Teorias sobre a determinação das taxas de câmbio

Existem várias teorias existentes sobre a determinação de taxas de câmbio nos mercados financeiros. Normalmente, estes são baseados nas variações da oferta e procura de diferentes moedas. As variações podem ser devido a:

  1. Comércio internacional de bens e serviços
  2. Especulação e arbitragem nos mercados
  3. Investimentos no exterior

No século XIX, o comércio internacional era a chave para explicar as taxas de câmbio, já que era praticamente o único fator responsável pelos fluxos cambiais. Atualmente, as operações de especulação e arbitragem estão a dar origem, com mais frequência, a novas teorias. Assim, os fatores que nos ajudam a formular as teorias sobre a determinação das taxas de câmbio , tanto em dinheiro quanto a prazo, são os seguintes:

  1. Os preços dos produtos ou mercadorias e sua variação medida pela inflação.
  2. Taxas de juros nos mercados monetário e de capitais.

Teorias sobre a determinação da taxa de câmbio

Existem principalmente cinco teorias sobre a determinação da taxa de câmbio:

Teoria da paridade das taxas de juros.

Esta teoria baseia-se na ideia de que um investidor deve obter o mesmo retorno investindo no seu país do que no exterior. Relaciona as taxas de câmbio a prazo com as taxas de juros do mercado monetário mantendo uma relação direta, ou seja, os aumentos nas taxas de juros são acompanhados por aumentos nas taxas de câmbio. Esta teoria relaciona as taxas de câmbio spot e forward e as taxas de juros de dois países.

O objetivo dessa teoria é mostrar que: a diferença entre a taxa de câmbio atual e a prevista das moedas de dois países é função das taxas de juros pagas por esses países .

Teoria da paridade do poder de compra

Esta teoria baseia-se no facto de que o mesmo bem económico deve ter o mesmo valor em diferentes países. Relaciona as taxas de câmbio à inflação. Quando a inflação aumenta, a taxa de câmbio também o faz, a moeda se desvaloriza e vice-versa. Em outras palavras, a taxa de câmbio entre duas moedas está em equilíbrio quando o preço dos bens e serviços é equivalente nos dois países de onde as moedas são.

Existem duas versões, a absoluta e a relativa. 

Por um lado, a versão absoluta tem a ideia básica de que um produto custa o mesmo, independentemente de qual moeda é usada para comprá-lo ou onde ele é vendido.

De acordo com esta versão, se um determinado produto no nosso país tem um preço de 140 euros e a taxa de câmbio (indiretamente)

EUR/USD foi de 1,2856 e EUR/JPY 135,51, o bem acima mencionado deverá custar 179,98 dólares e no Japão 18971,4 ienes.

É claro que é difícil que esta versão seja cumprida pelo mercado, uma vez que existem outros fatores que afetam o preço, tais como: impostos indiretos em diferentes países, barreiras tarifárias, custos de transporte, entre outros. Esses fatores ajudam a favorecer a diferença de preço de um bem, dependendo do país em que é vendido.

Por outro lado, a variação previsível das taxas de câmbio depende das taxas de inflação esperadas. Com essa teoria, o país com a inflação mais alta esperada verá sua moeda desvalorizar em relação àquela do país com inflação. Quanto menor a inflação, a taxa de câmbio da sua moeda deve aumentar. 

Teoria das expectativas de taxa de câmbio

Esta teoria relaciona as taxas de câmbio a prazo com taxas no mercado à vista. A taxa a prazo é um estimador não-viesado da taxa futura à vista, se ela aumenta, uma deve aumentar a outra e vice-versa.

Esta teoria sustenta que as taxas de câmbio à vista, esperadas para dentro dos períodos t, devem coincidir com a taxa a prazo nos períodos t. Em outros termos, de acordo com essa teoria, as taxas a prazo são preditores imparciais das taxas spot. O que nos diz é que a melhor previsão da taxa à vista que existirá dentro de três meses é a atual taxa a prazo de três meses.

A teoria de Fisher “economia fechada”

Relaciona a inflação com taxas de juros nominais. Aumentos na inflação são acompanhados por aumentos nas taxas de juros nominais e vice-versa. Essa teoria diz que as taxas de juros nominais de um país refletem, antecipadamente, os retornos reais necessários, ajustados pelas expectativas de inflação.

Além disso, em diferentes países, os retornos reais devem tender para a igualdade, de modo que as diferenças nas taxas nominais são devidas a diferentes expectativas de inflação.

Teoria de Fisher “economia aberta”

Esta teoria baseia-se no facto de que as taxas de juros nominais refletem os retornos reais ajustados pelas expectativas de inflação. Relaciona as taxas de câmbio em dinheiro com as taxas de juros. No longo prazo, se a taxa de juros aumentar, o mesmo acontece com a taxa de câmbio. No entanto, no curto prazo, o efeito é oposto.

Nesta teoria, mostra-se que o retorno total do investidor internacional, em diferentes países, deve ser igual no longo prazo. Em suma, a variação da taxa de câmbio, entre duas moedas, depende dos diferenciais de taxa de juros oferecidos por essas moedas nos seus respectivos mercados.

À taxa de juros mais alta oferecida, a moeda tende a enfraquecer-se no longo prazo, de modo que os investidores são indiferentes a investir em uma ou outra moeda.

0

Sobre o autor

Henrique Garcia
Analista de Mercados

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *