Greenshoe: como funciona esse tipo de oferta?

Greenshoe

Greenshoe: este termo anglo-saxónico descreve a opção que os emitentes ou licitantes concedem às entidades coordenadoras numa oferta pública de venda (OPV)  ou numa oferta pública de subscrição (OPS) para emitir ações adicionais no caso de um grande excesso de procura.

O que é o Greenshoe ?

O Greenshoe é uma cláusula típica nos contratos de colocação de OPV, na qual se permite aos colocadores  vender mais ações do que as previstas na colocação (cerca de 10% adicional), se a procura  for muito maior do previsto.

O exercício desta opção permite aos coordenadores aumentar o número de ações atribuídas aos investidores qualificados (ao mesmo preço da oferta) quando há excesso de procura. É geralmente acompanhado por um empréstimo de ações concedido aos coordenadores pela própria sociedade, por um accionista ou um terceiro, para que possam satisfazer o excesso de procura.

Este termo deve-se à à já desaparecida empresa Green Shoe Company, que foi a primeira a utilizá-lo no seu OPV dos anos 30. O termo oficial a ser utilizado num porspecto nas emissões “oover-allotment optio” (opção de maior atribuição).

Greenshoe é uma opção de compra?

Sim e não. Na verdade, o Greenshoe é uma opção de compra, pois os colocadores têm o direito, mas não a obrigação, de comprar mais ações a um determinado preço. Mas as opções de compra são para ganhar dinheiro, e é pago por eles um prémio, enquanto o Greenshoe tem um espírito diferente: embora o colocador pode ganhar dinheiro com ele,para o que deve ser usado é para estabilizar o preço em situações de procura excessiva.

Como o Greenshoe está a ser utilizado nas últimas OPV?

Nos últimos OPV, vimos como ações  executaram parcialmente o Greenshoe, apesar de em nenhum deles ter havido absolutamente nenhum sinal de procura excessivamente forte; pelo contrário, as quedas nos poucos dias de cotação demonstram que a procura era fraca, e a execução (parcial) do Greenshoe aumentou a oferta e provocou essas quedas na cotação. Os colocadores em vez de estabilizar o preço, o que fizeram foi derrubá-la, através do Greenshoe: aproveitaram os aumentos iniciais para colocar papel adicional, com benefícios para eles através de mais-valias e via comissões, e quando esse excesso de oferta começou a pesar na cotação, deixaram que caísse em vez de recolher o papel (em sua função de cuidadores).

Por que esse mau uso?

Isso teria de ser respondido pelos próprios colocadores, mas podemos pensar em duas explicações: a má, e a pior.

  • A ma noticia é que executam o Greenshoe como uma opção, simplesmente para ganhar dinheiro através de mais-valias e comissões, o que leva ao “incentivo perverso” de que ganham mais dinheiro executando todo o Greenshoe,  haja ou não excesso de procura, quando a cotação excede um pouco o preço de saída. Se assim for, o que deve ser feito é não permitir que os contratos ganhem dinheiro com a colocação do Greenshoe.
  • E o pior é que eles executam directamente o Greenshoe para derrubar a cotação, e assim ganhar dinheiro diminuindo.
0

Sobre o autor

Rankia

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *