A história da nota de 100 trilhões de dólares - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

A história da nota de 100 trilhões de dólares

A história da nota de 100 trilhões de dólares

O dólar é a moeda mais importante do mundo e a moeda com a qual são realizadas as maiores transações económicas do mundo, por isso é normal que muitos países o aceitem como moeda oficial ou criem o seu próprio dólar para gerar mais concorrência no mundo.

Neste artigo  conhecerá a história da nota de 100 trilhões de dólares.

A história da nota de 100 trilhões de dólares

A moeda americana não só facilitou a abertura de novos mercados, mas também a criação de dólares de diferentes origens, como o dólar do Zimbábue.

Dentro desta moeda há algo que poderia ser considerado uma lenda e que é a famosa nota de 100 trilhões de dólares.

Dólar do Zimbábue

Em 1980, na “República do Zimbábue”, o dólar do Zimbábue foi criado como a moeda oficial deste país. Esta moeda era válida até 12 de abril de 2009 e naquela época era uma das moedas de maior valor no “mercado de ações”, cujo objetivo era substituir o dólar Rhodesiano.

Hiperinflação

Esta moeda chegou a igualar e superar o valor do dólar americano, sendo uma moeda muito competente no mercado. Entretanto, o governo deste país africano, devido ao alto valor da moeda, tomou decisões erradas causando a hiperinflação da moeda.

A hiperinflação é aquele fenômeno que ocorre no mercado e que consiste no aumento desenfreado dos preços na economia local; uma situação em que no Zimbábue a hiperinflação de 800% foi atingida.

Este fenômeno ocorreu devido à impressão exorbitante de grandes quantidades de dinheiro, a redução da riqueza e a perda do poder aquisitivo da moeda.

Reajuste da moeda: Ano 2001

Em 2001, foram tomadas medidas para reduzir a hiperinflação, de modo que a moeda foi reajustada alterando a equivalência; gerando que mil dólares velhos correspondiam a um dólar novo, uma medida que não foi bem sucedida para o governo deste país.

Novas denominações em dólares

A crise continuou e, como resposta à situação, novas denominações em dólares começaram a ser impressas, como por exemplo:

  • Emissão da cédula de 100 milhões de dólares.
  • Zimbabue nota de 500 milhões de dólares.
  • Nota de 10 bilhões de dólares.

Ano de crise 2009

Na sequência destas notas, a nota de 100 trilhões ou 100 bilhões de dólares foi criada em 2009 durante a crise.

Este tipo de cédula sofreu o mesmo destino que as cédulas emitidas pelo governo, perdendo valor e desvalorizando; o que fez com que um bilhão de dólares fossem trocados no mercado por um único dólar.

Durante o governo do Presidente “Robert Gabriel Mugabe”, que na sua impaciência para cancelar a dívida externa relatada pela “República Africana do Zimbábue” ao “Fundo Monetário Internacional”, colocou em risco a situação económica do país, esta moeda foi abandonada.

É por isso que aqueles que querem obter esta nota podem comprá-la em sites de venda como “Amazon e Ebay”.

Esperamos que com esta breve revisão você aprenda sobre a “História da nota de 100 bilhões de dólares do Zimbábue” como medida para escapar de crises, um fenômeno que aconteceu não apenas com o dólar zimbabuense, mas também com o bolívar venezuelano.

Por outro lado, gostaríamos de dizer-lhes que, devido à crise em que aquele país persiste, foram feitas tentativas de colocar o dólar de volta em circulação, mas nas suas baixas denominações, tudo porque as consequências da crise ainda estão a ser enfrentadas.

Sobre o autor

Filipe Silva

Conteúdo – Rankia Portugal

Responder a este tópico

Bem-vindo(a) à comunidade!

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Ao continuar, aceita a política de privacidade