Crypto day Lisboa: Artigo resumo do Maior evento de Blockchain em Portugal

O maior evento de criptomoedas em Portugal

O Crypto Day Liboa foi um sucesso. Mais de 300 participantes (presencial e on-line)tiveram um dia reunidos a falar e debater as criptomoedas e a tecnologia do Blockchain.

Introdução ao Blockchain e Criptomoedas

Mário Valente

No inicio tivemos uma parte introdutória, com Mário Valente. O Mário, formado em informática, ajudou o publico aperceber os objetivos e as condições de uso do blockchain.

Em entrevista exclusiva ao Rankia, explica o conceito e algumas das suas finalidades do nosso dia a dia e onde faz mais sentido e onde faz menos. Dá vários exemplos como podemos usar esta tecnologia, e critica algumas empresas usarem o blockchain indevidamente porque é moda e ainda existe uma falta de informação.

Explica qual é a sua opinião sobre a regulação do setor e as suas possíveis consequências a curto e a longo prazo da mesma. Compara a crise das DotCom e a evolução das criptomoedas e a sua opinião e refere que o pico de valor delas ainda está para vir.

António Madeira

De seguida, tivemos o António Madeira a apresentar as ferramentas em Criptomoedas. É gestor da Cryptocompare.

Em entrevista exclusiva, fala das vantagens das criptos como a descentralização. Explica que é difícil definir uma moeda com maior potencial de futuro porque o mundo está sempre a mudar. Sobre a compração com a crise das DotCom, diz que pelo que vimos nas ICOs nos dias de hoje, temos uma situação semelhante. Sobre a questão das criptos serem meio de pagamento, refere ao rankia que ainda estamos longe de isso acontecer.

Trading com criptos

Depois da parte introdutória, tivemos a discutir conceito de trading com criptos.

Mara Martinho da Silva (IG)

Mara da Silva, em entrevista ao Rankia, diz que a negociação de CFDs é uma excelente alternativa à negociação de longo prazo principalmente para fazer posições curtas.

Diz que a gestão de risco deve ser feita com cuidado e explica a vantagens do Stop garantido.

Hugo Ferreira

Hugo Ferreira, empresário e trader de criptos, diz ao Rankia que a Bitcoin para voltar aos máximos registado só irá acontecer por motivos de especulação principalmente por não ver novos potenciais investidores institucionais porque a tecnologia de blockchain da Bitcoin é das menos eficientes comparando com outras criptos.

Fala também dos riscos das criptos e o motivo da grande queda e equilíbrio da cotação. Fala da Dash como uma das criptomoedas do futuro porque permite transações privadas.

Durante o evento, explicou a todos participantes como fazer proteção de posições longas em criptomoedas.

Marco da Costa (AvaTrade)

Para terminar o Trading com criptos, tivemos o Marco da Costa, da AvaTrade, explicou como fazer análise técnica em criptos.

Em entrevista ao Rankia refere que uma boa leitura dos gráficos e com gestão de risco usando o Stop loss, são cruciais para saber os pontos de entrada.

Natália Arango Gil (eToro)

Natália Gil, Account Manager no eToro, explicara-nos a vantagens do social trading. Diz ao Rankia que o eToro disponibiliza aos seus clientes as criptomedas com maior capitalização de mercado. Estão a criar um novo serviço que permite ao cliente deter uma wallet onde podem fazer depósitos de criptos. No final explicou-nos como funciona o CopyFunds de Criptos no eToro.

ICOs e o mining

Na parte final, discutiu-se os ICOs e o mining

Mário Alves

No inicio tivemos o Mário Alves a explicar a dimensão das criptomoedas nos dias de hoje. O Mário é fundador do Blockchain Center Portugal e conta ao Rankia que se tivesse que escolher uma criptomoeda seria o ethereum. Refere que já temos bastantes moedas e para investir nelas temos de saber o que cada uma faz. Ao Rankia, diz que os ICOs são bastante positivos para as starts ups em Portugal

Fred Antunes

No encerramento, tivemos Fred Antunes, presidente da Associação Portuguesa de blockchain e criptomoedas.

Em entrevista ao Rankia, diz que 2017 foi o ano em que o mundo começou a conhecer a cripto-economia e que ainda tem um longo percurso a fazer. Refere que a evolução do mundo passa pelo mundo ser auditado por “máquinas” e a tecnologia Blockchain é uma possível solução para isso acontecer. Em relação às ICOs portuguesas, a falta de regulação é uma limitação para não se fazer mais para além do que já foi feito. Explicou-nos as limitações de pagamentos em criptomoedas em Portugal referentes a aspetos legais e tecnológicos.

Sobre o autor

Juan Diego Quilez
Gestor do Rankia Portugal

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *