10 lições de Warren Buffett e Charlie Munger - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

10 lições de Warren Buffett e Charlie Munger

10 lições de Warren Buffett e Charlie Munger

Sabia que Warren Buffett e Charlie Munger nasceram a menos de 1 km de distância, mas que eles não se conheceriam até que fossem adultos, graças a um acaso?

No artigo de hoje, trazemos uma compilação das 10 reflexões de Charlie Munger e Warren Buffett na sua última entrevista na CNBC.

História de amizade de Warren Buffett e Charlie Munger

Amigos há mais de seis décadas, parceiros de negócios há mais de cinco anos e criadores das maiores empresas do mundo, Berkshire Hathaway.

Mas como essas duas lendas do mundo dos investimentos se encontraram?

Buffett ouviu falar de Munger pela primeira vez na década de 1950, quando ele visitava alguns médicos de Omaha.

Lá, ele ficaria surpreso com o facto de o casal estar disposto a dar-lhe quase 100 mil dólares (quando Buffett administrava menos de 500 mil), já que ele os lembrava de um menino chamado Charlie Munger. Buffett pensou: Bem, não sei quem é Charlie Munger, mas gosto dele.

O casal de médicos cuidaria de colocá-los juntos quando, em 1959, o pai de Charile falecesse e ele retornasse a Omaha. A sua mãe morava lá e os Davis os reuniram. Eles deram um jantar e em cinco minutos, Charlie estava a brincar no chão rindo das suas próprias piadas. Buffett pensou: Não vou encontrar outro amigo como esse. ”E eles se deram bem.

A 2.400 milhas de distância, a dupla construiu a Berkshire Hathaway de uma única fábrica têxtil a um gigante de US $ 650 biliões, gerindo empresas como a operadora ferroviária Burlington Northern Santa Fe e a seguradora Geico a Fruit of the Loom, Dairy Queen e Clayton Homes e gerenciando um portfólio de 300 biliões de dólares em ações de empresas como Apple, Bank of America e Coca Cola.

Buffett, 90, é um homem de muitas palavras, e Munger, 97, é um homem de menos, mas as dele são mais nítidas.

Vejamos quais foram as principais reflexões que deixaram talvez numa das últimas entrevistas em profundidade que estes grandes investidores ofereceram conjuntamente.

Reflexões de Warren Buffett e Charlie Munger

1- O que acha do caso Archegos Capital?

Há alguns meses, falamos sobre o caso de Bill Hwang e a queda do seu family office que operava alavancado em ações tecnológicas e chinesas, gerando biliões em perdas para grandes bancos de investimento, o que gerou um debate tenso no setor.Munger comenta o seguinte: 

Acho que foi extremamente estúpido. E, claro, o principal problema era a atração do dinheiro realmente fácil que o idiota estava pagando a ele, sendo a “corretora principal” de um idiota.

Mas ele era um insider trader condenado que saiu da parte mais maluca da indústria de hedge funds. E eles estavam obtendo rentabilidades incomuns ao conceder créditos incomuns.

Todo mundo estava gritando com eles, “Crook. Bobo.” E eles não ouviram. Eles pensaram: “É aqui que está o dinheiro fácil, ladrões e tolos”.

O que aprendemos há muito tempo é que não se pode fazer bons negócios com uma pessoa má. Esqueça isso. Agora, se acha que pode fazer um contrato que funcione contra uma pessoa má, vencerá. Eles provavelmente gostam de litígios, mas a Berkshire Hathaway como uma entidade, ou eu pessoalmente, não queremos passar as nossas vidas fazendo esse tipo de coisa. Além disso, os bandidos ganham. Eles sabem mais jogos. Eles podem perder no final, mas não é maneira de passar a vida.

Ele também é muito crítico em relação ao Credit Suisse

Sim. Sim. Eles eram todos burros. Mas o Credit Suisse conseguiu ser o maior tolo de todos.

2- Os reguladores devem limitar a alavancagem?

