Investir numa ação quando está nos máximos? Ao diversificar posso evitar perdas? - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Investir numa ação quando está nos máximos? Ao diversificar posso evitar perdas?

Subscrever Agora

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Investir em máximos

Não é a primeira vez que falamos de diversificação dada a sua importância, mas devemos saber como realizá-la e com qual broker podemos ficar mais baratos, porque já sabemos que diversificar um portfólio modesto pode ser muito caro em comissões.

O que é diversificação?

A diversificação envolve a compra de ativos diferentes, ou apenas alguns, mas através de ETFs.

 

Existem basicamente dois riscos que podemos reduzir consideravelmente graças à diversificação:

Risco próprio de uma empresa: É o risco que incorremos ao investir numa empresa, se é devido a má gestão e / ou falta de responsabilidade sofre grandes perdas. Para ver alguns exemplos desse tipo de risco, não é necessário ir longe demais, como Pescanova, Gowex, Astroc … Um investidor que investiu a totalidade ou uma grande parte do seu capital disponível numa dessas empresas individualmente e mantive até o final, por enquanto não consegui recuperar nada.

Pescanova Degiro

Solução ao próprio risco de uma empresa

Existem várias fórmulas para reduzir esse risco. O mais importante é a famosa diversificação ingénua, que consiste em diversificar em várias empresas tanto que a ponderação de cada uma delas tem um impacto irrelevante no nosso portefólio.

Se, por exemplo, comprarmos 20 empresas, cada uma delas pesará 5% em nosso portefólio, e se uma delas for à falência, nossa carteira só será afetada em 5%. Isto partindo da premissa de que toda a rentabilidade do resto das empresas é constante, mas devemos ter em mente que os pesos vão mudar, como algumas empresas se saem melhor do que outras, o impacto pode ser maior ou menor que 5% em um determinado momento, mas não tomarmos como referência o momento inicial do investimento.

Outra solução, para evitar o pagamento de 20 comissões, é comprar diretamente um ETF ou uma cesta deles, de modo que economizaríamos comissões substanciais, embora não pudéssemos escolher as empresas para nós.

Outra opção, muito mais complexa, principalmente devido à opacidade das contas “reais” das empresas que poderiam esconder um problema, é aplicar filtros de rentabilidade, dívida e crescimento às empresas, selecionar as que melhor se ajustam às nossas preferências e analisá-las. cuidadosamente confiando que as contas são verdadeiras.

Risco de comprar todo o nosso capital no máximo

Este é o típico erro de principiante, geralmente é o primeiro que fazemos quando começamos a investir no mercado de ações. Quando começamos no mercado de ações, geralmente é porque ou um amigo nos falou sobre o assunto e, embora já estivéssemos curiosos, não é até o momento que acabamos de decidir, ou porque começa a aparecer na imprensa que o mercado de ações subiu muito nos últimos meses ou anos.

Spy Degiro

É típico começar a incentivar o investimento no mercado de ações quando as coisas estão indo bem, ou melhor, correram bem. Parecemos “burros” se não participamos desse benefício. Mas não mais longe da realidade, quando chega a hora de investir no mercado de ações pela primeira vez, devemos avaliar se estamos ou não num topo de mercado porque o estoque já subiu continuamente. Isso não é fácil, se vemos um gráfico do SP500, não sabemos onde ele vai fazer o máximo, mas se olharmos para as avaliações e dividend yield, podemos ter uma idéia melhor.

Soluções para comprar todo nosso capital no máximo

Uma das soluções mais utilizadas para quem não tem muito tempo é fazer compras periódicas. Por exemplo, compre X euros uma vez por mês, seja em ações ou em ETFs diretamente. Isso nos permite não entrar com todo o nosso capital no máximo (ou mínimo). Se as compras são do mesmo valor nominal, às vezes quando o preço é menor, podemos comprar mais ações, ponderando, de alguma forma mais “baratas” as compras, se o preço subir, compraríamos menos ações, isso nos permite obter uma média da variação histórica de preços e suavizamos a volatilidade do nosso portefólio, obtendo um desempenho similar ao do mercado.

Escalar e comprar a mesma quantia fixa a cada vez que o mercado cai uma certa percentagem, por exemplo, 10%, é outra opção a ser considerada. Eu vi esse sistema usar muito pouco e não testei, mas sei que há pessoas que o usam há vários anos, dizem que funciona para eles, mas eu não verifiquei. À priori, não parece uma má ideia, especialmente num mercado paralelo. Num mercado baixista pode ser uma destruição, mas se fizermos em índices, pode não ser tão absurdo se o objetivo é evitar a compra no máximo.

Medias móviles DEGIRO

A compra com o cruzamento de medias também nos impede de fazê-lo no máximo, desde que venhamos de uma tendência de baixa anterior. As médias nos dizem qual é a tendência do mercado e se estamos a comprar quando o preço está longe da média acima, pode não ser a melhor ideia. Sempre tendo em mente que queremos evitar a compra no máximo, é claro que existem muitas outras estratégias, mas basicamente elas evitam o propósito de evitar a compra no máximo.

 

Artigos Relacionados

O que são Triple Tops e Bottoms ? É um tipo de padrão gráfico usado para a análise técnica, com o fim de prever a inversão do movimento dos preços de um ativo. Os Triple Tops têm 3 picos ou pontas. O que é u...
Evergrande escapa à falência? Hoje falamos sobre as notícias! Os ursos à espera da grande queda nos mercados terão de...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments