TeleTrade: Vacina, vírus e os mercados financeiros - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

TeleTrade: Vacina, vírus e os mercados financeiros

Subscrever Agora

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


TeleTrade: Vacina, vírus e os mercados financeiros

As capitalizações da maior parte dos índices acionistas mundiais caíram acentuadamente na semana passada, quando os investidores se concentraram no surto contínuo do vírus, na distribuição lenta da vacina e nos consequentes riscos enfrentados pelas economias. O número de novas infeções continua a ser bastante elevado em vários países do mundo, tendo mesmo aumentado acentuadamente em Israel, que tem vacinado o maior número de pessoas per capita. No Reino Unido, o número de mortes per capita é o mais elevado do mundo e a Grã-Bretanha está num confinamento que pode durar muito tempo. Estas medidas de contenção social estão também em vigor noutras partes da Europa, com consequências económicas negativas.

Risco para a economia ainda é claro

Com este cenário, existe um consenso geral de que, pelo menos a curto prazo, é provável que a atividade económica nos Estados Unidos e na Europa sofra uma nova contração. O presidente da Reserva Federal, Jerome Powell, disse o mesmo quando a Fed anunciou a continuação da sua política monetária atual de baixas taxas de juro e compras de ativos – “o caminho da economia dependerá significativamente do curso do vírus, incluindo o progresso na vacinação. A crise de saúde pública em curso continua a pesar sobre a atividade económica, o emprego e a inflação e apresenta riscos consideráveis para as perspetivas económicas.”

Os mercados dependem do ritmo da vacinação

Embora os mercados financeiros tenham recentemente demonstrado euforia sobre o impacto potencial da vacinação em massa, existe agora a preocupação de que a velocidade da vacinação não seja adequada, o que explica em parte a recente descida dos preços dos índices na semana passada. Além disso, existe alguma preocupação de que novas estirpes do vírus possam ser mais difíceis de combater pelas vacinas existentes. Com efeito, algumas empresas farmacêuticas estão a estudar o fornecimento de reforços para lutar contra as novas e mais contagiosas estirpes.

Apesar do sentimento negativo expresso recentemente pelos investidores, existem razões pelas quais alguns deles possam ter uma visão mais positiva. Nos Estados Unidos, a administração de Joe Biden anunciou que vai encomendar uma quantidade de vacinas que serão suficientes para inocular a maior parte da população dos EUA até ao final do verão. Se o governo dos EUA conseguir distribuir rapidamente esta grande encomenda, poderá significar uma mudança de jogo para a economia dos EUA. Na Europa, porém, continua a existir uma preocupação com a capacidade de levar a vacina à população.

 

Conteúdo produzido por Frederico Aragão Morais,  Senior Market Analyst, da TeleTrade.

 

O material postado é apenas para fins informativos e confiança nele pode levar a perdas. Os resultados passados não são um indicador confiável de resultados futuros. Por favor, leia o nosso aviso legal na integra.

 

 

Artigos Relacionados

Todos falam de que vai haver um grande apagão, no seu país, na Europa, em todo o mundo. Voltaremos à era da caverna, sobreviveremos como num filme pós-apocalíptico… que stress, na verdade. Não tínhamos o suf...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments