Razões para vender ações - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Razões para vender ações

Subscrever Agora

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


razões para vender ações

Razões para vender ações: com os índices norte-americanos de volta aos máximos históricos, o fim do QE, a nova recessão no Japão, a possibilidade de uma Europa e os dececionados por Endesa, que não sabiam que o suculento dividendo seria deduzido do preço; a pergunta mais ambígua e evasiva de se responder volta à mente de muitas pessoas: Quando devo vender?

Razões para vender ações

Os investidores e os especuladores de maior sucesso o são porque, antes de entrar no mercado,  se perguntam quais os cenários que os forçariam a sair (parcial ou totalmente) e quais os encorajariam a acumular. Em suma, a decisão de vender deve ser tomada junto com a decisão de comprar (e/ou com as atualizações periódicas), para que o pânico dos outros e o humor do mercado não influenciem emocionalmente as nossas decisões racionais e a nossa estratégia. Não importa se és um especulador, um investidor ou um day trader, todos nós temos que estabelecer a priori as razões pelas quais deveremos vender.

A lista a seguir não é uma das tábuas de Moisés nem a Constituição. Não se aplica a todos os investidores/especuladores e não é um resumo exaustivo; são simples digressões que me ajudaram a encontrar os melhores motivos e momentos para vender (total ou parcialmente) ou, no máximo, a reavaliar a minha tese. Se algum deles for útil e puderes adaptá-lo à tua filosofia e estratégia, tanto melhor.

  • Sempre que tenho uma posição que perde dinheiro (quase sempre mais de 10%), reviso todas as minhas análises e pergunto-me se os motivos (que escrevi no meu diário) para comprar ainda são válidos. Nessas situações, sempre me pergunto: se eu tivesse mais dinheiro ou se estivesse a começar a construir o meu portefólio do zero, eu voltaria a comprar essa empresa hoje? Eu faria essa negociação novamente?
  • Sei que devo vender um investimento quando a minha análise é substituída ou infetada por justificativas, desculpas ou racionalizações como fé (vai se recuperar ou continuar a aumentar), promessas dos managers, sonhos e opiniões de outros acionistas, confirmações procuradas na Internet e nos analistas, esperança de estar em equilíbrio, ilusão de ter a bola de cristal, a crença de que no longo prazo tudo sobe (sem distinguir que há coisas que estão temporariamente depreciadas e outras que o estão quase permanentemente).
  • Quando o investimento tem que cumprir muitas promessas, não apenas no microcosmo da sua indústria ou do seu sector, mas também no seu ambiente económico e geopolítico.

Importantes decisões ações

  • Quando me vejo a perdoar todos os passos em falso da direção pelo simples motivo de que acredito e confio nela.
  • Quando a empresa começa a usar a alavancagem financeira, as aquisições, a recompra de ações e outros truques contábeis, como os inventários e os créditos, para simular crescimento, em vez de se concentrar no crescimento orgânico.
  • Quando a inclinação da cash burn rate se acelera, especialmente nos turnarounds e nos Net-Nets.
  • Quando os insiders vendem ações massivamente.
  • Quando a inclinação do preço das ações supera os 45°.
  • Quando passam a classificar as despesas de marketing, os luxos e uma parte da remuneração dos gerentes e diretores como ativos depreciáveis ​​ou investimentos em vez de despesas.
  • Quando, através da engenharia financeira, a empresa passa a ter lucros que não correspondem à atividade principal do seu business.
  • Quando preciso de mais dinheiro porque surgiu uma oportunidade melhor.
  • Quando o stock e o CAPEX da empresa continuam a aumentar, mas as vendas estão estagnadas ou começam a diminuir e, em simultâneo, a rotação de stock e o ciclo de conversão de caixa começam a se deteriorar. Isso é particularmente útil nos cíclicos.
  • Quando vejo que o investimento tem um fan club e tornou-se um meme na moda.
  • Quando comprei apesar de não ter certeza da minha análise e preciso fazer perguntas e buscar opiniões para me tranquilizar e confirmar o meu ponto de vista.
  • Quando fico furioso ao ler uma opinião contrária à minha análise ou desprezo o investimento.
  • Vender açõesQuando a revisão periódica do meu diário indica que estou a cair no efeito de disposição (vendo os vencedores e mantenho os perdedores).
  • Quando a revisão periódica do meu diário indica que estou a personalizar as perdas e mantenho a posição por orgulho, para demonstrar um ponto ou já gastei muito tempo a pesquisar/recomendar/elogiar a empresa (Inconsistency-Avoidance Tendency e Sunk cost fallacy) e não pelas razões racionais corretas.
  • Quando a revisão periódica do meu diário diz-me que rebaixei os meus padrões de investimento quando comprei a empresa e/ou concentrei-me apenas num atributo da empresa.
  • Quando a revisão periódica do meu diário diz-me que os meus ganhos recentes foram devidos mais à sorte do que ao meu juízo e à minha análise.
  • Quando a revisão periódica do meu diário diz-me que comprei por Fear of missing out (FOMO).
  • Quando por necessidade ou o horizonte e a minha estratégia ou análise pre-mortem o marcaram.
  • Se comprei equivocadamente uma empresa e não posso explicar em algumas frases o seu business e a tese de compra, e se não consigo traçar um caminho claro de como os lucros e a liquidez são gerados.
  • Se dois grandes investidores começarem a ter uma rixa e/ou posições opostas na empresa. Quando os elefantes lutam, é a grama que sofre.
  • Se não consigo suportar ideias opostas sobre a evolução da empresa, ou seja, se não suporto as dissonâncias cognitivas.
  • Se eu vejo que os interesses da direção e/ou dos sócios maioritários não estão mais alinhados aos meus.
  • Quando os meios de comunicação, o governo e/ou outras instituições prometem ou vendem o investimento como a nova panaceia ou milagre.
  • Quando, devido aos ganhos, a posição ultrapassou o peso percentual máximo no meu portefólio.
  • Quando não consigo dormir em paz.
  • Quando o preço está no intervalo do valor da empresa após uma atualização de avaliação.
  • Quando as margens e o Moat começam a se deteriorar rapidamente devido ao surgimento de uma tecnologia disruptiva ou de um concorrente de baixo custo.
  • Quando os créditos, os fluxos de caixa e a demanda do sector excedem as médias históricas. É engraçado porque este é um sinal confiável tanto das bolhas das rodovias e dos trens como das bolhas ponto com e imobiliária.
  • Quando comprei por conselho, opinião ou narração de outra pessoa, ou simplesmente porque um grande investidor também comprou/acumulou e eu não fiz a minha análise antes.
  • Quando a alocação de capital da direção é baixa ou começa a mostrar sinais claros de deterioração.
  • Quando a empresa começa a sair do seu círculo de especialização e mostra sinais de transtorno de acumulação compulsiva.
  • Quando não estou mais satisfeito com a relação risco/recompensa.
  • Quando troquei um investimento por uma negociação especulativa e vice-versa.
  • Quando procuro culpados (a FED, o governo, os chineses, as conspirações, etc.) para defender e racionalizar o motivo pelo qual o investimento não funcionou como eu pensei. Isso apenas indica que a minha análise era defeituosa e que não comprei com margem de segurança suficiente.

Talvez este post deva ir acompanhado de outros que falem sobre “Quando não vender, quando comprar e quando não comprar”, porque o engraçado é que muitos dos pontos que acabei de citar têm o seu inverso, mas isso ficará para outro momento.
Ao final, tudo se resume a vender por motivos racionais e não por motivos emocionais.

 

Manual de Bolsa

Artigos Relacionados

Como comprar ações do Benfica? Com mais de 6 milhões de adeptos, o Sport Lisboa e Benfica não só é o maior clube desportivo português, como é também um dos maiores em todo o mundo. Aliás, não é por acaso que...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments