BiG: Análise Semanal de Mercados (12/09)

EURUSD: Par mantém-se suportado, zona de pode não ser tão relevante

    

  • Na reunião do BCE na semana passada, Mario Draghi emitiu sinais mistos em relação ao futuro da política monetária na zona euro. O banco central reviu em baixas as suas projecções de inflação e taxas de juro, mas reviu em alta as projecções de crescimento do PIB. Para além disso, Draghi avançou que em Outubro vão ser divulgados detalhes em relação à redução do programa de compra de activos (QE), mas que as taxas de juro se vão manter baixas para além do final do programa de compras de activos.
  • O EURUSD teve uma reacção relativamente contida às palavras do Presidente do BCE, o que nos leva a ter menos confiança no cenário técnico previamente desenhado. Tendo em conta que o par se mantém em torno dos 1,20, auferimos que esta zona não representa uma resistência tão relevante quanto antecipado. Assumimos por isso uma visão neutra para as próximas semanas.
  • Referência técnica: Ainda consideramos a zona dos 1,20 uma resistência, mas menos relevante do que antecipado.

CADJPY: Segunda subida de taxas de juro pelo Banco do Canadá em apenas dois meses impulsiona CAD

  • O Banco do Canadá surpreendeu na quarta-feira ao subir taxas pela segunda vez este Verão. Trata-se de um caso clássico de carry trade, com os investidores a comprar a moeda de um país com taxas de juro mais altas e a vender uma moeda de financiamento com taxas baixas. É um trade com sentimento optimista, com os investidores assumir risco depois de não ter havido ameaças bélicas nem uso de armamento durante o fim-de-semana.
  • Depois do reteste de sexta-feira passada, o CADJPY disparou ontem, beneficiando da valorização do crude à medida que as refinarias afectadas pelo furacão Harvey retomam a actividade, reduzindo os inventários de petróleo que se estavam a acumular. O relatório mensal da OPEP publicado hoje revela que a produção em Agosto caiu 79 mil barris por dia e o crescimento da procura mundial em 2017 deve aumentar 1,42 milhões de barris por dia.
  • Referência técnica: O CADJPY confirmou um padrão gráfico de head and shoulders bottom, figura de inversão da tendência descendente que durou entre Dezembro de 2014 e Novembro de 2016. Assumimos uma postura altista para este par. O principal risco é um regresso das tensões.

EURGBP: Fraqueza do par sugere mais descidas

  • O par preencheu muito rapidamente o cenário técnico que desenhámos a semana passada. Depois de uma semana de descidas sem notícias de relevo, o EURGBP voltou a cair hoje com indicadores da inflação britânica acima do esperado (2,9% vs est. 2,8%), revelando que os vendedores se encontram mais activos a estes níveis que os compradores.
  • Tendo isto em conta, o suporte que tínhamos assinalado em torno dos 0,90 parece ser menos importante do que tínhamos antecipado, e por isso admitimos a hipótese do par ter mais potencial de queda para as próximas semanas.
  • Referência técnica: Reacção aos indicadores de inflação sugerem que par tem espaço para cair no curto-prazo

 

Euro Stoxx 50: Comentários do BCE e sentimento de risk-on providenciam importante impulso técnico

  • Na semana passada, após comunicar a inalteração das taxas de juro, Draghi divulgou que o BCE reviu em alta as perspectivas de crescimento, relativas a 2017, na Zona Euro de 1,9% para 2,2%. Simultaneamente, a estimativa de inflação para o final do ano foi reduzida em 10 pontos base para 1,2%. Ontem, Benoît Coeuré, membro do conselho executivo do BCE, referiu que a forte valorização do euro não deverá pesar tanto no crescimento como outrora se verificou, na medida em que grande parte da recuperação corporativa europeia está alicerçada no incremento da procura doméstica.
  • Após um fim-de-semana marcado pela ausência de desenvolvimentos negativos na esfera geopolítica e pelo atenuar dos furacões que assolam os EUA, o sentimento de risk-on regressou aos mercados financeiros, impulsionado principalmente pela recuperação do sector financeiro.
  • Referência Técnica: com a retoma do sentimento positivo, o Euro Stoxx 50 quebrou em alta, por intermédio de uma vela reveladora de intensa força compradora, o canal descendente dentro do qual flutuava desde Abril. O oscilador MACD também parece estar prestes a entrar em terreno bullish. A resistência em torno dos 3.600 pontos, que coincide com os 23,6% da projecção de Fibonacci, apresenta-se como a principal referência para subidas.

DAX: Alívio de tensões confirma falso breakdown

  • Há duas semanas sugerimos que o principal índice alemão poderia estar perante uma falsa quebra em baixa de um suporte de curto-prazo, o que se revelou acertado ao longo deste período. O alívio de tensões na Coreia do Norte em conjunto com as revisões económicas do BCE suscitaram uma subida do índice que confirmou que o suporte se mantém intacto.
  • O resultado das eleições alemãs também parece estar relativamente decidido, com Merkel a ter uma vantagem de mais de 15% face ao seu opositor, e por isso não esperamos demasiada volatilidade em torno das eleições.
  • De um ponto de vista diário, o índice alemão encontra-se sobrecomprado por isso é natural que arrefeça nas próximas sessões, mas numa óptica de médio-prazo (até ao final de 2017), tudo indica que assistiremos a uma tendência ascendente.
  • Referência técnica: Subida das últimas semanas confirma que suporte de curto-prazo se mantém intacto
Este documento foi preparado exclusivamente para fins informativos, baseando-se em informações disponíveis para o público em geral e recolhida de fontes consideradas de confiança. O BiG não assume qualquer responsabilidade pela correcção integral da informação disponibilizada, nem deve entender-se nada do aqui é constante como indicador de que quaisquer resultados serão alcançados. Chama-se particularmente a atenção para o facto de que os resultados previstos são susceptíveis de alteração em função de modificações que se venham a verificar nos pressupostos que serviram de base à informação agora disponibilizada. Adverte-se igualmente que o comportamento anterior de qualquer valor mobiliário não é indicativo de manutenção de comportamento idêntico no futuro, bem como que o preço de quaisquer valores pode ser alterado sem qualquer aviso prévio. Alterações nas taxas de câmbio de investimentos não denominados na moeda local do investidor poderão gerar um efeito adverso no seu valor, preço ou rendimento. Este documento não foi preparado com nenhum objectivo específico de investimento. Na sua elaboração, não foram consideradas necessidades específicas de nenhuma pessoa ou entidade. O BiG, ou seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição, sujeita a alterações, em quaisquer dos títulos referenciados nesta nota. O BiG poderá disponibilizar informação adicional, caso tal lhe seja expressamente solicitado. Este documento não consubstancia uma proposta de venda, nem uma solicitação de compra para a subscrição de quaisquer valores mobiliários.

Sobre o autor

Juan Diego Quilez