Como saber se um fundo cobre o risco cambial?

Ao longo do artigo vamos abordar uma questão que levanta dúvidas para muitos investidores, saber se um fundo possui risco cambial coberto ou não. Embora possa parecer simples, tem alguma complexidade e existem algumas crenças falsas sobre o seu funcionamento que é conveniente saber. Vamos falar sobre isso com vários exemplos de fundos com diferentes coberturas.

O que é o risco cambial?

Antes de mais nada, devemos definir qual é o risco cambial. É o risco que um investidor assume quando usa uma moeda e o fundo investe em moedas diferentes. Isso pode causar diferenças importantes entre os retornos de investidores de diferentes países no mesmo fundo, algo que veremos mais adiante com alguns exemplos. Portanto, os investidores devem tomar a decisão de cobrir o risco cambial ou deixá-lo em aberto, uma vez que esse risco pode significar tanto uma perda quanto uma reavaliação extra para o nosso investimento.

Se eu comprar um fundo denominado em euros, estou coberto?

Não. Esta é uma crença generalizada no pequeno investidor e não é necessariamente verdade. É possível que uma classe denominada em Eur não tenha risco, mas nem todos os fundos em Eur são cobertos. Para isso, vamos ver um exemplo com o fundo First Eagle Amundi International:

First Eagle Amundi Internacional Fund Class AE-QD Shares – Fundo cotado em dólares

First Eagle Amundi International Fund Class AU-C Shares – Fundo cotado em Euros

Primeira Águia Amundi International Fund – Classe AHE-C – Fundo cotado em Euros e coberto

Gráfico comparativo entre os 3 fundos First Eagle Amundi 

Com este caso, é claro que um fundo em euros não é necessariamente coberto e apresenta a mesma rentabilidade do fundo original em dólares. Por outro lado, a classe em Euros com cobertura tem retornos bastante diferentes para as outras classes. Com isso, vemos a necessidade de investigar um pouco mais para encontrar a classe coberta

O que nos diz que o fundo é coberto?

No caso anterior, há uma pequena diferença no nome que nos diz qual fundo é coberto. Fundos cobertos têm um “H” no nome, o que nos diz que você tem cobertura. Neste caso, a classe de cobertura é o AHE – C. O “H” inicial indica para nós, mas também há fundos que colocam o nome “Hedged”, como é o caso da PIMCO Global Investors Series Income Fund E Acc EUR Hedged. Esses fundos serão permanentemente cobertos.

Por outro lado, que um fundo não tem “H” ou “Hedged” no nome não significa necessariamente que não é coberto … como no caso do True Value, que é coberto e não há nenhum indicador no seu nome. Aqui, a única opção é investigar as informações fornecidas pelos gestores para saber se eles estão cobertos ou não, e se esta é uma característica permanente ou cíclico. Como exemplo, temos o caso da Cobas, que a priori não cobre a moeda, mas vendo uma avaliação excessiva decidiu cobrir a moeda.

Nos fundos que não especificaram cobrir a moeda mas que têm a possibilidade é necessário tentar saber o posicionamento do gestor nesta matéria. Alguns sempre cobrem isso, outros de acordo com avaliações cambiais (incomuns) e outros nunca o cobrem e o consideram um “impacto neutro” a longo prazo, apesar das suas influências de curto prazo.

Se um fundo for coberto, assumo o risco cambial de qualquer tipo?

Mais uma vez, não. Este é um caso mais particular que precisa ser analisado em grande detalhe, uma vez que, apesar de estar coberto, o investidor pode sofrer riscos cambiais significativos com as moedas secundárias. Está bem ilustrado com um exemplo.

Imagine que um investidor europeu invista num fundo de ações global dos EUA denominado em dólares que é coberto. A chave para o assunto está na palavra Global. Este fundo pode investir em todo o mundo, para que o fundo possa comprar empresas japonesas, empresas russas ou qualquer país com outra moeda, o que significa um risco cambial entre o dólar, o iene e o rublo.

Normalmente, a cobertura feita por um fundo é entre as principais moedas, que neste caso é Dólar – Euro, de modo que o investidor pode sofrer perdas significativas devido ao efeito cambial se o fundo tiver um peso significativo na Ásia e a evolução das moedas jogue contra ele.

Existem fundos que fazem cobertura por par e têm o risco totalmente coberto com todas as moedas com pesos relevantes no fundo. Se o peso de uma posição e moeda for residual, os fundos tendem a não gastar recursos na sua cobertura, pois, em termos operacionais, o custo de fazê-lo não compensa.

A única maneirapara saber diferenciar entre coberturas é perguntar diretamente ao gestor.

Conclusões

O risco cambial pode ter um impacto muito importante nos rendimentos de curto prazo, apesar de ser considerado por muitos como neutro a longo prazo.

Por outro lado, é importante saber quais os fundos que cobrem a moeda, como o fazem e, especialmente, se têm a possibilidade de serem flexíveis com ela.

Sobre o autor

Henrique Garcia
Analista de Mercados

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *