Banco BiG: Análise Semanal de Mercado (19/06/2018)

big

EURUSD: BCE com postura dovish pressiona euro para perto de mínimos do ano, não obstante tensões comerciais

  • Na passada semana, Mario Draghi surpreendeu o mercado ao apresentar deliberações e discurso predominantemente dovish. O actual programa de compra de activos foi estendido até Dezembro, sendo reduzido para metade (EUR 15 mil milhões mensais) no último trimestre do ano. A única nota de índole mais positiva para o EUR – revisão da expectativa de inflação para 1,7% em 2018 e 2019 – foi ofuscada pela afirmação de que taxas de juro deveriam ficar inalteradas até, pelo menos, o fim do verão de 2019. O crescimento da Zona Euro, relativo a 2018, foi ainda revisto de 2,4% para 2,1%.
  • Após um desfecho positivo na cimeira histórica entre os EUA e a Coreia do Norte, na sexta-feira, Donald Trump voltou a provocar choques de
    volatilidade nos mercados financeiros, ao implementar e detalhar uma taxa alfandegária de 25% sobre importações chinesas no valor de USD 50 mil milhões. A China ameaçou, de imediato, retaliar na mesma magnitude. Ontem, Trump ponderou um novo pacote proteccionista no valor de USD 200 mil milhões e a China prontamente se revelou disposta a responder proporcionalmente.
  • Referência técnica: Apesar das tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo conhecerem terem génese nos EUA, a apreciação do USD continuou a revelar resiliência. O par perdeu suportes bastante relevantes, apresentando-se a próxima referência para quedas nos 1,1480.

GBPUSD: Força do USD e incerteza do Brexit aproximam cable de suporte relevante em semana de Banco de Inglaterra

  • A célere e robusta valorização do USD foi particularmente pressionante para as divisas cujas economias e/ou contextos políticos apresentam maiores debilidades. No caso do Reino Unido, não só assistimos à divulgação de indicadores macroeconómicos maioritariamente desapontantes durante Abril e Maio, como também a um incremento da incerteza em relação a Brexit, nomeadamente no que diz respeito às discórdias entre UE e Reino Unido relativamente à fronteira irlandesa e à falta de consenso não só no governo de Theresa May, mas principalmente no parlamento britânico.
  • Numa semana em que alguns políticos britânicos revêem as suas expectativas temporais em relação a um acordo para Brexit – agora mais distante –, Mark Carney deverá manter a taxa de juro e o actual programa de quantitative easing inalterados. Os investidores focar-se-ão no discurso do governador do Banco de Inglaterra para tentar compreender se a única subida, com probabilidade superior a 50%, esperada para este ano ocorrerá já na próxima reunião de Agosto. No mesmo dia, espera-se que o ministro das finanças Philip Hammond apresente as suas perspectivas para a economia britânica, assim como um esboço do funcionamento do sector financeiro após a consumação do Brexit.
  • Referência técnica: O par aproxima-se do importante suporte entre os 1,3120 e 1,3060. Perante esta zona de referência, o tom dos dois discursos supra referidos poderá ditar os próximos movimentos a curto prazo.

EURCHF: Par está a ser pressionado pelo aumento da aversão ao risco

  • O pacote de taxas alfandegárias aplicado pelos EUA à China e a retaliação da potência chinesa estão a penalizar os activos de crescimento, nomeadamente o segmento accionista e as matérias-primas. O agudizar das tensões comerciais e a expectativa de abrandamento do crescimento
    mundial estão a aumentar o interesse em activos de refúgio como o franco suíço e o iene japonês. O ouro continua indiferente às tensões comerciais, sendo penalizado pela força do dólar americano e por vendas motivadas pela ruptura de níveis técnicos.
  • O EURCHF apresenta fortes movimentos impulsivos de queda, com o euro a ser pressionado contra diversas moedas e o franco suíço a atrair fluxos de investimento enquanto activo de refúgio.
  • Referência técnica: Como objectivo baixista, apontamos para o mínimo anterior, em torno dos CHF 1,1370. A recente ruptura em baixa da média móvel de longo prazo (200 dias) e o facto de o par seguir uma estrutura de Ondas de Elliott reforçam a nossa preferência baixista.

Crude WTI: Crude desvaloriza na semana da reunião da OPEP

  • O petróleo extende as quedas, com os traders a avaliar os riscos inerentes às discussões da OPEP sobre o fim parcial dos cortes na produção, bem como as crescentes preocupações à cerca das guerras comerciais. Embora a reunião dos países produtores de petróleo e dos seus aliados nesta sexta-feira e sábado seja dominada pela possibilidade do aumento da produção, o cartel enfrenta uma ameaça de Washington, já que os legisladores trazem de novo para mesa de negociação a lei “No Oil Producing and Exporting Cartels Act”, ou NOPEC, usada pela última vez para no império de petróleo de John Rockefeller, ainda assim a probabilidade desta lei ser aprovada é residual.
  • O facto do EUR/USD continuar bastante pressionado pela valorização do dólar prejudica também os activos denominados nesta moeda.
  • Referência técnica: Após quebra em baixa da linha de tendência ascendente que vigorava desde meados de 2017 juntamente com a quebra de um suporte relevante assinalado a vermelho no gráfico, o próximo nível de suporte relevante situa-se perto dos $62 por barril.
Este documento foi preparado exclusivamente para fins informativos, baseando-se em informações disponíveis para o público em geral e recolhida de fontes consideradas de confiança. O BiG não assume qualquer responsabilidade pela correcção integral da informação disponibilizada, nem deve entender-se nada do aqui é constante como indicador de que quaisquer resultados serão alcançados. Chama-se particularmente a atenção para o facto de que os resultados previstos são susceptíveis de alteração em função de modificações que se venham a verificar nos pressupostos que serviram de base à informação agora disponibilizada. Adverte-se igualmente que o comportamento anterior de qualquer valor mobiliário não é indicativo de manutenção de comportamento idêntico no futuro, bem como que o preço de quaisquer valores pode ser alterado sem qualquer aviso prévio. Alterações nas taxas de câmbio de investimentos não denominados na moeda local do investidor poderão gerar um efeito adverso no seu valor, preço ou rendimento. Este documento não foi preparado com nenhum objectivo específico de investimento. Na sua elaboração, não foram consideradas necessidades específicas de nenhuma pessoa ou entidade. O BiG, ou seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição, sujeita a alterações, em quaisquer dos títulos referenciados nesta nota. O BiG poderá disponibilizar informação adicional, caso tal lhe seja expressamente solicitado. Este documento não consubstancia uma proposta de venda, nem uma solicitação de compra para a subscrição de quaisquer valores mobiliários.

Sobre o autor

BiG Research