Analisando Facebook

Analisando Facebook

Primeiro de tudo, analizaremos a famosa rede social FacebookAcreditamos que o mercado não vê o valor real do Instagram, Whatsapp e Facebook Messenger, mais um motivo, para esperar valorizações no Facebook.

Análise do Facebook

Facebook, passou de um grau de penetração de 5% a 25% do mercado em menos de 10 anos, crescimento apoiado por um fosso cada vez mais amplo e defensável, ao mesmo tempo que aumentou exponencialmente dinheiro em caixa. O Facebook requer pouca introdução, é a rede social conhecida e fundada por Mark Zuckerberg, em 2004. Que também possuía o Instagram, WhatsApp e Facebook Messenger.

Google e Facebook têm uma quota de mercado de 75% em publicidade digital e consideramos que ambos têm negócios defensáveis com importantes vantagens competitivas.

Sobre o Facebook, destacamos que conta com quase 2.000 milhões de utilizadores ativos em todo o mundo. Esta presença global é muito importante e acreditamos, que é um dos motivos pelo qual o Tuenti não teve êxito. As pessoas querem uma rede social que tenha um máximo de amigos possíveis, para que se possam manter em contacto entre os próprios afim de compartilharem grupos ou eventos.

Além disso, quanto mais as pessoas estejam numa rede social, mais interessante é para as empresas criarem páginas de Facebook afim de oferecerem serviços e produtos afim de incrementarem valor tanto para os utilizadores, como para as próprias empresas. Grupos de compra e venda de produtos têm tido bastante sucesso, entre os utilizadores.

O Instagram conta com mais de 700 milhões de utilizadores ativos mensalmente, quase 5 vezes mais do que o Snapchat. Em Espanha, temos sido capazes de acompanhar de perto a evolução de ambas as redes sociais. O Facebook tem promovido, a toda a hora a utilização do Instagram e assim facilitar o encontro de amigos do Facebook, afim de os agregar ao Instagram. O êxito do Instagram não teria sido possível sem o Facebook e consideramos ser esse o motivo pelo qual o Snapchat tem tido problemas para crescer a sua base de utilizadores. Acreditamos que assim vai continuar, a não ser que seja comprada por uma empresa forte que possa promover o uso desta rede social. A vantagem competitiva encontra-se na base gigante de utilizadores, mais do que na tecnologia, por isso resulta num negócio, simples de entender.

O Facebook, cresceu de 360 milhões de utilizadores ativos mensais em 2009 ( 5% penetração mundial ) para 1.860 milhões na atualidade ( 25% penetração mundial ).

Facebook

As receitas por utilizador têm-se multiplicado de 3 a 4 anos, até chegar aos 14,86$ por utilizador em 2016. Cabe destacar que nos USA / Canadá o Facebook ganha algo mais de 60$ por utilizador enquanto na Europa uns 20$ e na Ásia no resto do mundo uns 6$.

O lucro operacional do Facebook, aumentou por 11 desde que veio a publico a 5 anos, no entanto, o valor das ações aumentou apenas por 4. É verdade que quando começou a negociação/quotização foi avaliada em múltiplos altos, mas dado que o crescimento dos seus benefícios foi extraordinário, hoje em dia depois de uma forte reavaliação, a sua valorização é apenas razoável na nossa opinião.

O Facebook, é negociado com um PER de 25 (2017), muito abaixo do seu múltiplo histórico dos últimos 3 anos (quase 70 vezes). Consideramos que se trata de um múltiplo atrativo pois acreditamos, que a empresa continuará a crescer a uma taxa de dois dígitos, em parte porque ainda há espaço para aumentar o seu numero de utilizadores na rede, mas especialmente porque acreditamos que a receita por utilizador ainda se encontra numa fase ascendente.

Além disso, acreditamos que o mercado não reconhece o valor do Instagram, WhatsApp e Facebook Messenger. São três negócios que apenas geram lucros e acreditamos que acabarão por ser rentáveis e que por isso possuem um valor bastante elevado.

Será que o Facebook, irá crescer mais a médio prazo?

Duvidamos que tenha um crescimento muito maior do que o que possui hoje e estas, são as principais razões:

  1. Incompatibilidade de tempo dos utilizadores dentro da rede e o os gastos médios em publicidade

Verificamos que apesar do tempo aplicado nos telemóveis que já responde a 25% do total (numero que se encontra a aumentar), a percentagem do gasto das empresas em publicidade nos telemóveis na sua despesa total ainda é de 12%. O gasto publicitário acabará eventualmente por se passar nos meios de comunicação onde os utilizadores passam mais tempo o que fará aumentar a receita do Facebook. A rede social não está sobrecarregada de anúncios que incomodam os utilizadores, por esse motivo, podem ainda aumentar o numero de anúncios na rede social.

Além disso, são as pessoas com menos de 30 anos as mais ativas nas redes sociais, as que pouco a pouco aumentam gradualmente o seu poder de compra.

      2. Vídeos na plataforma, TV

O aumento de vídeos nas redes sociais (a visualização de vídeos em direto no Facebook, multiplicou-se por 4 em 1 ano) facilita o aumento de receita em publicidade.

Acreditamos que este sucesso em vídeos e a interação entre utilizadores vai permitir que cada vez mais apareçam transmissões de qualidade no Facebook, desde séries de TV, até eventos desportivos.

      3. O comentário de Mark Zuckerberg na ultima apresentação de resultados

Como comentou Mark Suckerberg na sua ultima carta trimestral, durante a ultima década o Facebook, centrou-se em conectar amigos e famílias. É agora que a empresa se vai esforçar em construir uma comunidade global, oferecendo cada vez mais e mais serviços. Nesta comunidade global também, estão presentes muitas empresas, já que mais de 70 milhões de negócios são utilizados através de páginas Facebook, todos os meses, dos quais mais de 5 milhões são publicitados no Facebook.

Portanto, o Facebook, já tem na sua plataforma milhões de empresas, às quais pode oferecer que vendam os seus produtos diretamente através do Instagram e Facebook, publicidade direta e outro tipo de serviços de atenção ao cliente e através dos seus serviços globais de mensagens como o WhatsApp e Facebook Messenger, a combinação perfeita. Por todas estas razões acreditamos que o Facebook, continuará a crescer tanto em numero de utilizadores como a nível de receitas por utilizador e confiamos plenamente na gestão do seu fundador e máximo acionista.

      4. Preço Vs Volume

O Facebook alcançou essa segmentação e categorização da sua base de utilizadores sendo que esta informação é de um extraordinário valor para os anunciantes. Não é fácil encontrar outro canal que possa segmentar tanto a publicidade em função do perfil dos seus utilizadores , assim aos anunciantes não resta outra opção que não seja aproveitar essa mesma segmentação proporcionada pelo Facebook. E num mercado com um único fornecedor, desta forma, os preços dos produtos continuarão a subir de forma considerável.

Mark Zuckerberg deixou claro em várias ocasiões que o Facebook, não está disposto a aumentar o número de anúncios de forma agressiva pois sabe que esta é uma forma de não irritar / saturar os seus utilizadores.

Facebook: conclusões

O Facebook veio a publico com múltiplos muito elevados para os benefícios que tinha nesse mesmo momento. No entanto, as ações estiveram muito bem, justificando a valorização que lhe foi dada, até parece que o mercado se tornou curto, tendo em conta o bom desempenho. O Facebook é uma empresa fabulosa, mas não nos teria sido cómodo ter que pagar um múltiplo 100 vezes maior que os lucros. 

Continuo a gostar da empresa ainda mais do que alguns anos atrás e sua valorização parece-nos atrativa, sendo conservadores, considero que se podem esperar retornos anuais a médio longo prazo de dois dígitos.

 

Sobre o autor


Responder a este tópico

Bem-vindo(a) à comunidade!

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Ao continuar, aceita a política de privacidade