12 fatores psicológicos que influenciam na hora de investir - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

12 fatores psicológicos que influenciam na hora de investir

12 fatores psicológicos que influenciam na hora de investir

Que fatores psicológicos influenciam na hora de investir? Sabia que quando se trata de investir existem padrões de comportamento que nos impedem de ser racionais? Muitos de nós não costumamos levar em conta que emoções, fatores sociais, preconceitos também são importantes no mundo dos investimentos. Modelos de comportamento ou preconceitos de comportamento, que veremos claramente neste vídeo, são o que muitas vezes nos fazem fazer decisões erradas. Neste artigo falar sobre a importância da psicologia financeira fazendo uma breve revisão dos fatores psicológicos e dos erros que podemos cometer quando investimos.

Como os fatores psicológicos influenciam na hora de investir?

Tradicionalmente, era assumido que as pessoas são seres racionais, que tomamos decisões de forma lógica após analisar todas as informações de que dispomos. Mas, com o passar dos anos, a pesquisa evoluiu para entender que a realidade não é assim. O Robert Kanheman, psicólogo ganhador do Prémio Nobel de Economia graças aos seus estudos sobre finanças comportamentais, argumentou que as pessoas, do ponto de vista econômico, não agiam como pensavam.

O que são fatores psicológicos e como eles nos afetam?

A maioria das decisões é tomada seguindo processos intuitivos e automatizados, em vez de processos analíticos e controlados. Portanto, em tempos de incerteza, nem sempre agimos racionalmente ao tomar decisões.

As finanças comportamentais estudam como nos comportamos quando enfrentamos problemas financeiros.

Ao tomar decisões financeiras melhores ou piores, dois fatores sempre intervêm. Em primeiro lugar, nossa capacidade de análise. Ou seja, o poder que temos para avaliar e compreender o contexto em que uma decisão é tomada e as suas possíveis repercussões.  Em segundo lugar, emoções. O estado psicológico em que nos encontramos ao tomar uma decisão

A partir desses dois fatores, podemos falar sobre quais são os fatores psicológicos mais comuns.

12 fatores psicológicos

1. Excesso de confiança

Essa característica ocorre quando pensamos que temos o conhecimento necessário e acreditamos que nossa tese está correta. Relaxe Einstein, não transforma tudo que toca em ouro. Esse é o típico amigo que sabe tudo numa conversa de bar, pode falar mais sobre astrofísica do que sobre treinar leões marinhos que ele sabe de tudo. Muitos investidores supervalorizam os seus conhecimentos e experiência pessoal. Nesse caso, terá que fazer um exercício de autocrítica várias vezes. Saber algo realmente não é o mesmo que acreditar que o sabemos. Podemos até pensar que a probabilidade de um investimento falhar é menor do que o retorno esperado dele.

2. A ilusão de controlo

Esse viés é para que percebamos que muitos investidores acreditam ter controle sobre algo, do qual objetivamente não podem ter nenhum controle. Não temos superpoderes, não nos esqueçamos. Qualquer investidor não pode simplesmente ficar olhando para uma tela, fechar os olhos e dizer “vai subir”, “vai subir”, que não é um amigo Jedi, não vai acontecer. Não vamos correr um risco desnecessário e assumir que o mercado tem flutuações e, por mais informações que tenha, nem tudo é previsível.

3. A confirmação

Ocorre quando um investidor tem uma ideia e busca confirmação. O que ele faz é procurar em todos os lugares por algo que reafirme a sua teoria. É como quando está discutindo com alguém e procura a resposta no Google, mas já está procurando os resultados que confirmam a sua teoria e desfaz o resto. A terra é plana? Digo que já vi no google. Claro, provavelmente deseja reafirmar a sua teoria e procurar “evidências de que a Terra é plana” em vez de procurar “a Terra é realmente plana?”

4. O efeito ancoragem

Isto acontece quando a primeira informação é o que pensamos ser a boa. E o que quer que eles nos digam depois, não nos importamos. Eu li que esta empresa vai bater, e pode chover, nevar ou cair meteoritos que ninguém consegue descer do burro. O nome desse viés se deve ao fato de que essas ideias anteriores às vezes representam âncoras reais que são difíceis de liberar. Muitas vezes vemos a lucratividade de um produto e não levamos mais em conta os riscos. Pegamos esse referencial de crescimento e pensamos que sempre será assim.

5. A autoridade

Quando alguém que deveria ser uma pessoa relevante o diz, achamos que ele tem credibilidade suficiente para tornar a ideia uma boa. Pode acontecer que um investimento seja feito unicamente porque é recomendado por um familiar ou amigo sem uma análise mais aprofundada e sem ter em consideração as necessidades e o perfil de risco. Claro, se o seu colega é que entende de atrofísica e leões marinhos, bem, pode vir a dizer, como ele vai falhar, se ele sabe de tudo esse cara.

6. Também temos o chamado “efeito halo”.

É muito comum e acontece quando tendemos a valorizar uma empresa positiva ou negativamente a partir de um único dado, levando esses dados em consideração e esquecendo todos os demais. Lemos algo bom ou ruim e não estamos mais lá, faz 10 anos que a empresa X fechou, mas ainda está com isso.

7. Prova social

Ocorre quando imitamos o que outra pessoa está fazendo e pensamos que é a coisa certa a fazer. Muitas vezes não se tem uma ideia definida e se orienta pelo que os outros fazem, supondo que tenham mais conhecimento. No final, está tomando decisões que não são as suas. Esse viés tem muito a ver com o efeito manada.

8. O desconto hiperbólico

Que é a tendência de escolher pequenas recompensas imediatas em vez de maiores e talvez de longo prazo. Claro, qualquer coisa que seja uma recompensa no momento é sempre mais atraente. Mas qual é o problema? Que alguns investidores possam desfazer um investimento de longo prazo que corresponda ao seu perfil de risco e acabar num mais atraente no curto prazo, mudando assim os seus objetivos iniciais.

9. Aversão à perda

Esse viés se refere quando consideramos que as perdas superam os ganhos. No final das contas pode acontecer que, por não cairmos em perdas, fiquemos numa posição sem perspectivas de recuperação e no final acabemos perdendo tudo.

10. O status quo

Quando pensamos que tudo vai continuar como estamos, que nada vai mudar, e investimos com base na situação atual. Quem está bem sentado não deve se levantar.

11. Predisposição ao otimismo

Já que ninguém gosta de mal. Tendemos a pensar que as probabilidades sempre nos levarão a situações positivas. Com o que esse viés nos diz que, para muitos investidores, o otimismo supera o realismo.

12. Falácia do custo irrecuperável

É o medo de sair de algo que não funciona e, consequentemente, ficar preso aí. “É que eu coloquei € 10.000, não posso sair agora e perder tudo” Esse comportamento parece familiar para si, certo?

5 dicas para evitar erros de investimento

Por fim, veremos cinco dicas para evitar esses erros comuns de investimento.

Educação financeira

Num primeiro momento , a importância de uma educação financeira sólida. Isso o ajudará a conhecer nos perfil de risco, saber contrastar informações, conhecer os vieses cognitivos, detectá-los e aprender a evitá-los. Apenas conhecê-los já ajudará a saber como reconhecê-los nos seus próximos investimentos.

No Rankia, existem vários artigos muito interessantes sobre vieses cognitivos e a sua influência na tomada de decisão de investimento.

Analise prós e contras

A segunda dica é aprender a ver sempre os prós e os contras de cada decisão. É necessário considerar alternativas e estudar todas as informações possíveis de um ponto de vista crítico.

Análise Premorten

Em terceiro lugar, a análise premortem. Tendemos a ser otimistas, mas vamos tentar pensar de outra forma. Ou seja, antes de tomar uma decisão, viajemos mentalmente para o futuro e suponhamos que ele tenha falhado. Embora esteja na nossa imaginação, as pessoas sabem explicar melhor o que aconteceu, uma vez que já aconteceu, do que prever o que vai acontecer.

Tenha um processo de tomada de decisão

Em quarto lugar , desenvolva um processo de tomada de decisão. Portanto, é melhor ter uma lista de verificação para seguir primeiro, onde se pergunta uma série de perguntas antes de investir. Pode modificá-lo com base nos seus erros anteriores, mas poderia ser algo assim:

  • Li todas as informações sobre o produto?
  • A informação está completa?
  • Eu entendo as características do produto?
  • Eu conheço os riscos?
  • O produto se encaixa no meu perfil de investimento?
  • O horizonte de tempo está de acordo com o meu perfil?

Por último, lembre-se de que a tomada de decisões requer estar em ótimas condições. Devemos estar cientes dos fatores que podem trabalhar contra nós, seja cansaço, estresse … somos humanos e obviamente todos temos dias ruins e dias bons. Tem que se conhecer e detetar tudo que pode afetá-lo negativamente. Se o seu humor ou estado físico não forem adequados, deixe a decisão de lado e a tomará em outra ocasião.

Se quiser nos contar sobre um erro que cometeu ao investir devido a esses preconceitos, deixe-o nos comentários que nós e outros utilizados adoraremos ler.

Sobre o autor

Henrique Garcia

Analista de Mercados

Responder a este tópico

Bem-vindo(a) à comunidade!

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Ao continuar, aceita a política de privacidade