Como as notícias afetam e como interpretá-las para o nosso investimento

A notícia é especialmente útil para aqueles que operam no curto ou médio prazo, bem como para aqueles que querem aproveitar as operações corporativas, como aumentos de capital, dividendos, aquisições, etc. Estar atento às notícias é algo natural para quem investe, especialmente se operarmos no curto prazo, pois são situações que geralmente afetam a evolução das cotações no dia ou na semana. Alguns até a longo prazo.

Como as notícias afetam as quotizações?

Não há dúvidas de que as notícias no final de um dia de mercado são as geradoras das GAP na abertura, e também da volatilidade nos primeiros minutos da sessão, tanto na Europa como nos Estados Unidos.

Existem diferentes estratégias para operar com as notícias, o mais importante é aprender a filtrar e conhecer o impacto que podem ter. Este conhecimento é alcançado com uma boa base teórica e com muita experiência.

Tipos de notícias que podemos diferenciar principalmente:

  • Corporativas: afeta uma empresa ou setor (resultados comerciais, multas, mudanças regulatórias, previsões …)
  • Calendário econômico: afeta as moedas, mas também as empresas, dependendo do setor e do tipo de dados, especialmente no curto prazo.
  • Eventos institucionais / políticos: relações governamentais, OPEP, acordos comerciais, conflitos …

A primeira coisa a saber é para quais empresas / setores uma notícia possa afetar (ou podem afetar), e isso é complexo por várias razões:

– Muitas empresas têm participação em outras: más notícias no petróleo podem afetar uma companhia de seguros se tiver uma boa parcela.

– Exposição a mercados / produtos indiretos: É claro que, se o petróleo cair, afetará negativamente as companhias de petróleo, mas uma queda no petróleo pode ter outros efeitos inesperados, por exemplo, um banco pode aumentar fortemente no mercado de ações se tiver uma participação forte numa empresa de transporte aéreo ou os gestores de navegação aérea, aumentando a margem nas companhias aéreas, pois o seu principal custo é o combustível, ou o aumento do tráfego aéreo se a queda do petróleo for duradoura

São relações complexas, que geralmente verificamos no passado embora sejam divertidas para raciocínio. Especialmente quando uma empresa cai em força por uma notícia que supostamente não a devia afetar em demasia, mas, que por algum motivo, muitos investidores a consideram e reagem.

Algumas notícias causam excessos, que, juntamente com uma avaliação adequada, podem produzir oportunidades de investimento, e isso não devemos nem podemos esquecer. Ter um Hunter de ativos que é rápido e eficiente é importante, especialmente quando há uma notícia e quer agir rápido, por exemplo, se publicarem um aviso de lucro (revisão inesperada de benefícios).

Ruído ou é realmente uma informação útil?

Muitos investidores descartam notícias para orientar as suas decisões de investimento. É importante que a informação ou os métodos que usamos para tomar decisões de investimento as saibamos interpretar, isto é, entendermos o que fazemos e por quê.

Devemos ter em mente que há muitas novidades que já não o são no mercado, pois sabemos que a informação é assimétrica, o que significa que há players de mercado que a recebem antes de outros.Aqueles que possuem terminais avançados recebem os dados em tempo real, algo que para os investidores privados é mais complexo. Muitas das notícias que já passaram por agentes experientes e que já assumiram posições nos valores afetados pela notícia causam movimentos bruscos e que nós, onde nós os particulares, chegamos atrasados.

Há notícias que afetam muito no curto prazo, outras que afetam a longo prazo e em que podemos aproveitar os movimentos e outras que colocam os mercados a (ou ações concretas) reagir de maneira exagerada e se possuímos uma avaliação adequada numa empresa dessas, para aproveitar esses excessos de mercado.

Por exemplo, uma empresa com significativos fluxos de caixa positivos, com boa diversificação dos seus negócios e com um nível de dívida controlada ou zero, porque num período do ano teve um problema e a cotação caiu demais, não tem Porquê Afetar as contas a longo prazo, para que se possa tornar uma oportunidade de investimento.

Em conclusão, estar ciente das notícias e ter acesso rápido aos títulos é crucial quando se trata de negociação. É importante ter um valor aproximado das empresas nas quais vamos investir para não pagar demais por eles e saber se os problemas financeiros que uma empresa poderia ter poderiam levar a uma situação insustentável.

Sobre o autor

Fabio Rodrigues