Análise fundamental para novatos em 7 etapas

Análise Fundamental

No artigo de hoje, veremos como podemos fazer uma análise fundamental para alguém que não tem muito conhecimento do assunto em 7 etapas simples.

Quando começamos a nos interessar em investir no mercado de ações, eles nos bombardeiam com milhões de maneiras de investir, mas poucas são pragmáticas e funcionais. Neste artigo, vou ensiná-lo a fazer uma análise fundamental básica para que possa ter uma idéia correta sobre qual é a situação de uma empresa e, dessa forma, poderá ver se a empresa pode ser interessante ou não.

Passo 1:Onde obtemos as informações para fazer uma análise fundamental?

Para tornar este artigo um pouco mais fácil, usaremos o motor de busca Yahoo Finance para ver os dados das empresas.

No mecanismo de busca financeira do Yahoo, colocaremos a empresa que procuramos e clique no motor de busca:

Na seção “Finance”, podemos encontrar as contas que nos interessam:

  • Demonstração de Resultados
  • Balanço Patrimonial
  • Demonstração de fluxos de caixa

Essas são as contas “AAPL”- Apple Inc.

Etapa 2: A empresa possui receitas positivas?

Uma coisa fundamental, concorda comigo é que a empresa ganha dinheiro. Podemos ver isso de diferentes maneiras. Retirando o resultado líquido, lucro líquido por ação, fluxo de caixa livre, ganhos do proprietário, ebitda, etc. Como não queremos complicar, use o resultado líquido e voilá. Encontrará esse resultado líquido na seção “Demonstração de resultados“:

Aqui, mostra os resultados e os lucros da AAPL por ação, e não no total. No final do dia, é o mesmo, mas expresso de forma diferente. Observe que, no final, acho um pouco o mesmo para obter os ganhos do acionista, que o lucro por ação (earnings per share), que o fluxo de caixa livre, que a magnitude é. O que eu quero é que os dados sejam positivos. Mais adiante, veríamos qual a magnitude que mais nos interessa e por quê.

Essa empresa, por exemplo, também possui lucros positivos maiores que zero. Estamos mais interessados ​​em gráficos como AAPL do que os desta empresa, mas pode ver que cada empresa terá os seus próprios números.

Esta empresa não nos interessaria porque os resultados são praticamente inexistentes ou negativos.

Etapa 3: Paga dividendos maiores que os resultados da empresa?

Algumas empresas pagam dividendos de maior valor aos resultados. Que isso seja feito em tempo hábil não é tão preocupante quanto é feito como regra periodicamente. Uma empresa pode pagar em tempo hábil um dividendo superior ao benefício daquele ano (do qual não gosto) e poder voltar ao normal. A  situação de pagar mais dividendos indefinidamente do que a empresa teve resultados. Isso pode ser visto na seção “Casflow” do yahoo finance e na conta “Dividendos pagos”. Esses dividendos não devem ser maiores que o lucro líquido sobre o qual já falamos. Vamos ver alguns exemplos disso:

Esta empresa de topo tem resultados de cerca de $ 5,5 por ação e paga $ 1,7 por ação. É uma situação favorável para a empresa, pois possui resultados suficientes para pagar aos acionistas na forma de dividendos. Se os resultados fossem menores ou os dividendos fossem maiores, não teríamos uma linha amarela abaixo das linhas de lucro.

Esta empresa de topo decidiu em 2011 começar a distribuir dividendos. Até então, ele não distribuía dividendos. E quando começou a distribuí-los, foi um valor que poderia ser distribuído, porque é menor que o lucro da empresa.

Esta empresa está passando por problemas. Além de distribuir mais dividendos do que o lucro líquido da empresa, o lucro líquido foi negativo.

Etapa 4: A empresa é rentável?

O passo número 4 para fazer uma boa análise fundamental é verificar se a empresa é rentável. Pode ter resultados , mas como sabemos se existem resultados suficientes ou poucos? Olhando para dois jogos simples, podemos ver isso. O primeiro jogo a ver seria o total de ativos (ou Total assets em inglês), e o encontramos em “Balanço”:

O segundo jogo é o lucro líquido que já vimos. Quando tivermos o item Total assets e de net income, aplicaremos a fórmula de:

Lucro Líquido / Ativo Total -> Net Income/Total Assets

O resultado pode ser expresso em 1 ou percentagem. Se estiver em percentagem, procuramos empresas com mais de 5% dessa proporção. Se quisermos vê-lo em até 1, então 0,05. Essa proporção que configuramos é chamada de “ROA” e nada mais é do que a relação entre o lucro da empresa e os ativos. Vamos ver alguns exemplos:

Nesta empresa, pode ver como o ROA é sempre superior a 5%. Nos interessa.

Essa empresa também possui uma rentabilidade superior a 5%.

Etapa 5: As receitas e os retornos estão crescendo?

Renda que precisamos crescer ao longo do tempo. A rentabilidade também é ideal, mas chega um momento em que é muito mais complicado para a empresa continuar ganhando eficiência. Por esse motivo, tentaremos encontrar empresas com crescimento nos dois casos. Se não o encontrarmos nos dois casos, pelo menos estará na receita.

Algo parecido com a empresa no gráfico anterior não nos interessaria mais diretamente, porque onde precisamos de crescimento com lucro, a empresa não tem crescimento.

A empresa acima realmente nos interessa. É verdade que em 2013 houve um revés, mas a partir daí aumenta a rentabilidade e lucra muito. Uma das coisas mais importantes numa análise fundamental não é apenas verificar se a empresa está certa ou errada no nível das contas, mas também é tremendamente importante para o crescimento da empresa.

Etapa 6: A empresa tem muitas dívidas?

Numa boa análise fundamental, uma parte essencial é a dívida, uma vez que a dívida pode transformar uma empresa com futuro em ruína, se não for tratada com cautela. Especificamente, vamos analisar duas coisas.

Primeiro, veremos os anos que levaram para pagar a dívida que tenho com a receita.

Segundo, veremos a proporção de dívida e património que a empresa possui.

Antes de tudo, se eu tenho um negócio com o qual tenho uma renda de 10 milhões e devo 20 milhões, não parece que haja muitos problemas nessa parte. Agora, se eu tenho um negócio com o qual ganho 10 milhões, mas devo 2.000 milhões… O problema é muito maior. No primeiro caso, dedicar 100% da renda ao pagamento da dívida levaria 100% para pagar dois anos. No segundo caso, 200 anos.

Ou a empresa tem um crescimento muito forte ou a dívida será um grande problema. Um relacionamento razoavelmente aceitável é um relacionamento de até 7 ou 8 anos. Isso dependerá dos setores, da empresa etc. Para não sobrecarregar muitos dados e simplificá-los, consideraremos esses dados de 7 ou 8 no máximo.

Como obtemos esses dados? Vejamos a conta de Saldo e demonstração de resultados. No saldo, examinaremos a conta de “Total do passivo” (ou total do passivo). Na conta Demonstração de resultados, veremos a conta “receita ou perda operacional” (em receitas ou perdas operacionais espanholas). Basta tentar dividir o total do passivo (total do passivo) entre a conta de receita operacional. O número que fornecer será o período que levará para pagar a dívida total com a receita da empresa. Então, no segundo ponto, obteremos os dados de “Long term term dívida to equity”. Isso basicamente divide a dívida de longo prazo entre o património líquido da empresa. Ou o que é o mesmo, dividir os dados da “dívida de longo prazo” que aparecem no saldo da empresa entre os títulos de ”

Não gosto que a proporção seja maior que 4 em geral. Já sabemos que empresas específicas em determinados setores podem ter maior alavancagem e nada aconteceria também. Mas, como regra, não gosto de mais de um 4. Desse modo, teríamos que conhecer a dívida em uma análise fundamental básica. Vamos ver exemplos:

Essa empresa possui uma dívida de longo prazo em relação aos ativos sociais controlados, mas os dados dos anos em que a dívida será paga são muito altos. Pode simplesmente ser perdoado se for uma empresa com muito crescimento e, num futuro próximo, espera aumentar seus lucros. Mas seria claramente muito endividado.

Essa empresa tem pouca dívida em relação aos ativos sociais e também levaria alguns anos para reiterar a sua dívida. Gosto de empresas desse estilo quando faço uma análise fundamental.

Etapa 7: A empresa é bem avaliada?

E finalmente chegamos à parte mais delicada de uma análise fundamental. Há muito pano para cortar aqui, mas vou explicar um procedimento para avaliar uma empresa acima: O procedimento consiste em dividir o lucro por ação (EPS) pelo retorno médio do título de 10 anos. Com isso, estabeleço um valor intrínseco à ação aproximada, mas com uma consistência muito fraca, é simplesmente rejeitar alguns candidatos que são claramente caros. No vídeo a seguir, explico como estabeleço um valor intrínseco por meio do desconto dos fluxos de caixa de maneira mais aproximada.

Se o resultado dessa divisão for menor que o preço atual das ações, inicialmente não seria uma avaliação atraente para nossa análise fundamental e a descartaria. Para obter os dados de lucro por ação, voltamos ao Yahoo Finance e clique na guia “Estatísticas” ou “Estatísticas”:

 

Pegando num exemplo o valor da PG (Procter & Gamble), que custa 96,63 dólares. Bem, agora divido o EPS da empresa (lucro por ação ou EPS) pelo retorno médio do título de 10 anos e recebo: 4,11 / 0,075 = $ 54,80 por ação.

Como o preço atual da empresa é superior ao preço da divisão, posso concluir que a empresa não é muito barata. Eu usei 0,075 no denominador da fórmula. Uso 0,05 quando a empresa é muito boa, seguindo os critérios que vimos nos pontos anteriores.

Quando ele encontra todos os pontos perfeitamente, eu uso 0,05.

Quando ele atende aos pontos vistos, mas não tem tanto crescimento ou está um pouco mais endividado do que gostaria, etc., uso 0,06.

Se falhar a qualquer momento, eu uso 0,075

Se a empresa é muito boa = 0,05

A empresa é boa = 0,06

A empresa é normal = 0,075

Para a Procter and Gamble, possivelmente usar um 0,06 seria mais correto, mas ainda custaria $ 68,5. Longe do valor que tem agora no mercado. Também não supera o valor intrínseco que a fórmula lança. É simplesmente um guia. Então seria necessário analisá-lo com outros modelos mais complexos e mais eficientes, mas, por enquanto, para fazer uma primeira análise fundamental, está razoavelmente bem.

Simplesmente seguindo as 7 etapas descritas acima, Pode fazer uma análise fundamental muito melhor do que a maioria dos investidores que desejam investir no mercado de ações e fazer uma pseudo-análise fundamental.

    Sobre o autor

    Juan Diego Quilez
    Gestor do Rankia Portugal