Fed: uma mudança dovish com possibilidade de contágio

A declaração do presidente da Reserva Federal, Jerome Powell, no passado dia 27 de agosto em Jackson Hole, de que a Fed irá manter as taxas de juro baixas para se concentrar num nível de pleno emprego (nível de emprego consistente com a economia no seu potencial) significa que o banco central está a adaptar a sua estratégia de médio prazo à realidade económica atual.

Desde o momento em que a Reserva Federal adicionou ao seu mandato o nível de pleno emprego como um dos seus objetivos, foi possível observar os seus governadores a focarem-se nos riscos inflacionistas que podem surgir na sequência de um sobreaquecimento dos mercados de trabalho. A finalidade desta meta revela maioritariamente a necessidade de olhar com maior atenção para o mercado de trabalho como um meio para atingir a estabilidade dos preços, e não como um fim em si próprio.

Ainda assim, Jerome Powell acredita que a política monetária da Fed não deve estar demasiado dependente de variáveis teóricas e não diretamente observáveis. Acima de tudo, procurar o nível de máximo emprego implica também uma abordagem experimental para se descobrir quando irá aparecer a inflação, e que por isso não devemos tentar adivinhar previamente o quão baixo é esse nível de pleno emprego.

Esta revisão da política monetária tem então como objetivo ajustar a estratégia da Fed ao atual enquadramento económico. Existem, portanto, diversos fatores que justificam esta a necessidade desta mudança:

  • Curva de Phillips horizontal – Este facto sugere que o crescimento económico e de salários têm um menor impacto numa possível subida da inflação. Desta forma, um banco central não tem de responder de forma tão agressiva a uma aproximação da economia ao seu potencial e nível de pleno emprego. Este foi um erro da própria Fed em 2015-18, quando Janet Yellen bem como os membros do Conselho de Governadores justificaram o aumento da taxa de juro diretora com a possibilidade de se vir a observar um mercado de trabalho sobreaquecido;
  • Baixas expectativas de inflação (sticky prices) – A expectativa das pessoas relativamente à inflação também contribui para o novo framework da Reserva Federal. Os preços de mercado estão mais resistentes à mudança o que diminui também a necessidade de uma subida das taxas de juro;
  • Pouco foco na taxa de participação da força de trabalho – Durante vários anos, a Fed avaliou o seu objetivo de pleno emprego através de modelos teóricos sofisticados, recorrendo pouco a outras métricas mais realistas como a participação da população no mercado de trabalho. Sempre se assumiu que aqueles que estão desempregados há mais de seis meses estariam então fora para a contagem daqueles que fazem parte da força de trabalho. Adam Posen (2014), no entanto, sugeriu que incluir o desemprego de longo-prazo na participação da força de trabalho daria uma melhor precessão do real nível de pleno emprego (uma vez que diminuiria o denominador da fórmula utilizada para o cálculo do desemprego) e que não o fazer poderia levar a uma subida precoce das taxas de juro. Olhar para a participação da mão de obra daria então uma avaliação mais precisa dos riscos de inflação e distância ao pleno emprego do que avaliar apenas a taxa de desemprego no seu potencial.

Com esta mudança, a Fed permitirá agora que os níveis de emprego se situem a um nível igual ou superior ao máximo estimado. Este objetivo introduz também uma posição mais dovish a longo-prazo sobre uma eventual subida da taxa de juro, uma vez que a Fed não o irá fazer tendo por base apenas o facto de o emprego ter atingido o seu nível máximo estimado.

A mudança das prioridades da Fed pode vir a liderar o caminho para que outros bancos centrais aumentem também os seus mandatos de emprego. Apesar de a maior parte dos bancos centrais em todo o mundo nem sequer terem um objetivo de emprego incluído como parte dos seus mandatos, muitos deles olham para ele como um meio para compreenderem uma possível evolução da inflação.

Disclaimer:
O material postado é apenas para fins informativos e confiança nele pode levar a perdas. Os resultados passados não são um indicador confiável de resultados futuros. Por favor, leia o nosso aviso legal na integra.

0

Sobre o autor

Frederico Aragão Morais

Market Analyst da TeleTrade

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *