Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Grande apagão mundial: oportunidade de investimento?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Todos falam de que vai haver um grande apagão, no seu país, na Europa, em todo o mundo. Voltaremos à era da caverna, sobreviveremos como num filme pós-apocalíptico… que stress, na verdade. Não tínhamos o suficiente com as crises a vir na nossa direcção que agora também isto.

O que é isto do grande apagão mundial? é real ou é um embuste? É uma notícia que está a ser usada para espalhar o pânico no mundo?

O que é o grande apagão mundial?

No final de Outubro, os sinais de alarme tocaram, o governo austríaco explicou a possibilidade de um apagão de electricidade em grande escala. Por outras palavras, adeus à electricidade, mas também durante várias semanas.

E, claro, as pessoas lêem imediatamente isto e dizem: “Não, desta vez não ficarei sem papel higiénico no supermercado”. Desta vez estou à frente de todos os outros. Então o que acontece? todos vêm comprar gás de campismo, comida enlatada, garrafas de água, tochas, velas, casacos e tudo o que o ferreiro tinha na sua casa no filme Eu sou uma lenda!

Mas vamos deixar de ouvir teorias da conspiração e procurar fontes fiáveis antes de enlouquecer.

Porque é que a Áustria diz que haverá um grande apagão?

Devido à crise sanitária, a Áustria sofre de uma escassez de gás e isto causa muita incerteza. E o Ministro da Defesa não ajuda, assegurando que haverá um blackout mais cedo ou mais tarde.

Devemos preparar-nos para um grande blackout? 2020 nos ensinou alguma coisa, e é que nunca faz mal prepararemo-nos para tudo, mas também não enlouqueceremos.

Haverá um blackout na Europa? Deixe-me assegurar-lhe que provavelmente não. Tudo é diversificado para que isso não aconteça. A rede eléctrica na Europa é constituída por diferentes sistemas isolados uns dos outros, criando uma rede interligada. Significa que no caso de um sistema de abastecimento descer, haverá outro, e no caso de haver a possibilidade de um apagão num país ou região, estes serão socorridos por outros países.

Haverá um blackout em Espanha? Asseguro-vos que não haverá. Porque há muita diversificação. A Espanha não tem nada a ver com a Áustria, nem sequer no seu abastecimento, a Espanha é abastecida pela Argélia e, além disso, tem a obrigação legal de ter 40 dias de reserva de energia. Posso dizer-vos que na pior situação até à data, nem sequer 2 destes 40 dias foram utilizados.

Haverá um blackout na América Latina? Na Venezuela, houve um grave apagão. Porquê? falta de manutenção, e baixos salários para os trabalhadores que causaram menos pessoal essencial. Uma crise levou a outra.

Já sabemos o que é este grande apagão, e já vimos as causas e porque não devemos confiar em informações que não levam a nada. Mas esperem, porque vamos ao que é bom.

Oportunidades de investimento com a “crise” do apagão mundial

Como podemos tirar partido desta “crise”, como é que ela afecta a economia, que empresas ou sectores estão a beneficiar com isto?

Poderão ser as próprias empresas de electricidade ou os políticos interessados em difundir estes embustes a fim de beneficiar dos mesmos?

Explicámos recentemente neste artigo que a grande crise global chegou, especialmente sob a forma da crise energética. Uma das principais fontes de energia produzida no mundo é o petróleo, e noutro artigo recente explicamos porque é o momento certo para investir no petróleo e uma ideia de investimento numa empresa.

Bem, hoje trazemos-lhe alguns fundos de investimento e ETFs interessantes para poder ter exposição na sua carteira tanto para o sector energético em geral como para o sector das energias renováveis.

No primeiro caso, as grandes empresas produtoras ou distribuidoras de energia tendem a destacar-se, e no segundo caso, estão incluídos projectos com um maior enfoque no ESG e energias sustentáveis a longo prazo.

Vejamos o primeiro. Sabemos que a longo prazo a procura de combustíveis fósseis tradicionais como o carvão ou o petróleo diminuirá, isto é assim, tudo chegará ao fim mais cedo ou mais tarde. Contudo, é verdade que a curto prazo há menos oferta do que procura, o que a torna uma opção muito interessante.

No segundo caso, todos sabemos que as energias renováveis são o futuro, e por esta razão é muito difícil discriminar entre todas as empresas do sector, quais serão as melhores e quais cairão no esquecimento. Renovável?

ETFs interessantes para poder ter exposição na sua carteira

O ETF líder em energia é o Energy Select Sector, de ticker XLE. Inclui stocks de energia de grande capacidade no índice S&P 500.

A versão OICVM para investimento da Europa: “SPDR S&P U.S. Energy Select Sector UCITS ETF (SXLE)”. Tem um custo de funcionamento de 0,15%, tem 21 posições e as suas 10 primeiras posições representam 75% da carteira, com a Exxon Mobil em primeiro lugar com 22% e a Chevron em segundo lugar com 18%.

Outra ETF semelhante que podemos utilizar é o Fidelity MSCI Energy Index, ticker FENY. É bastante semelhante ao XLE, embora tenha menos liquidez mas é mais barato, com custos de cerca de 0,08%.

Existem também outras ETF com o mesmo tema, tais como a ETF de Energia com ticker VDE, a ETF de petróleo e gás com ticker IEO, ou a Invesco Dynamic Energy Exploration & Production ETF, com ticker PXE, que tem um custo operacional de 0,63 por cento.

Além disso, existe também o Invesco S&P SmallCap Energy ETF, ticker PSCE, que tem exposição a pequenas empresas de energia e tem uma carga contínua de 0,29 por cento.

É verdade que, no caso dos ETFs, há alguns que, por serem europeias, não as podemos comprar ao abrigo dos regulamentos actuais. No entanto, temos algumas alternativas possíveis para as incorporar na nossa carteira.

A primeira é procurar um ETF para a Europa, no primeiro caso que vos dei o exemplo da SXLE, na qual os europeus podem investir.

A segunda opção é vender opções put para que nos adjudiquem o ETF e a terceira opção é comprar ETFs através de CFDs.

Fundos de Investimento

Primeiro temos o BlackRock World Energy Fund, com um rácio de despesas correntes de 2% e o Franklin Naturla Resources Fund com um rácio de despesas correntes de 1,86%.

Se procura algo mais centrado nas energias renováveis, existe o BlackRock Sustainable Energy Fund,  com um custo de funcionamento de 1,99% e um rendimento anualizado de quase 15% ao longo de 10 anos.
Ou outra opção poderia ser a Pictet-Clean Energy com um retorno anualizado de 14% nos últimos anos.

Sabe que o desempenho no passado não é garantia de retornos futuros, por isso não se limite a passar pela forma como estes fundos se portaram no passado e faça perguntas como estas:

  • Quero realmente incluir o sector energético na minha carteira?
  • Será que quero ter mais peso na energia tradicional ou na energia limpa, e porquê?
  • Quanta exposição quero ter a este sector e como é que isto se enquadra na minha carteira actual?

Em última análise, as respostas a todas estas perguntas irão ajudá-lo a escolher as melhores opções de investimento para o seu próprio perfil de investidor e carteira.

Agora é a sua vez, fale-me disso porque estou interessado em conhecê-lo um pouco mais nos comentários. Já tem exposição ao sector energético na sua carteira ou prefere não estar exposto a ele?

 

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments