Além da margem de segurança - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Além da margem de segurança

Subscrever Agora

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Além da margem de segurança

Além da margem de segurança: o mercado de ações e os mercados em geral estão sempre cheios de incertezas, mas há momentos em que há mais/menos e, portanto, mais/menos probabilidade de perder dinheiro. É por isso que eu, como muitos outros autores e investidores, decidi expandir um pouco o conceito de Margem de Segurança que Graham nos deixou, para adaptá-lo às minhas necessidades, à minha estratégia de investimento, mas acima de tudo às circunstâncias.

Além da margem de segurança

Devo confessar que também peguei alguns conceitos de vários grandes investidores como Buffett, Dorsey (há um tópico interessante de Sabiopelotas), Damodaran e também de alguns quants como Asness. Eu não inventei a roda, simplesmente reuni diferentes teorias e as modelei no meu modo de investir.

Em vez de Safety Margin, me refiro a esta almofada adaptável que me ajuda a minimizar os riscos e os erros como Safety Net, pegando emprestado o termo da rede usada pelos trapezistas. Eu defino dessa forma porque não só preciso de um intervalo entre o preço de mercado, o valor intrínseco e o preço com uma margem de segurança que minimize o downside, mas também preciso de uma rede que mantenha o investimento vivo ao manter as possibilidades de recuperação altas, assim como a rede de segurança de um trapezista evita que ele caia no chão como uma almofada macia no início, mas termina com um salto para cima.

Uma grande margem de segurança nos protege do risco de novas quedas de preços, de erros na nossa avaliação e de incertezas contextuais; mas faz pouco para nos ajudar a ter maiores possibilidades de que o preço se recupere em um período de tempo razoável ou que tenhamos escolhido uma boa empresa ou que as circunstâncias sejam propícias para o crescimento contínuo da empresa.

“Appropriate prices don't guarantee profits in any given year, but inappropriate prices most certainly guarantee eventual losses.” Warren Buffett (letter 2006)

Além disso, uma rede de segurança é tão ampla na sua forma que não importa onde seja a queda (preço, sector, competitividade, contexto), quase sempre estará lá para proteger, ou seja, a rede de segurança tem em conta muitas variáveis ​​e cada um pode adaptá-la à sua forma de investir, mas devemos saber que ela não é infalível.

A seguir resumo os filtros que uso para estabelecer a minha rede de segurança. Defino as 4 primeiras variáveis ​​como RISCO, porque na minha opinião são as que me ajudam a controlar e minimizar os diferentes riscos relacionados a um investimento. CASH refere-se à previsibilidade, estabilidade e consistência dos lucros; à capacidade que uma empresa tem e teve de gerar lucros e liquidez e se ela é e foi eficiente ao investi-los; bem como saber se a sua alavancagem financeira poderia corroer o seu crescimento e/ou as suas margens. Com CRESCIMENTO quero conhecer as expectativas de crescimento da empresa e do sector, em que fase do seu ciclo está, que novas estratégias, produtos ou mercados planejou, se tem um plano B ou colocou todos os ovos no mesmo cabaz.

RISCO Subavaliação por preço

  • 52Week Low&High Vs Sector&Peers: o quão perto/longe está do mínimo/pico em comparação com o sector e os concorrentes.
  • Pullbacks&Stabilization: onde está, na queda, na correção ou se está em um período lateral ou de estabilização.
  • Recuperações recentes: se houve recuperações fortes ou fracas recentemente, se ainda há fôlego para continuar a subir ou não.
  • Slope of Recent Rebound, Pullback or Trend: vê o grau de inclinação, porque os movimentos com comportamentos exponenciais têm mais probabilidade de sofrer uma mudança na tendência. Nada pode subir/descer quase verticalmente para sempre.

RISCO: Subavaliação por múltiplos

  • P/E & P/B: embora historicamente um P/E mais baixo dê um pouco (cerca de 1%) mais rendimento do que um P/B mais baixo, eu me inclino mais ao último porque o P/E é na verdade uma medida do sentimento ou do rendimento especulativo, como diz Bogle.
  • Tangible Book & Cash por ação.
  • ROE&ROIC > custo de Equity&Capital: não devemos ser enganados por empresas com alto ROE&ROIC, porque às vezes são apenas o resultado de uma alta alavancagem financeira que custa mais dinheiro do que produz.
  • Companheiros:
    • PE baixo com PEG baixo
    • PBV baixo com ROE alto
    • EV/EBIT baixo com taxa de reinvestimento baixa
    • EV/Capital baixo com ROIC alto
    • EV/Vendas baixo com margem líquida alta

RISCO: Subavaliação baseada em modelos

DFC, EPS, Dividendos, EPV, Graham, Lynch, Net-Net, Relative to Peers e Media, por tipo de empresa e maturidade.

Nem todos os modelos de avaliação são adequados para todas as empresas ou todos os estágios do ciclo de vida de uma empresa. Devemos ter muito cuidado com quais usamos e como o fazemos. Depois de identificar os modelos que se ajustam melhor, uso uma média dos seus resultados, à qual subtraio uma % como Safety Margin.

Uso uma média porque eu realmente não sei qual é o mais preciso e então os valores altos de um modelo são compensados ​​pelos valores baixos de outro e eu obtenho um valor mais sóbrio. A percentagem de MS dependerá muito dos outros RISCOS.

RISCO: MOAT

  • Brand Power: prestígio e reconhecimento. Não importa se não são clientes, o importante é que a marca seja a primeira coisa que venha à mente, parafraseando Bill Gates.
  • Aspiracional: que a marca e/ou produtos sejam sinónimos de determinado status ou desejo, mas não se confundam com a moda.
  • Fidelidade: que os clientes continuem a comprar/preferir os seus produtos, apesar da concorrência ou dos preços.
  • Multinacional: entradas em várias moedas e regiões com baixa correlação.
  • Quais são os principais titulares? Gosto que tenham uma % institucional baixo e que os donos tenham a pele no jogo.
  • Rede: uma rede forte, proprietária e cara de imitar entre fornecedores, produção e distribuição. Economia de escala.
  • Monopólio ou oligopólio: capacidade de definir preços.
  • Poucas promessas: Quanto menos promessas precisarem ser cumpridas para que a empresa melhore a sua situação atual, melhor. Precisamos procurar empresas que poderiam ser administradas por uma sanduíche de queijo, parafraseando Buffett. Aqui podemos expandir usando SWOT ou PEST.
  • Força financeira: Z score, Piotroski, Quick Ratio, Interest Coverage, Market Debt to Capital&Equity.
  • Barreiras: quão difícil e caro é entrar no sector e imitar ou para os clientes passarem de um produto a outro.
  • Margem líquida nos últimos 5 Anos > média do sector: Aqui, precisamos distinguir entre as empresas que ganham com altos volumes a preços baixos e aquelas que ganham com baixos volumes a preços altos. E aquelas no meio.
    Competitividade: o quão difícil/caro é permanecer competitivo, seja devido ao capital, a P&D, ideias ou moda. “Um fosso que deve ser continuamente reconstruído não será mais um fosso”, Warren Buffet (carta 2007).
  • A empresa vai existir daqui a 10 anos: para mim esta é uma das perguntas fundamentais quando se investe a longo prazo, porque costumamos confundir o destino do sector ou da indústria com a empresa individual. Por exemplo, no século XIX, a indústria ferroviária tinha um enorme potencial, mas nem todas as empresas sobreviveram; no início do século 20, a indústria automotiva mudou o mundo e o seu sucesso continua até hoje, porém das mais de 200 empresas americanas apenas 3 sobrevivem atualmente; o mesmo aconteceu com a bolha ponto com e o mesmo acontecerá com as impressoras 3D e o shale gas. Estas são, sem dúvida, ideias que vão mudar a forma como vivemos e que terão um impacto enorme, mas não está claro qual delas sobreviverá. O que às vezes fica mais claro é o sector que pode ser afetado, como os cavalos com a chegada dos carros ou as máquinas de escrever com a criação dos computadores.

CASH

Relatórios históricos e atuais. Médias e volatilidade.

A média e a volatilidade das variáveis ​​são muito importantes porque, dessa forma, podemos descartar os outliers e colocar a reversão à média do nosso lado. Quando os resultados são negativos e os números não estão disponíveis, é melhor usar a mediana porque a média não leva em consideração os resultados negativos.

ROIC&ROE

  • Lucro bruto / Atividade total.
  • Margem operacional antes dos impostos.
  • Margem EBITDA.
  • Retorno sobre os ganhos.
  • Dívida líquida / EBITDA.
  • FCF.
  • Ganhos.
  • Crescimento de EPS.
  • Payout ratio < 70%.

GROWTH

Este é o ponto mais fraco, pois grande parte das estimativas são feitas com regressões e os inputs serão sempre subjetivos, tanto os próprios quanto os dados pela direção da empresa. O investimento médio é útil em empresas maduras com um track record, mas nem sempre em empresas novas.

  • EG.
  • Crescimento de EPS esperado em 5 anos.
  • ROIC&ROE previstos.
  • Fase do ciclo.
  • Novos mercados, produtos ou estratégias.
  • Demografia e potencial demanda futura.

É claro que nem todas as empresas sairão sem arranhões, mas pelo menos serve para descartar as ruins e medíocres, porque muitas vezes estas nos levam a armadilhas de valor. Na verdade, eu atribuo uma pontuação (que é 100% subjetiva) para cada variável e quando atinge mais de 75% eu a considero para o meu portefólio como Value, quando está entre 50% e 75% eu a considero para o meu portefólio como Oportunista, algo como uma bituca de charuto. Além disso, essa rede de segurança pode nos ajudar a pesquisar e encontrar empresas além daquelas sobre as quais todos estão falando, porque nem Buffett, nem Munger, nem Graham ou muitos outros fizeram fortuna a olhar para as empresas que estão na boca de todos. Na verdade, se olharmos os seus registros, descobriremos que muitas vezes eles investiram em empresas pouco conhecidas ou impopulares.

Sei que existem muitas variáveis ​​e o procedimento é tedioso, mas como disse Einstein: tornar as coisas o mais simples possível, mas não simples demais. Ter tudo em uma tabela simplifica a análise e a tomada de decisão. Algumas variáveis ​​podem estar repetidas no procedimento, mas é essa redundância que evita os erros estúpidos. Não há maneiras rápidas de investir bem, como disse Munger:

“It’s not supposed to be easy. Anyone who finds it easy is stupid.” Charlie Munger

Este não é um método isento de erros e, na verdade, contém muitos dos meus preconceitos pessoais. Não é nem sequer uma recomendação a seguir, cada um poderá usar o método e os filtros que mais se adequem à sua personalidade de investidor. Alguns podem achar que são muitas coisas e outros que são poucas, mas lembra que todos têm que fazer a sua lição de casa. No entanto, compartilho para que possa te ajudar ou para que possas rasgá-lo em pedaços. Depois de todo esse caminho, posso reconhecer os erros ou as omissões, e aqueles que me conhecem sabem que não tenho medo de reconhecer e corrigir, eu já o fiz em outros posts.

 

Manual de Bolsa

 

Artigos Relacionados

Evergrande escapa à falência? Hoje falamos sobre as notícias! Os ursos à espera da grande queda nos mercados terão de esperar mais alguns dias. Pelo menos para ver se este gigante desencadeia a crise finance...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments