O que faz variar o preço do café?

preço do café

Por André Neto Pires, Analista na XTB Portugal

O que é que afeta o preço do café? A respostas mais óbvia é: a oferta e procura. Mas podemos identificar certos fatores que poderão dar fortes indicações sobre qual poderá ser a melhor estratégia de investimento nesta mercadoria. 

O café é uma commodity agrícola e, por isso, do lado da oferta, os principais fatores a ter em atenção são aqueles que afetam os níveis de  “produção”. São eles:

O clima é, de facto, o fator com o maior potencial de impacto na cotação do café, pois uma deterioração do clima pode facilmente levar a uma produtividade agrícola decepcionante e, consequentemente, a uma rotura de stocks.

É particularmente importante que os investidores monitorizem as condições climatéricas próximas ao equador, porque a planta de café cresce, tradicionalmente, melhor nessa área. 

Brasil, Colômbia, Vietname e Indonésia são os quatro maiores países produtores de grãos de café. Mas também existem colheitas substanciais na África, em países como Etiópia e Uganda. Por isso, as previsões meteorológicas relativas a estas regiões poderão dar indicações sobre a produção desse ano.

O fenómeno climático do El Niño é um fenómeno cíclico do leste do Pacífico, típico do primeiro semestre do ano, que, dependendo da sua evolução, pode beneficiar o cinturão produtor de café da América do Sul com temperaturas mais altas e maior precipitação, ou, pelo contrário, provocar secas significativas. Os investidores de cacau e café são muito diligentes em acompanhar a evolução. Os ciclos têm, em média, quatro anos, embora existam variações desde dois a sete anos, como se vê na imagem seguinte:

Fig.1: Linha do tempo de todos os episódios do El Niño entre 1900 e 2019

No entanto, as condições económicas dos países produtores também representam um potencial impacto no preço deste e de outros produtos agrícolas. 

Aproximadamente 35%  da oferta global de café em grão é proveniente do Brasil, pelo que, a tendência no real brasileiro exerce forte influência sobre os preços do café. A queda do Real brasileiro face ao Dólar americano (subida do par USD/BRL) torna mais atraente exportar café do Brasil, o que leva o preço do café a acompanhar, em certa medida, a queda do Real. 

De forma similar, a apreciação do Dólar em períodos geopolíticos mais calmos pode ter uma relação inversa com o café. A explicação simples é que um dólar forte em relação ao real brasileiro, torna a venda do café mais atrativa para os produtores, na medida que vendem em dólares e depois compram o real como sua moeda local. 

Na imagem seguinte, podemos ver claramente essa correlação, sobrepondo o gráfico diário do par USDBRL e o gráfico invertido do preço do Café.

Fig.2: Correlação entre o USDBRL (a preto) e o preço do Café (a vermelho). Gráfico do café está invertido.

Em conclusão, o café tem já um histórico interessante de longa data entre as commodities negociadas em bolsa, e as oportunidades podem surgir e renovar-se todos os anos. Embora seja sempre difícil prever com elevado grau de certeza o comportamento do preço, existem fortes relações e indícios que, para um trader atento, poderão dar ótimas dicas de investimento neste ativo agrícola.

Num futuro próximo, se por um lado fatores como as “alterações climáticas” parecem ameaçar as culturas de café, os incentivos ao investimento em plantações de café na África e o aumento da procura deste precioso grão em países em desenvolvimento, parecem prometer anos interessantes para a cotação do café. 

Quem é que haveria de querer ficar sem a sua chávena de café?

0

    Sobre o autor

    André Pires
    Analista na XTB Portugal

    Responder a este tópico

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *