Uma análise profunda do CTT

Correios de Portugal ou CTT são uma empresa portuguesa cujas actividades se encontram centradas no correio postal, serviços de logística e banca postal, foi privatizada em 2013, pelo governo português dentro dos acordos de resgate por parte da troika para reduzir o endividamento no sector publico. Embora possua a maior parte do seu negócio em Portugal, também desenvolve atividades em Espanha com a empresa de serviço de mensagens, Tourline Express e também nas antigas colónias portuguesas em África.

A sua estratégia é a de preservar o valor de negócio dos correios ainda que vejamos que é difícil pois é um sector que se encontra em declínio. Tem aproveitado por isso, as suas oportunidades de crescimento através dos serviços de entrega e expandido o seu negócio nos negócios de serviços financeiros e através do banco postal.

CTT : Sector

O sector encontra-se neste momento numa fase de transformação devido ao avanço do mercado tecnológico e queda do correio físico devido ao processo de substituição pelo mundo digital.

Esta situação comprova o continuo decréscimo tanto em volume de envios, como em volume de ingressos, tudo devido à aposta por parte de particulares como empresas de administrações públicas pelas opções digitais. Tal como verificamos no seguinte quadro.

Vendo concretamente o exemplo de Portugal que não é uma excepção relativamente ao comportamento europeu, com uma caída constante desde o ano 2000 relativamente ao correio postal. Apesar da redução de volumes é verdade que também há aumentos relativamente aos ingressos, contudo, não parece ser algo sustentável no futuro.

Por outro lado surge a oportunidade no negócio de serviços de entrega que tem tido um crescimento contínuo com aumentos generalizados em volumes e ingressos.

As previsões para o futuro são positivas graças ao crescimento em volume de vendas por parte do comercio electrónico, e isto deve-se devido ao aumento de vendas na web e ao aumento de confiança por parte do consumidor em adquirir produtos online.

Concretamente, o mercado português segue a tendência do mercado internacional onde se vê um aumento no mercado de serviços de entrega nos últimos anos isto, apesar da importante crise sofrida em Portugal, há mesmo, um aumento em percentagem de famílias com acesso à internet. A saída da crise e a aceleração do crescimento económico  apoiado no crescimento do consumo possibilita e proporciona as vendas à distância. Também se observa que apesar desde aumento em volumes, os CTT não souberam aproveitar pois após um crescimento de volume no serviço de mensagens de 7% estes últimos anos o crescimento foi pouco mais que 2%.

CTT : Riscos

O principal risco é o crescimento tecnológico já que o correio postal é um negócio em declínio, devido à substituição pela era digital, e esta situação leva a uma progressiva redução dos volumes e entregas. Por outro lado esta situação poderá ser atenuada com o crescimento de outras linhas de negócio principalmente no mercado de serviços de entrega, no entanto há pouca penetração no mercado online . Prevê-se grande aceleração e crescimento no mercado de correio electrónico .

Apesar da debilidade do sistema financeiro Português com insolvências e resgates de bancos, este segmento é visto como uma oportunidade por parte das entidades solventes, onde poderá ser aproveitada a extensa rede de estações de correios para oferecer serviços e assim permitir a penetração dos CTT no mercado Português.

CTT: A competência

Agora vejamos como se encontram os CTT relativamente aos seus concorrentes de sector de mercado, onde apenas podem ser incluídos o negócio postal e de mensagens já que se forem incluídos os negócios financeiros dos CTT e Poste Italiane, não se pode efectuar uma comparação adequada já que nem todas as companhias têm estes segmentos.

A baixa cotização produzida neste ultimo ano faz com que os CTT sejam a empresa com a menor valorização em relação aos seus pares europeus, com baixos rácios 2,23 EV/EBIT e um per de 12,12. Também vemos que as avaliações do mercado em geral, são baixas, o mercado encontra-se no geral com um pessimismo relativamente à industria postal e de transportes.

DHL é a que, maior valorização mostra e que se soube reinventar o que faz com que de momento não dependa do negócio tradicional postal já se tendo transformado num operador logístico à escala global, e é por isso mesmo que o mercado não se mostra totalmente negativo.

No que diz respeito à divida, este é um sector sem endividamento e com a maioria das empresas com saldo liquido em caixa. Os CTT são a empresa com maior liquidez em caixa, além de mostrar o melhor rácio corrente e rácio quick.

As altas margens e rentabilidade apesar do declínio do correio postal e da alta competição no sector de mensagens mostram-nos que há uma vantagem competitiva, e isto deve-se ao facto de todas estas empresas serem antigos monopólios estatais e conseguem por isso manter um efeito em rede significativo nos respectivos países.

Tanto o CTT como Bpost são as melhores empresas com margens de dois dígitos de 17.61% e 20.47% na margem operacional e 10.68% e 14.18% de margem liquida e rentabilidades com muita diferença em relação aos restantes com ROE 26,63% e 44.19% e um ROCE de 17,42% e 21.60% respetivamente.

CTT: Proprietários e Gestores

O Capital da empresa embora se tenha tornado propriedade do Estado Português encontra-se atualmente repartido em 71% em investimentos institucionais, em 14% em Familly Office onde se destaca com 9,9% o acionista Manuel Carlos de Melo como o maior acionista dos CTT e ainda 15% em acionistas minoritários.

Apesar das quebras o seu maior acionista Manuel Carlos de Melo continuou a aumentar a sua participação na empresa de maneira importante segundo mostram as contas anuais, demonstrando a sua confiança no futuro da empresa.

A Empresa também se comprometeu a continuar remunerar o acionista com 0,47 cêntimos por ação que supõe cerca de 60milhões de euros em que há preços no principio de Abril suponha uma rentabilidade por dividendo de 9,2% sendo a empresa capaz de os pagar na integra com o beneficio.

CTT : Análise Financeira

Como vimos, o declínio no sector postal mostra-se nos resultados da empresa com constantes reduções nos seus ingressos ao longo dos últimos anos, apesar deste facto, e da crise económica tanto o EBIT como a EBITAD aumentaram graças às reduções de custos.  Em lado oposto, nos últimos anos produz-se uma redução nos benefícios, o propiciou uma quebra no valor da ação.

Fluxos em caixa

A empresa demonstra que o seu negócio continua a gerar dinheiro ainda que seja bastante volátil este indicador dos últimos anos, os gastos em capital foram altos devido a abertura de agências bancárias CTT devido a este facto o gasto em capital no futuro deverá ser mais reduzido de forma a provocar um aumento nos fluxos em caixa para a empresa.

Divida

É uma empresa estável sem divida e com liquidez todos os anos, por isso mesmo não devemos temer uma situação deste tipo, tanto no rácio corrente como em rácio quick  mesmo que tenha havido uma queda relativamente ao ano passado de 1,3 a 1,06 o saldo continua a ser positivo. A única parte em que poderiam haver melhoras é relativamente ao rácio de passivo que se encontra nos 4.64 um pouco alto, mas como disse, não havendo divida financeira é completamente suportável obter um rácio desta natureza.

Qualidade do negocio

Os rendimentos são bastante elevados, acima dos 20% tanto em rentabilidade sobre fundos próprios ( ROE ) como em rentabilidade sobre o capital aplicado (ROCE) , também as margens são elevadas acima dos 10%em termos de margem de operação e com boa margem liquida de 8,88%  no ano de 2016, estes números demonstram a vantagem competitiva que possui no mercado Português como antigo monopólio estatal, esta dominância é refletida na sua vasta rede de filiais em todo o país.

CTT : Valorização

Embora o efeito rede proporcione um fosso entre os demais e mostre um alto retorno sobre os capitais devemos considerar que o negócio de correio postal se encontra em declínio e podem não compensar todos os ingressos que gera por mensagens e serviços o que poderá tornar-se no futuro uma armadilha para o negócio. Apesar destes problemas visíveis e constatados a nível europeu e mundial os CTT são uma empresa com solidez financeira e equilíbrio como demonstram os seus mais de 474 milhões de euros em caixa, líquidos uma vez que descontamos o efetivo não disponível e que pertence ao banco que nos mostra um equilíbrio efetivo de 618 milhões que subtraindo ao passivo nos dá um valor em caixa de 609 milhões de euros.

Por isso vou considerar duas estimativas, se considerarmos o cenário pessimista, com um lucro médio de € cerca de 60 milhões, o que eu acho que é razoável, uma vez que é maior do que à 5 anos atrás quando o negócio dos correios ainda era  importante dá-nos um preço de 7,17 € e o preço de recompra € 5,09 é uma reavaliação potencial e se considerarmos uma estimativa menos negativa e considerando um lucro de 78 milhões e preço médio objetivo é 8,39 € e uma reavaliação potencial de 64,76%.

Além disso, se comparado com os múltiplos de mercado habituais, ao preço de € 5,09 nos dá a reavaliação potencial seguinte:

Exceto no preço / valor dos livros verificamos que apresenta um potencial de reavaliações posição em caixa (liquido)  que reduz o valor da empresa e por isso nos dá múltiplos tão baixos como 2,23 vezes EV / EBITDA e EV / EBIT de 2,72 às vezes, demonstrando pessimismo excessivo pelo mercado e que os lucros serão menores na oferta futura, uma classificação muito baixa, de modo que o pior cenário parece já ter descontado e por isso devemos ter uma grande margem de segurança. cerca de 12,12 vezes por também é listado benefícios com um desconto de quase 40% em comparação com outras empresas, mesmo no mercado.

 

CTT : Conclusão

CTT é um negócio em declínio e baixas avaliações da empresa, podemos mostrar que temos um “valor armadilha”, no entanto, creio que a queda acentuada no preço das ações têm sido exagerados e desconto e o pior cenário para a empresa.

É uma empresa com um caixa líquido que representou um valor de 60% da sua capitalização, tem uma ampla rede de agências que fazem você ter uma posição dominante em Portugal e com rendimentos muito elevados acima de 20% em seu ROE e ROCE.

Ele também tem potencial de crescimento em outras linhas de negócios, como o crescimento no negócio financeiro e de encomendas, para compensar a queda no pós segmento de renda. Embora esses primeiros anos da criação do banco postal vai exigir alguns investimentos iniciais significativos deve ser lembrado que usa sua localização no conjunto das suas estações de correios para implantar sua atividade bancária tão investimentos de capital será reduzido em os próximos anos.

Finalmente, de acordo com minhas estimativas e viu que ainda tem um potencial mínimo de reavaliação interessante de acordo com a minha análise de 40% decidiram aumentar a posição que detinha na empresa ao longo do ano passado.

Sobre o autor

Tomás marcos marcos

    Melhores corretoras de Bolsa em Portugal

    Melhores corretoras de Bolsa em Portugal

    Estas são as comissões que nos cobraram em 2017 as principais corretoras de bolsa do mercado português.  A melhor corretora para um investidor não tem que ser a melhor “broker” para outro. O...