Fiscalidade nas Heranças em Portugal

Quando se recebe uma herança é obrigatório declará-la às Finanças e, em alguns casos, pagar Imposto do Selo. Saiba quem está isento de tributação e os bens que escapam a este imposto.

A herança está sujeita ao pagamento de Imposto do Selo. No entanto, existem exceções. A Lei prevê isenções para alguns herdeiros e retira certos bens da abrangência deste imposto sobre herança. Conheça os aspetos fiscais essenciais da herança.

Quanto se paga de imposto sobre herança?

A herança é tributada em sede de Imposto do Selo, à taxa de 10%. Para calcular o imposto sobre a herança a pagar, multiplica-se a taxa pelo valor tributável da totalidade dos bens recebidos. O valor de cada tipo de bem é determinado de acordo com regras específicas.

No caso de um imóvel, por exemplo, o valor corresponde ao seu valor patrimonial tributário (VPT). Imaginando um imóvel com um VPT de 200 000 euros, o montante de Imposto do Selo a pagar seria de 20 000 euros (200 000 euros x 10% = 20 000 euros).

Como pode ser pago?

O imposto sobre a herança pode ser pago na totalidade ou em prestações, como explica o Código do Imposto do Selo. Se o cabeça de casal optar por pagar a pronto, deve informar as Finanças no prazo de 15 dias. Nesse caso, tem direito a um desconto de 0,5% ao mês sobre o valor de cada uma das prestações em que o imposto tivesse de ser dividido, com exclusão da primeira. O pagamento tem de ser feito até ao segundo mês seguinte ao da notificação.

Se o valor a pagar for superior a 1 000 euros, pode ser pago em prestações, no máximo de 10. Cada mensalidade não pode ser inferior a 200 euros.

Quais são os herdeiros sujeitos a imposto?

O Imposto do Selo é devido pela herança. O seu pagamento cabe ao cabeça de casal, a pessoa que gere a herança até à sua partilha (normalmente é o cônjuge sobrevivo). Posteriormente, este responsável fará contas com os restantes herdeiros.

Quem está isento?

Estão isentos de imposto sobre herança o cônjuge ou unido de facto (desde 2009), os descendentes e os ascendentes. São os chamados herdeiros legitimatários.

Apesar de não terem de pagar imposto, estes familiares têm de declarar os bens recebidos às Finanças.

Quais os bens que estão sujeitos a imposto?

Estão sujeitos ao imposto sobre herança os seguintes bens:

  • Bens imóveis rústicos e urbanos
  • Bens móveis sujeitos a registo (automóveis e motos, barcos, aeronaves, espingardas e pistolas)
  • Outros bens móveis (ouro de investimento, obras de arte, direitos de autor, contas bancárias, ações, entre outros)

Quais os bens que estão excluídos?

A lei exclui de tributação um conjunto de bens, nomeadamente:

  • Bens de uso pessoal, como roupa, calçado e jóias
  • Bens de uso doméstico, por exemplo, recheio da casa, excluindo obras de arte
  • Créditos provenientes de seguros de vida
  • Pensões e subsídios pagos pela Segurança Social
  • Valores aplicados em fundos de poupança-reforma (PPR), fundos de poupança-educação (PPE), fundos de poupança-reforma/educação (PPR/E), fundos de poupança-ações (PPA), fundos de pensões ou fundos de investimento mobiliário e imobiliário
  • Abono de família em dívida à morte do titular
  • Donativos efetuados nos termos da Lei do Mecenato, por exemplo, a instituições de solidariedade ou religiosas
  • Donativos de bens ou valores monetários até ao montante de 500 euros
  • Transmissões a favor de sujeitos passivos de IRC, como é o caso de um empresário

Como declarar ao fisco?

Os bens sujeitos a tributação devem ser declarados pelo cabeça de casal junto de qualquer serviço de finanças, até ao final do terceiro mês seguinte ao falecimento do familiar. A participação é feita através da declaração modelo 1 do Imposto do Selo e dos anexos I e II. Se existirem mais de quatro herdeiros, é necessário preencher também o anexo III.

Sobre o autor

Henrique Garcia
Analista de Mercados

    Melhores corretoras de Bolsa em Portugal

    Melhores corretoras de Bolsa em Portugal

    Estas são as comissões que nos cobraram em 2017 as principais corretoras de bolsa do mercado português.  A melhor corretora para um investidor não tem que ser a melhor “broker” para outro. O...