Que se espera da reunião do BCE?

Embora que não se esperam surpresas da reunião do BCE, Degroof Petercam AM, A Française AM e SYZ AM ofereceram-nos os seus pontos de vista. Quais são as perspetivas de crescimento? Perspetivas da inflação?, O que se espera no efeito do Euro?

Degroof Petercam AM

É demasiado cedo para o anúncio de uma subida de taxas de juro, isto só ocorrerá após que o BCE ponha fim ao seu programa de compra de ativos mais lá para o fim do ano.

Michiel Verstrepen, economista de Degroof Petercam AM

Como tal, uma política monetária mais dura não deveria esperar em um bom futuro próximo. O BCE quererá evitar o erro que cometeu no passado, isto é, endurecer a política monetária demasiado cedo.

Além disso, uma maior apreciação do euro no contexto de taxas de juro mais altas dificultava o BCE a alcançar o seu objetivo de inflação. Dito isto, o BCE poderia ajustar a sua orientação para o futuro e acabar com parte da inclinação de flexibilização de acordo com a melhoria geral das condições económicas na zona euro.

A Française AM

Esperamos que o BCE reveja em ligeira alta as suas previsões de crescimento e inflação para 2018, do 2,3 ao 2,4%  de 1,4% ao 1,5%, respetivamente. Não será uma surpresa para o mercado, já que as estimativas macroeconómicas do BCE estão atualmente abaixo do das estimativas do mercado. Também esperamos que se elimine a política de flexibilização do QE (o Quantitative Easing pode aumentar em termos de tamanho e /ou duração): sabemos que o BCE atuaria se a perspetiva se deteriorasse, mas não é necessário ser intervencionista quando o crescimento é muito sólido. Isto seria visto como moderadamente agressivo.

François Rimeu, responsável por Cross Asset e Absolute Return da Française AM.

Não esperamos nova informação sobre se o BCE vai parar repentinamente o QE em setembro ou se reduzi-lo- á no quarto trimestre de 2018. Também não esperamos nova informação em relação ao significado exato do que será depois do QE, pois o mercado está a pensar atualmente em ao redor nos próximos 6 meses.

SYZ AM

A notável melhoria do crescimento na zona euro, inclusive com taxas de inflação ainda inferiores ao objetivo do BCE, eleva a pressão para que a autoridade monetária comunique ao menos as suas perspetivas para após a expansão quantitativa (QE) e o calendário das futuras subidas de tipos.

Adrien Pichoud, economista chefe de SYZ AM

Os mercados de futuros já estão a cotar umas subidas do EUR em curto prazo mais rápidas do previsto, o que está fazer a moeda única valorizar nos mercados de divisas. A chave para Mario Draghi será em gerir a velocidade desta bem-vinda normalização para evitar contágios adversos não desejados provocados por uma rápida revalorização da moeda e um endurecimento das condições financeiras.

A este dilema enfrentam-se praticamente todos os bancos centrais das economias desenvolvidas que ainda não iniciaram o processo de normalização (países nórdicos, Japão, Austrália, Suíça…): retirar parte dos estímulos monetários extraordinários à medida que vão-se precisando menos, sem pôr em perigo a positiva dinâmica atual de crescimento. Esse será o debate macro mais importante de 2018.

Sobre o autor

Rankia

    Melhores corretoras de Bolsa em Portugal

    Melhores corretoras de Bolsa em Portugal

    Estas são as comissões que nos cobraram em 2017 as principais corretoras de bolsa do mercado português.  A melhor corretora para um investidor não tem que ser a melhor “broker” para outro. O...