Como as carteiras são orientadas para 2019? Os profissionais respondem

Depois de 2018, em que temos testemunhado o retorno da volatilidade nos mercados e declínios recentes neles, bem como vários conflitos económico-políticos, como a guerra comercial sino-americana ou a situação na Itália, nós perguntamos qual será 2019 .

Como a MiFID II afetou o setor? Quais são as perspectivas dos diferentes ativos? Estas são apenas duas perguntas coletadas na nossa entrevista anual ” Como espera que os mercados se comportem em 2019? “. São entrevistas que realizamos para mais de 100 profissionais da indústria de fundos de investimento. Nas linhas seguintes, mostramos os resultados.

1. Qual é o balanço do MiFID II após um ano desde a sua implementação?

Por ocasião do primeiro aniversário desde que o regulamento europeu MiFID II entrou em vigor, queríamos que os profissionais entrevistados ​​fizessem um balanço analisando suas percepções a esse respeito. Destes, 60% demonstraram neutralidade antes da chegada da MiFID II , apesar de vermos um certo viés positivo em relação aos novos regulamentos que implicaram um aumento na transparência das informações e proteção oferecidas aos investidores. Do total, apenas 18% é negativo, uma vez que, principalmente, os custos regulatórios aumentaram.

Balanço da MiFID II

2. Qual é a sua perspectiva sobre os diferentes ativos financeiros?

Em geral, os entrevistados não estão otimistas com os mercados de 2019, já que a maioria das respostas é neutra nos na maior parte dos ativos, principalmente no das ações.

Especificamente, espera-se um comportamento ligeiramente positivo em ações e negativo nas obrigações. Geograficamente, encontramos um viés positivo em relação às ações europeias, em comparação com as americanas e as emergentes, as últimas a serem evitadas no ano devido aos possíveis impactos da guerra comercial.

3. Quais os três setores que está com excesso de peso para o próximo ano de 2019?

O setor que os profissionais coincidem em super valorizar em maior medida é o setor financeiro , especificamente o sistema bancário. Em segundo lugar, encontramos o setor de consumo e, finalmente, o setor de telecomunicações como a terceira posição. O aumento da exposição ao setor financeiro em carteiras dentro da zona do euro deve-se principalmente ao sólido crescimento nos últimos cinco anos e subida de taxas de juro.

4. Quais são os três setores que subestima para o próximo ano de 2019?

Por outro lado, setores como energia e tecnologia têm subestimado nos portfólios de 2019, de acordo com a maioria das respostas da entrevista.

5. Na sua opinião, que estilo de investimento melhor se adequará às suas carteiras em 2019?

Os diferentes profissionais concordaram que o estilo de investimento que melhor se adaptará aos portefólio em 2019 será Value Investing , com 55% do total de respostas. Uma mudança iminente na fase do ciclo, a recomendação dos entrevistados é para fazer uma transferência de estilos de investimento de investir crescimento para investimento em valor. Seguindo o estilo Blend e Momentum com 14% das respostas ambas. Apenas 10% dos entrevistados indicam que a gestão ativa será responsável pela maior parte dos seus investimentos.

Estilo de investimento preferido pelos entrevistados

6. Recentemente incorporou fundos de investimento com critérios ESG no seu portefólio?

Quanto ao investimento socialmente responsável, embora o percentual tenha sido muito próximo, ganha o percentual que recentemente não incorporou fundos com critérios ESG (Environmental, Social and Governance), que responde por 60% dos entrevistados. Por outro lado, 40% indicam que o fizeram, pois os investidores cada vez mais convergem os seus valores e convicções morais com os seus critérios de investimento.

7. 2019 será o ano dos fundos multi-estratégicos? E retorno absoluto? Será o ano das mega-tendências?

Realce o laço claro encontrados nas respostas sobre fundos de investimento de multi – estratégia, incluindo optar pelo não e sim quando se determina a inclusão nas carteiras de 2019.

Quanto aos fundos de retorno absoluto e mega tendências, eles terão um peso menor nas carteiras no próximo ano de 2019, conforme indicado por mais de 50% dos profissionais das entrevistas.

8. Qual foi novo fundo de investimento incorporou recentemente no seu portefólio?

Queríamos para destacar os 12 fundos que mais votos que obtiveram nesta questão pelos profissionais entrevistados, em outras palavras, esses fundos “escolhidos” para 2019. Por isso, fizemos o artigo: “Quais são os fundos escolhidos pelos gestores para 2019? Adicionando os seus respectivos retornos anualizados a 3 anos, a sua volatilidade e o seu rácio de sharpe, assim como um comentário para cada um deles que recolhe as informações mais relevantes sobre o ativo.

9. Qual foi o fundo de investimento retirou recentemente no seu portefólio ?

A maior parte do feedback recebido está focada na retirada desses fundos com uma filosofia de preservação de capital, controlo de perdas e volatilidade, já que durante o ano de 2018, o comportamento não foi o desejado e o desvio mínimo em relação ao produto selecionado como conservador ou diversificado foi vendido; principalmente, se o gestor ou a filosofia foi mudado por muitos anos mantidos.

10. Qual fundo de investimento gerou a maior rentabilidade para o portefólio dos seus clientes em 2018?

Entre os fundos de investimento com retornos anuais mais elevados gerados nas carteiras em 2018, encontramos fundos de crescimento, como o Capital Group New Perspective Fund, e combinamos fundos como o Fidelity Funds – World Fund. Também destacam-se os fundos americanos de investimento em participações,como o Amundi Funds II – o Pioneer U.S. Fundamental Growth ou o Fidelity Funds – America Fund.

Obrigado a todos que participaram!

Estas foram as perspectivas que obtivemos em primeira mão pelos profissionais do setor, a quem agradecemos por terem dedicado alguns minutos para responder à entrevista anual que nos permite obter uma visão global da Alocação de Ativos das carteiras em 2019 .

Sobre o autor

Juan Diego Quilez
Gestor do Rankia Portugal