Diferenças entre fundos de investimento tradicionais, fundos de índices e ETFs

Diferenças entre fundos

O que é um fundo de investimento, um fundo de índice e um ETF?

Para começar, é essencial ter conhecimento do que são esses veículos de investimento:

  • Fundo de Investimento Tradicional: Património de uma comunidade gerida por uma Sociedade Gestora.
  • Fundo índice: Fundo cujo objetivo é replicar um determinado índice de mercado.
  • ETF: Exchange Traded Fund, Fundo cotado.

A principal diferença entre esses ativos está na diferença entre a gestão ativa e a gestão passivo.

A gestão ativa é uma modalidade de investimento que possui uma equipa de pessoas dentro de uma empresa de gestão, que toma decisões sobre os ativos de uma comunidade que tenta obter um retorno.

Por outro lado, temos a gestão passiva, cujo objetivo é seguir um índice ou outro tipo de cesta de ativos. Isso não significa que a gestão passiva é melhor que a gestão ativa e vice-versa.

O que procuramos quando investimos?

Procuramos um instrumento para investir praticamente em vários ativos ao mesmo tempo. De uma maneira prática, veremos como esses ativos são eficientes em custos ou como estão a sua operação, impostos ou segurança.

Caso invistamos em vários ativos ao mesmo tempo, veremos os componentes de um índice ou setor, o segmento da curva de um futuro e os ativos que atendem a uma determinada condição quantitativa. Aqui vamos ver mais detalhadamente estes aspectos:

Custos

Nunca pague mais pelo mesmo. Podemos ver abaixo os custos gerados pelos 3 instrumentos:

  • Fundo tradicional RV: 2% aprox.
  • Fundo de Índice de RV: 1,1%
  • ETF de RV: 0,2%

Podemos concluir que os ETFs são mais referências, tomando os custos como referência.

Operatividade

  • Liquidez: O ETF demora os dias de liquidação do mercado, enquanto a liquidez dos fundos pode demorar 1 semana
  • Agilidade: Nos fundos a intervenção é humana, nos ETF são automatizados
  • Derivados: Nos fundos não tem, mas nos EFTs tem opções e/ou fututos
  • Transparência: Nos ETFs é total, nos fundos não sabemos por vezes o que se passa
  • Orientação: Nos fundos é puramente altista, nos ETFs é bidirecional
  • Alavancagem: Os ETFs podem ter, nos fundos não.

Nesse aspecto, também podemos concluir que os ETFs são muito melhores que qualquer tipo de fundos.

Fiscalidade

  • Transferências entre fundos: A tributação é diferida, sujeita a requisitos.
  • ETF: não pode aceder a essa vantagem.

Sem dúvida, esse é o principal ativo ou vantagem dos fundos em detrimento dos ETFs.

Segurança

Devemos ter cuidado para não confundir os produtos com os quais operamos. As pessoas confundem os ETFs com outros ETCs e ETNs.

Componentes de um índice

Se quisermos investir no PSI20, obtemos os seguintes prós e contras desses ativos:

  • Fundo Índice PSI20: regime de transferência mais caro, mais inoperativo e favorável.
  • ETF PSI20: mais barato, mais operacional e sem vantagem fiscal.
  • Fundo tradicional Portugal: Queremos ganhar um extra

Componentes de um setor

Se optar por comprar o setor, é melhor comprar um ETF setorial. Os títulos podem ser semelhantes, mas não iguais, então devemos levar em conta o que estamos a comprar.

Segmento da curva de um futuro

Os futuros são o instrumento mais versátil e mais barato para ganhar exposição a um índice. No entanto, eles são complexos e permitem alavancagem variável. Existem futuros sobre índices, ações, setores, matérias-primas, ETFs etc.

Precisamos deles quando não podemos comprar dinheiro: o que fazemos?

  • Podemos comprar ou vender o futuro de um determinado vencimento e ir “rolando” para manter a posição.
  • Podemos comprar um ETF direto ou inverso, que fará tudo isso diariamente em troca de uma comissão

Smart Beta

ETF formado por valores que preenchem uma determinada característica:

  • Menor volatilidade
  • Melhores fundamentos (Qualidade, Valor, Crescimento).
  • Maior momentum
  • Entre outros

Conclusões

Os três instrumentos de que falamos, fundos mútuos, fundos de índices e ETFs são produtos diferentes, não melhores ou piores em si mesmos.

Como escolher?

Existem quatro critérios que nos podem ajudar:

  • O que pensamos sobre a gestão ativa?
  • Nós nos importamos com a tributação?
  • Vamos “rotacionar” muito o portefólio?
  • Em que queremos investir?

A tabela a seguir nos ajudará a fazer uma seleção mais eficiente:

Se quiser aprender mais sobre Fundos de Investimento, pode fazer download do nosso manual de gratuitamentemanual fundos

Sobre o autor

Juan Diego Quilez
Gestor do Rankia Portugal

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Juan Diego Quilez

    aa

  • Gil Pereira

    Como funciona a subscriçao de um ETF,compra-se uma vez,é necessário adicionar aportes mensais á carteira?
    Obrigado

    • Juan Diego Quilez

      Não é preciso, isso já é dependendo da sua estrategia de investimento