Banco BiG. Análise Semanal de Mercados (06/11/18)

AUDUSD: O Aussie rompe canal de negociação descendente em alta

  • O AUDUSD quebrou finalmente em alta o canal de negociação descendente, iniciado em Janeiro deste ano. A forte valorização das divisas da Oceânia (dólar australiano e dólar neo-zelandês) deve-se em parte a uma desvalorização do USD Index, que reagiu negativamente no contacto com os máximos deste ano, como tínhamos perspectivado na Análise Semanal da passada semana ao USDNOK. Por outro lado, a redução da percepção de risco nos mercados financeiros beneficia moedas de países com alto crescimento económico como o AUD e o NZD.
  • O principal risco nesta entrada a favor da subida é as eleições intercalares, que decorrem hoje nos EUA e que poderão motivar uma valorização do dólar americano.
  • Referência técnica: O RSI está acima dos 50 pontos, denotando a tendência ascendente do par, e não atingiu a zona de sobrecompra técnica. O rompimento em alta da média móvel de 50 dias e do canal descendente sustentam a visão ascendente para o AUDUSD. Em termos de potencial altista, identificamos a resistência horizontal nos $0,7330. Para gestão de risco, sugerimos os $0,7170.

Nasdaq 100: As eleições intercalares dos EUA poderão ter um impacto negativo nos mercados a curto prazo

  • Ainda hoje, deverá saber-se se os Democratas fizeram o suficiente para virar a Câmara dos Representantes a seu favor, ou se por outro lado a campanha de Donald Trump foi suficiente para manter o controlo sobre todo o Congresso. O cenário mais provável projectado pelas sondagens é uma Câmara dos Representantes controlada por Democratas e um Senado controlado pelo Partido Republicano – este é também o cenário-base esperado pelos mercados.
  • O facto de Donald Trump poder perder o controlo da Câmara dos Representantes faz com que os investidores permaneçam receosos e se a perda da Câmara efectivamente se materializar, o mercado poderá reagir de forma negativa uma vez que algumas políticas de Trump com vista à dinamização económica poderão não ser aprovadas.
  • Referência técnica: O índice accionista tecnológico dos EUA quebrou no mês passado uma linha de tendência a longo prazo, assumindo actualmente uma bandeira de correcção. O preço situa-se na banda superior da bandeira descendente e em resultado das eleições intercalares poderá ser projectado para perto dos 6,684 pontos, lugar onde poderá reencontrar pressão compradora.

Crude WTI: Possível recuperação a curto prazo, mas perspectiva negativa prevalecem

  • Outubro foi um mês verdadeiramente negro para o crude, com os preços da matéria-prima a encetar uma queda, praticamente contínua, superior a 18%. Após o período de lateralização compreendido entre Julho e início de Setembro, o crude subiu vigorosamente em antecipação de um tremendo corte de produção iraniana, em virtude das sanções impostas pelos EUA à república islâmica do Golfo Pérsico.
  • Com Trump a deixar oito países isentos das sanções ao Irão (isto é, a poderem continuar a importar crude iraniano); e com a posição diplomática da Arábia Saudita fragilizada na sequência da morte do jornalista Khashoggi, a forçar o reino a aumentar a produção de crude para corresponder ao pedido da Administração norte-americana para limitar a escalada do preço do crude, as expectativas de queda de produção total de crude foram defraudadas, motivando uma violenta correcção do preço. Ainda a alimentar esta trajectória descendente surgiram indicadores macroeconómicos a sinalizar um abrandamento da economia chinesa, um aumento da produção norte-americana, um aumento dos inventários de crude das empresas dos EUA e dados preliminares da produção da OPEP a apontar para níveis de produção equivalentes aos verificados no final de 2016.
  • Referência técnica: Após a quebra de suportes dentro de um canal descendente, o crude encontrou sustentação nos USD 62,60/barril. Uma eventual pequena recuperação a curto prazo, até à primeira ou segunda resistência identificadas no gráfico, deverá levar os vendedores a reassumir o controlo.
Este documento foi preparado exclusivamente para fins informativos, baseando-se em informações disponíveis para o público em geral e recolhida de fontes consideradas de confiança. O BiG não assume qualquer responsabilidade pela correcção integral da informação disponibilizada, nem deve entender-se nada do aqui é constante como indicador de que quaisquer resultados serão alcançados. Chama-se particularmente a atenção para o facto de que os resultados previstos são susceptíveis de alteração em função de modificações que se venham a verificar nos pressupostos que serviram de base à informação agora disponibilizada. Adverte-se igualmente que o comportamento anterior de qualquer valor mobiliário não é indicativo de manutenção de comportamento idêntico no futuro, bem como que o preço de quaisquer valores pode ser alterado sem qualquer aviso prévio. Alterações nas taxas de câmbio de investimentos não denominados na moeda local do investidor poderão gerar um efeito adverso no seu valor, preço ou rendimento. Este documento não foi preparado com nenhum objectivo específico de investimento. Na sua elaboração, não foram consideradas necessidades específicas de nenhuma pessoa ou entidade. O BiG, ou seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição, sujeita a alterações, em quaisquer dos títulos referenciados nesta nota. O BiG poderá disponibilizar informação adicional, caso tal lhe seja expressamente solicitado. Este documento não consubstancia uma proposta de venda, nem uma solicitação de compra para a subscrição de quaisquer valores mobiliários.

Sobre o autor

BiG Research

    Onde Investir com Bolsonaro na Presidência

    Onde Investir com Bolsonaro na Presidência

    O Plano O economista de Jair Bolsonaro é Paulo Guedes, um conhecido liberal e ex-banqueiro que desenhou o plano de governação focado em reformas e privatizações. O "Tripé" O programa...