Como a crise italiana afeta os mercados financeiros? - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Como a crise italiana afeta os mercados financeiros?

Subscrever Agora

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


crise italiana afeta os mercados financeiros

Nos últimos dias, tivemos bastantes oscilações nos mercados bolsistas mundiais. O PSI 20, por exemplo, registou quedas superiores de 2%, muito devido à desvalorização superior a 8% das ações do BCP. Outros índices, como o EuroStoxx 50 ou o CAC 40, descem 3% no mesmo intervalo de tempo. Nestes momentos, devemos perguntar o que aconteceu.

Crise política italiana: a principal causa

A Itália, a terceira maior economia da Europa, está atualmente dentro de uma crise política. Há grande incerteza sobre a formação de um novo governo.

O candidato a ministro da Economia pelos partidos mais extremistas e anti-pró-europeus, Paolo Savona, foi rejeitado pelo presidente da república, Sergio Mattarella, porque considerou inaceitável uma proposta eurocéptica quando a Itália tem uma dívida superior a 130. % do PIB. Consequentemente, os partidos mais conservadores (M5S e La Liga) decidiram realizar novas eleições.

A coligação de La Liga e o Movimento 5 Estrelas (partidos antieuropeus) têm maioria no Senado e na Câmara dos Deputados, portanto é bem provável que o cenário de novas eleições seja bem-sucedido.

Consequências nos mercados financeiros

O mercado financeiro está preocupado com os resultados de uma eleição na Itália, mesmo sem data oficial, o que poderia dar aos eurocéticos a vitória. O curto intervalo de tempo entre as novas eleições na Itália e o fim das políticas de QE do BCE reforça sentimentos de incerteza, causando uma grande volatilidade nos mercados financeiros que pode ser contrastada com os seguintes dados:

  • O índice italiano MIB caiu 5% desde a última sexta-feira;
  • Todo o mercado acionário dos países desenvolvidos recua, sobretudo, os espanhóis (Ibex35 -5,2%); o português; e o grego;
  • O índice de volatilidade, VIX , avançou 40% desde sexta-feira, 25 de maio. Podemos fazer esses fatos na imagem inferior.
  • Prémio de risco italiano em 274 pontos (avançando 30% desde sexta-feira, 25 de maio). O prémio de risco português avançou na mesma direção, actualmente para os 200 pontos base.
  • O rendimento dos títulos de 10 anos da Alemanha caiu 10 pontos base, agora em 0,36%. Enquanto o italiano avança cerca de 40 pontos base, situando-se em 2,87%.

Índice de Volatilidad VIX, Fonte: Bloomberg

Centrando mais no mercado português, o setor bancário foi o mais afetado. A exposição à divida italiana por parte do BCP fizeram cair mais de 10% na sessão. Em Espanha, o Banco Santander foi o mais afetado.

Os investidores continuam a exigir juros mais altos para investir na dívida portuguesa. A yield dos títulos a dez anos já superou os 2,5%.

A turbulência nos activos italianos e europeus reflecte os receios dos investidores de que o Movimento 5 Estrelas e a Liga obtenham votações ainda mais fortes nas eleições que vão decorrer no Outono ou início do próximo ano.

Artigos Relacionados

Evergrande escapa à falência? Hoje falamos sobre as notícias! Os ursos à espera da grande queda nos mercados terão de esperar mais alguns dias. Pelo menos para ver se este gigante desencadeia a crise finance...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments