Chamath Palihapitiya: Entrevista - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Chamath Palihapitiya: Entrevista

Subscrever Agora

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Quem é Chamath Palihapitiya?

O artigo de hoje foi o trabalho da nossa colega Lorena Romero, que se deu ao trabalho de traduzir e resumir uma entrevista muito interessante com Chamath Palihapitiya.

Apesar de o título referir-se aos investimentos de um bilionário, Chamath Palihapitiya, ele não apenas comenta as consequências da crise do coronavírus nos mercados, mas também faz uma revisão completa da atual situação económica e política que essa pandemia causou e como essas conclusões podem ser aplicadas ao mundo do mercado de ações. Muito interessante!

Chamath Palihapitiya: Do Sri Lanka ao bilionário de São Francisco

Antes de ir-mos à entrevista, vamos dar uma vista de olhos na carreira de Chamath Palihapitiya. Ele é CEO da Social Capital e ex-executivo do Facebook de 2007 a 2011. Ele é dono de uma pequena parte das ações da equipe Golden State Warriors da NBA. Ele começou no mercado de ações como um Derivative Trader na BMO e depois fez uma carreira como engenheiro de software na AOL, Mayfield Fung e depois na Facebook.

Entre os seus investimentos mais notáveis ​​estão Palantir, Pure Storage, Playdom (comprado pela The Walt Disney Company) e Bumptop (comprado pela Google), Slack, Box ou Premise.

Atualmente, ele é investidor em capital de risco e acumulou $ 1,7 trilião em ativos. Como pode ver, Chamath tem uma origem humilde e chegou ao topo pelo seu esforço.

Chamath Billionaire Investment

Os seus investimentos hoje

Chamath Palihapitiya adotou uma estratégia defensiva, vendendo posições e armazenando dinheiro ao longo do ano para entrar em “forte” no momento preciso dessa crise. Chamath prevê vários anos de recessão, com uma taxa de desemprego entre 15 e 25%, então ele acredita que isso está apenas a começar e que veremos novas quedas.

Aproveite a oportunidade para lançar um “ataque” aos investidores que estão constantemente a assistir ao preço subir e descer:

“Nesse período, não deve fazer operações de um dia, mas sentar e aprender com o mercado”

Atualmente, o seu portfólio é composto principalmente por  Slack ($ WORK) , Amazon ($ AMAZN ), Virgin Galactic e Tesla ($ TSLA).

Ações ou indústrias nas quais NUNCA investiria

1) Produtos agradáveis

Os produtos nice-to-have são aqueles que não são necessários para a nossa subsistência e, portanto, facilmente dispensáveis. Ele não dá nenhum exemplo desse caso, mas do caso do must-have (produtos impossíveis de prescindir): energia, internet, comida …

2) Indústrias inteiras que vão à falência

Ele coloca o caso do cinema ou teatro, que não só são enquadrados no ponto anterior ( nice-to-have), mas nós também descobriram uma forma mais confortável, mais acessível e, acima de tudo, substituto mais barato: Netflix, a Disney Plus ou Amazon Prime.

3) Empresas de monoprodutos

Eles são entendidos como empresas que produzem um único produto ou serviço. Ele diz que não investiria neles porque não apenas precisamos praticar a diversificação em nossos portfólios, mas as empresas nas quais investimos também devem ter linhas de negócios diversificadas ou ser conglomerados de empresas (a Microsoft é mencionada como o exemplo ideal).

Neste ponto, faz uma exceção. Pode comprá-los se a empresa de monoprodutos tiver uma proposta de valor “única” e disser a seguinte frase:

“Toda gente adora Zoom e Slack”

4) Startups

Apesar de ser um investidor em Venture Capital, Chamath admite que as startups estão entre as mais desfavorecidas por esta crise. Nos EUA, houve um hype extremo  com as startups e o Venture Capital que investiu nessas empresas foi criado e investiu em abundância. Agora, essas empresas são as primeiras a parar de pagar as contas, porque geralmente são empresas que não geram renda atualmente.

Como será o mundo depois do Coronavírus?

Na próxima “seção” do podcast, faça uma análise macroeconómica e geopolítica do período imediatamente após a crise do coronavírus.

Período de deflação

A deflação é definida de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) como a queda no nível geral de preços causada por uma redução na oferta de moeda ou por uma contração nos gastos. A deflação é o fenómeno económico mais temido pelos economistas.

Países que vão falhar

Entre os países que ele acredita que podem falir, ele menciona:

  • Brasil
  • Argentina
  • Muitos países da Ásia (não especificado)
  • Os conhecidos mercados emergentes

Aqueles que pensam que terão dificuldades e precisam de ajuda dos bancos centrais mencionam, é claro, os países da Europa. E quem acredita que não pode se apaixonar por nada no mundo são, é claro, os Estados Unidos.

Bitcoin: Sucesso vem expulsando especuladores

Até hoje, ainda é um instrumento de especulação e nos próximos 10 anos (pelo menos) continuará sendo. Na sua opinião, a bitcoin não pode substituir o dinheiro da Fiat ou ser usado em massa porque possui 9 vezes mais volatilidade do que o dólar.

Se não for encontrada uma solução para sair desse ciclo de deflação, a Bitcoin pode realmente entrar em cena como a moeda de reserva mundial, mas os bancos centrais nunca permitirão que ele seja implantado. Somente uma revolução “coletiva” do povo poderia alcançá-la.

 

 

 

Artigos Relacionados

Evergrande escapa à falência? Hoje falamos sobre as notícias! Os ursos à espera da grande queda nos mercados terão de esperar mais alguns dias. Pelo menos para ver se este gigante desencadeia a crise finance...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments