.

Tem um custo diferente comprar ações em outros mercados?

Normalmente operar em outros mercados tem comissões ligeiramente superiores. No entanto, isso não deve nos impedir na hora diversificar, porque o custo é muito baixo em relação ao risco de que podemos reduzir.

Além das comissões de compra e venda, é preciso levar em conta as taxas e comissões de custódia.  O facto de serem gratuitas é muito importante, especialmente quando investimos com um horizonte temporal de médio ou longo prazo. Não se esqueça que qualquer custo adicional faz diminuir o retorno final sobre o investimento, por isso quanto pagarmos em comissões melhor.

 

Sobre o autor

Fabio Gourgel

    Melhores corretoras de Bolsa em Portugal

    Estas são as comissões que nos cobraram em 2017 as principais corretoras de bolsa do mercado português.  A melhor corretora para um investidor não tem que ser a melhor “broker” para outro. O...