Entrevista a Charlie Munger: Tesla, Apple, Trump, bitcoin

A Conferência Anual de Acionistas da Berkshire Hathaway foi realizada no último final de semana. Aproveitando essas datas, o Yahoo Finance conduziu uma entrevista exclusiva com Charlie Munger, que traduzimos abaixo. A entrevista é uma “jóia” de sabedoria de um dos melhores investidores de todos os tempos. Espero que goste.

ANDY SERWER: Continuando com as perguntas que as pessoas levantaram na reunião anual, começando com a China, comércio e tarifas, Charlie Munger disse que “mesmo Trump pode estar certo em alguns aspectos deste assunto”.

CHARLIE MUNGER: Quando as pessoas ficam com raiva de um político, elas pensam que tudo o que fazem ou dizem está errado, e nem sempre é assim. Tudo o que eu disse não é ser um purista absoluto do livre comércio. Eu sou quase um purista, embora não seja bem assim; mas não quero que toda a indústria dos EUA se vá para fora. Deve haver algum lugar onde você possa desenhar uma linha sem arruinar o mundo.

ANDY SERWER: Então, como deve ser nossa política comercial? A China pode ser injusta, na verdade é, mas como podemos buscar isso?

CHARLIE MUNGER: As atitudes de nossos presidentes são totalmente diferentes, e eu estou feliz que tenhamos um grande déficit comercial com a China, o que lhes permitiu sair da pobreza e da escuridão, e saúdo a China ao grupo de nações avançadas, o que eu acho que nós permitimos consideravelmente por causa da nossa vontade de negociar com eles à medida que avançavam em termos de complexidade de negócios.

Então eu gosto do que aconteceu, eu não considero isso ruim e injusto. Eu não digo que seria impensável ter tarifas, mas basicamente eu sou um defensor do livre comércio e particularmente em relação ao livre comércio com a China; e eu gosto do fato de que o livre comércio com a China permitiu que ele se expandisse tanto e saísse da pobreza. A pobreza rural afetou centenas de milhões de pessoas e, ao longo da história, nenhuma nação tão grande avançou tão rapidamente quanto a China.

ANDY SERWER: Mas eles não são injustos para nós?

CHARLIE MUNGER: Tenho certeza de que em alguns lugares da China há pessoas com vantagens sobre alguém nos Estados Unidos, mas isso sempre acontece. Os chineses quebraram o negócio de calçados da Berkshire Hathaway. Ele desapareceu basicamente porque seus sapatos eram muito bons e mais baratos. Não estou zangado com a China por isso, e a Berkshire prosperou; Não é tão bom para o Maine, mas não podemos evitar. Não há como fazer uma civilização avançada ferir ninguém à medida que evolui.

ANDY SERWER: Há muita conversa sobre um “elefante” que a Berkshire está procurando por uma grande aquisição. Poderia esse elefante estar na China? E se fosse, você poderia até comprar, dada a relação atual entre os dois países?

CHARLIE MUNGER: Eu não vejo que é provável que compremos uma grande empresa chinesa. Os chineses estão muito orgulhosos de suas empresas e do que conseguiram. O que considero bastante provável é que somos convidados a comprar parte de uma grande empresa chinesa e vamos celebrá-la. Temos posições minoritárias em muitas empresas, como a BYD.

ANDY SERWER: deixe-me perguntar-lhe sobre BYD e carros chineses. Quando esses carros serão permitidos nos Estados Unidos e o que está atrasando, a burocracia?

CHARLIE MUNGER: O mercado automotivo é muito competitivo e muito saturado, e é claro que ninguém nos Estados Unidos quer perder nossos dois últimos grandes fabricantes de automóveis; três, se contarmos a Ferrari Chrysler. E é muito difícil para alguém novo vir ao grande mercado americano, além de a China ter um grande mercado por si só. Meu palpite é que eles permanecerão ocupados em sua própria parte do mundo por muito tempo.

ANDY SERWER: Então essa não é uma prioridade para a BYD?

CHARLIE MUNGER: A maior vantagem da BYD está nos carros elétricos, que estão muito próximos da tecnologia de ponta da bateria; Seria loucura não priorizar carros elétricos híbridos com gasolina. Eu não acho que eles devam ser removidos do mercado de gasolina, mas eu acho que eles serão maiores em carros híbridos e elétricos.

ANDY SERWER: falando sobre veículos elétricos, o que acha da Tesla? Esta empresa vai-se tornar a protagonista?

CHARLIE MUNGER: A verdade é que já tem mais significado do que se poderia imaginar, e seu fundador é ousado e brilhante. É claro que pessoas assim obtêm alguns resultados notáveis e, algumas vezes, algumas falhas, e eu não tenho idéia de como Elon Musk vai conseguir, mas acho que ele tem chances consideráveis de sucesso, e uma possibilidade de fracasso também. Parece que ele gosta desse jeito.

ANDY SERWER: você considerou que, durante a noite, Elon Musk começa no negócio de doces, como sugeriu no Twitter?

CHARLIE MUNGER: Eu não ouvi, mas parece que é inteligente, e não posso criticar ninguém que seja esperto.

ANDY SERWER: vamos falar sobre o sistema de saúde de um único pagador que você mencionou. Eu acho que disse isso a pensar quando os democratas ou se os democratas controlavam as duas casas

(Charlie) e a presidência.

ANDY: teria que ser três. Ok, mas você acha mesmo?

CHARLIE MUNGER: Eu acho que vai acontecer. Todas as outras nações avançadas do Ocidente possuem e de tipos diferentes. Eu não acho que minha previsão seja tão radical.

ANDY SERWER: Isso poderia acontecer daqui a dois anos? Ou comece a gastar em dois anos.

CHARLIE MUNGER: Praticamente todos estão desencantados com a burocracia, os custos e os resultados em nosso próprio país, nosso próprio sistema de saúde.

ANDY SERWER: Este é um caso em que a burocracia acaba de assumir o controle de toda uma indústria?

CHARLIE MUNGER: A burocracia, juntamente com interesses entrincheirados, que estavam se beneficiando do sistema existente de várias maneiras. Eu venho da Califórnia, se todos na nação tivessem a Kaiser Health Care, como fazemos na Califórnia, a qualidade líquida da medicina nos Estados Unidos aumentaria. E Kaiser nunca teve permissão para prosperar fora da Califórnia, porque interesses entrincheirados estão se intrometendo nele, por causa de seu sucesso na Califórnia.

Está a falar de um campo em que esses interesses estão gerando muito dinheiro. Eles não querem a mudança e você não a desejaria se seu apoio dependesse dela. E, claro, é muito difícil mudar nosso sistema. A razão pela qual o sistema de Cingapura é muito melhor do que o nosso é que eles não têm muitos interesses arraigados que eram tão poderosos, e eles tinham um líder brilhante. O sistema custa cerca de um quinto que o nosso e dá um serviço melhor.

ANDY SERWER: o sistema de saúde onde você trabalha com o JP Morgan, no qual a Berkshire está trabalhando com a JP Morgan e a Amazon, poderia ser um modelo ou se tornar um sistema de pagamento único?

CHARLIE MUNGER: Não, eu acho que o sistema de pagador único vem porque o governo o ordena, então acho que tudo o que estamos tentando fazer é melhorar o sistema existente. Lembre-se de que John Rockefeller, o primeiro a gastar 50 milhões de dólares décadas atrás, revolucionou completamente o sistema de saúde americano, retirou todos os charlatães da profissão médica, alterando todas as leis estaduais. Ele tinha escolas americanas imitando John Hopkins, que imitava a Alemanha, e quando ele gastou esses 50 milhões de dólares, a medicina americana melhorou enormemente. Ele fez esse trabalho como um serviço público, e muitas pessoas não percebem quanto serviço público JD Rockefeller criou; e então, o que a Berkshire e seus parceiros estão tentando fazer é semelhante ao que Rockefeller fez. Nenhum deles estará fazendo isso simplesmente para ganhar dinheiro, esta é uma atividade de serviço público.

ANDY SERWER: Então isso foi algo como uma inspiração?

CHARLIE MUNGER: Bem, para mim é. Eu não sei, talvez eles tivessem três inspirações diferentes, mas eu sempre admirei o que Rockefeller fez; e o homem que o convenceu, Simon Flexner, também criou a casa de Einstein, em Princeton. Bill Gates, homem muito interessante, tudo o que ele espera fazer é um dia ter metade do que Rockefeller fez, ele sabe a conquista que foi.

ANDY SERWER: Deixe-me perguntar sobre o Wells Fargo, Warren e partilha da visão sobre a questão do banco, mas em que ponto você diz o suficiente e quando decide deixar uma empresa?

CHARLIE MUNGER: Eu não acho que o Wells Fargo esteja acabado, eles só tiveram algum problema de incentivo que acabou causando um mau comportamento, e então eles reagiram mal quando o problema apareceu. Eles tinham erros de julgamento, eu acho que eles são óbvios, e eles odeiam o que aconteceu de tal maneira que eles são menos propensos a cometer erros no futuro. Eu realmente acredito que isso é bom para o Wells Fargo, a longo prazo. É uma agonia passar por isso, mas vai fazê-los melhorar.

ANDY SERWER: Deixe-me perguntar sobre Ted Weschler e Todd Combs. Você e especialmente os bons gerentes disseram e como eles são espertos; e acredito que isso será demonstrado com fatos em algum momento do caminho. Você concorda com sua filosofia de investimento?

CHARLIE MUNGER: Eu não sigo muito os seus passos, quando eles compram uma ação, não significa que você comece a estudá-los em profundidade, porque eu os conheço bem. Eles contribuem enormemente porque falam com Warren o tempo todo, e como eu disse na reunião, ele é muito melhor para isso, e eu também. Não teríamos comprado ações da Apple se um desses jovens não tivesse nos levado por essa estrada.

O mesmo foi a conclusão de Warren no final, mas foi provocado por um dos jovens. Eles têm sido muito construtivos e ajudam de várias maneiras. Ambos pensam totalmente no interesse do acionista. As pessoas que vêm de investimentos e títulos estão sempre pensando no que é bom para os acionistas. E é uma grande influência ter alguém, duas pessoas jovens e inteligentes ao redor da Berkshire com uma orientação extremada para os acionistas. E eles não estão apenas se saindo muito bem com o dinheiro que estão investindo, mas também influenciam favoravelmente o investimento de que não são responsáveis. Por exemplo, o investimento da Apple.

ANDY SERWER: mas, em outras palavras, a filosofia de investimento da Berkshire muda? Então, Berkshire, Warren e você eram conhecidos como investimento em valor.

Não é essa a filosofia central de Berkshire, ou isso não importa?

CHARLIE MUNGER: Você tem que lembrar que, para nossa maneira de pensar, um investimento inteligente é o investimento em valor. Por que você quer comprar algo que não vale tanto quanto o que você está pagando por isso? E quem não gostaria de comprar algo por menos do que seu valor?

Você é sempre um investidor em valores. Mas existem várias maneiras de procurar investimentos em valores, assim como existem vários lugares onde você pode pescar. E a primeira regra quando se trata de pescar é pescar onde estão os peixes. A primeira regra para investir em títulos é encontrar um lugar para pescar investimentos em títulos, quando há muitos deles. É claro, tornou-se difícil nos Estados Unidos encontrar investimentos em títulos fáceis, porque o mundo é muito competitivo, e isso explica muito do que você vê na Berkshire, onde compramos valores como a Apple que não compramos no passado, quando tínhamos mais mundano, que funcionou muito bem para nós.

Então, estamos simplesmente olhando para lugares diferentes, mas ainda somos investidores em valor. Algumas pessoas, quando dizem investidor em valor, referem-se a alguém que enfatiza o capital de giro ou algo parecido; o que significa que você deve pescar naquele lugar específico … mas acho que é tudo, acho que é um mau uso da linguagem pensar na diferença entre o investimento em valor e outro bom investimento; Todo bom investimento é um investimento em valor, por definição.

Existem vários lugares para “pescar” investimentos em valor. E, claro, como o mundo fica mais difícil, você tem que pescar em lugares onde você não tenha pescado antes.

ANDY SERWER: e depois a ideia com a Apple é que existe valor lá que não é reconhecido pelo mercado.

CHARLIE MUNGER: Diferentes tipos de investimentos em valor, e isso é menos familiar para nós. Mas nós não teríamos comprado se não tivéssemos pensado que era um bom investimento.

ANDY SERWER: deixe-me perguntar sobre um dos nossos tópicos favoritos atualmente, o bitcoin. Eu sei que você teve que dizer algumas coisas desagradáveis sobre isso, mas devemos simplesmente dispensá-lo?

CHARLIE MUNGER: Bem, o bitcoin, a ciência da computação por trás disso é bom, é um grande triunfo da mente humana, é o que cativa todas essas pessoas. Eles realmente criaram um produto do qual é difícil criar mais, mas não impossível. É muito peculiar, mas eles conseguiram fazer isso, então muitas pessoas da ciência da computação adoram porque é uma conquista muito importante na ciência da computação. Claro, não tenho interesse nisso, porque não é meu campo, e vejo um meio especulativo que as pessoas compram simplesmente porque acham que podem vendê-lo mais caro para outra pessoa, embora inerentemente não tenha valor intrínseco. Então eu acho que todo o negócio é anti social, estúpido e imoral.

ANDY SERWER: Imoral? Porquê?

CHARLIE MUNGER: por que você gostaria de negociar com bitcoin? Imagine que você poderia ganhar muito dinheiro negociando com cérebros de bebês. Você faria isso ou diria que é imoral? Você não trocaria, certo? É uma ideia horrível. Bem, para mim esse produto é quase tão ruim. Não tem propósito social desejável. Nós temos cartões de crédito. Não é como se não tivéssemos um sistema de pagamento. Temos o WeChat na China, um sistema de pagamento incrivelmente eficiente. A China não precisa de bitcoin. E se você tivesse um WeChat, por que usaria um meio em que os valores mudassem enormemente? Ninguém sã quereria um sistema de pagamento em que tudo o que você usa oscilasse 20% ao longo do dia.

Eu considero isso como uma combinação de demência e imoralidade; e acho que as pessoas que o estão empurrando são infelizes. Talvez haja algumas coisas que estão ao seu alcance e que você simplesmente não faz, e essa é uma delas. Nós não precisamos de um substituto para o ouro como este.

ANDY SERWER: No ano passado, quando falamos, Charlie, você mencionou que Donald Trump exibia um tipo de doença; Eu acho que você estava caracterizando sua personalidade e seu comportamento. Mais um ano se passou e me pergunto como você avaliaria hoje.

CHARLIE MUNGER: Eu amadureci, porque acho que é contraproducente odiar tanto quanto as duas partes atualmente se odeiam. E eu me disciplinei, agora considero os políticos superiores como eu costumava considerá-los. Eu fiz isso por uma questão de instinto de sobrevivência. Outra coisa que fiz para me sentir melhor sobre a situação atual foi reler “O declínio e a queda do Império Romano”. E isso me fez sentir muito melhor sobre o atual cenário político. Estamos muito à frente dos romanos no final.

ANDY SERWER: esse é um limiar muito baixo.

CHARLIE MUNGER: Bem, é muito esperançoso, eu aconselho que você leia, você se sentirá melhor sobre o mundo atual.

ANDY SERWER: e você disse que agora você valoriza mais os políticos para se sentir melhor.

CHARLIE MUNGER: É contraproducente odiar tanto. Todos nós, de ambos os lados, odiamos demais, e decidi me afastar disso.

ANDY SERWER: Como resolvemos isso?

CHARLIE MUNGER: Nós não temos que resolver isso. Tudo passa. O ditado é que isso também acontecerá. Eu tenho uma regra diferente sobre os políticos: eles nunca são tão ruins que você não vive para amá-los de volta. Chegará um momento em que todas as pessoas que odeiam Trump o desejarão de volta. Eu não acho que eu vivo para ver isso, mas tenho certeza que isso vai acontecer. Se você vir uma varredura completa da história da humanidade e das pessoas que a orientaram, há muitos líderes ruins.

Sobre o autor

Rankia

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *