Que se espera da reunião do BCE?

Embora que não se esperam surpresas da reunião do BCE, Degroof Petercam AM, A Française AM e SYZ AM ofereceram-nos os seus pontos de vista. Quais são as perspetivas de crescimento? Perspetivas da inflação?, O que se espera no efeito do Euro?

Degroof Petercam AM

É demasiado cedo para o anúncio de uma subida de taxas de juro, isto só ocorrerá após que o BCE ponha fim ao seu programa de compra de ativos mais lá para o fim do ano.

Michiel Verstrepen, economista de Degroof Petercam AM

Como tal, uma política monetária mais dura não deveria esperar em um bom futuro próximo. O BCE quererá evitar o erro que cometeu no passado, isto é, endurecer a política monetária demasiado cedo.

Além disso, uma maior apreciação do euro no contexto de taxas de juro mais altas dificultava o BCE a alcançar o seu objetivo de inflação. Dito isto, o BCE poderia ajustar a sua orientação para o futuro e acabar com parte da inclinação de flexibilização de acordo com a melhoria geral das condições económicas na zona euro.

A Française AM

Esperamos que o BCE reveja em ligeira alta as suas previsões de crescimento e inflação para 2018, do 2,3 ao 2,4%  de 1,4% ao 1,5%, respetivamente. Não será uma surpresa para o mercado, já que as estimativas macroeconómicas do BCE estão atualmente abaixo do das estimativas do mercado. Também esperamos que se elimine a política de flexibilização do QE (o Quantitative Easing pode aumentar em termos de tamanho e /ou duração): sabemos que o BCE atuaria se a perspetiva se deteriorasse, mas não é necessário ser intervencionista quando o crescimento é muito sólido. Isto seria visto como moderadamente agressivo.

François Rimeu, responsável por Cross Asset e Absolute Return da Française AM.

Não esperamos nova informação sobre se o BCE vai parar repentinamente o QE em setembro ou se reduzi-lo- á no quarto trimestre de 2018. Também não esperamos nova informação em relação ao significado exato do que será depois do QE, pois o mercado está a pensar atualmente em ao redor nos próximos 6 meses.

SYZ AM

A notável melhoria do crescimento na zona euro, inclusive com taxas de inflação ainda inferiores ao objetivo do BCE, eleva a pressão para que a autoridade monetária comunique ao menos as suas perspetivas para após a expansão quantitativa (QE) e o calendário das futuras subidas de tipos.

Adrien Pichoud, economista chefe de SYZ AM

Os mercados de futuros já estão a cotar umas subidas do EUR em curto prazo mais rápidas do previsto, o que está fazer a moeda única valorizar nos mercados de divisas. A chave para Mario Draghi será em gerir a velocidade desta bem-vinda normalização para evitar contágios adversos não desejados provocados por uma rápida revalorização da moeda e um endurecimento das condições financeiras.

A este dilema enfrentam-se praticamente todos os bancos centrais das economias desenvolvidas que ainda não iniciaram o processo de normalização (países nórdicos, Japão, Austrália, Suíça…): retirar parte dos estímulos monetários extraordinários à medida que vão-se precisando menos, sem pôr em perigo a positiva dinâmica atual de crescimento. Esse será o debate macro mais importante de 2018.

Sobre o autor

Rankia