Quase 13 anos após a grande crise financeira, o debate volta a ser se a regulamentação financeira é suficiente para controlar o risco sistemático criado por entidades com altos níveis de alavancagem de clientes e milhões de retalhistas que operam em produtos especulativos. Buffett reflete:

Bem, há uma velha história sobre todos esses bancos que pensam que têm se saído tão bem. Eles são dois caras lutando com facas. Um acerta um grande golpe e o outro diz: “ não me acertou”. E responde: “espera para tentar se mover.”

Eles têm que mudar as leis agora. Mas, é claro, se gere uma casa de jogos, quer que os grandes jogadores apostem com mais força. E é isso que o negócio de Trading permite que as pessoas façam. Foi um grande erro.

Isso criou muita pobresa.

As pessoas que estão a ganhar dinheiro com essa extensão irracional de crédito argumentam a favor, e ninguém fala contra.

Da última vez, ocorreu a pior depressão de toda a história no mundo anglófono. Isso é o que foi necessário para obter a última correção. Certamente não quero isso.

3- O que acha da disputa Jack Ma e o Partido Comunista Chinês?

Munger surpreendeu há alguns meses ao revelar um grande investimento e exposição ao Alibaba, o gigante do comércio eletrónico chinês. Nos últimos meses, essa empresa ganhou as manchetes pelo cancelamento da sua divisão financeira do Ant Group por reguladores chineses e pela disputa entre Jack Ma e o Partido Comunista.Munger surpreende a todos ao defender o governo chinês e acusar Jack Ma de fomentar o sistema bancário paralelo e a negligência ao deixar a empresa.

Jack Ma é um daqueles que fazem swing. Então, o regulador apenas disse: “vai Para o diabo.”

Basicamente, Jack Ma fez um discurso quando disse a um estado de partido único:
“Vocês são um bando de idiotas. Vocês não sabem o que estão fazendo. E eu sei o que estou fazendo, e vou para fazer melhor. ” Ele iria para o banco sem regras e faria o que quisesse.
Os comunistas fizeram a coisa certa. Eles ligaram para Jack Ma e disseram: “não vai”.

Eu sei, mas não quer que alguém dê um soco. Os bancos têm a garantia implícita do governo, e não quer permitir que alguém assim gerisse um banco. Deixe-os se dedicar a outra coisa.

Ambos os grupos querem mais poder, os ricos querem mais poder.

Eu concordo com Jaime Dimon, tem que ter cuidado com as empresas de fintech que agem como bancos sem serem elas.

4-O que acha do modelo Robinhood?

O fenómeno da Robinhood e os seus milhões de clientes operando “sem comissões” e aquecendo várias ações para avaliações especulativas tem sido algo contra o qual vários pesos pesados ​​da indústria se manifestaram.Munger com sua linguagem muito direta afirma o seguinte:

Munger:

Robinhood é desprezível, é uma sala de jogos que se faz passar por uma empresa respeitável.
E eles dizem às pessoas que não estão a cobrar comissões quando as comissões são simplesmente disfarçadas em negociações. É basicamente uma operação sórdida e de má reputação. E o interessante é que algumas pessoas boas que gostaria de ter na sua família a apoiaram.

 Buffett:

 Em vez de encorajar as pessoas a comprar um fundo de índice de custo muito, muito, muito baixo e mantê-lo por 50 anos. Garanto que não entrará lá e receberá esse conselho. Em vez disso, eles irão aconselhá-lo sobre como pode negociar opções.

5- O que aprenderam com os erros?

Apesar de serem os melhores investidores da história, a sua trajetória acumula dezenas de erros e eles comentam isso.

Uma coisa que aprendemos é que se algo está claro que algo está errado, deve ser consertado rapidamente. As coisas não melhoram enquanto espera.

6- Quais valores aprendeu na sua carreira?

Num setor abalado por escândalos, é bom ouvir duas das pessoas mais valiosas. Pode ganhar dinheiro, mas não há todo custo ou à custa de todos.
Buffett

Há muito, muito tempo, as pessoas nem sabiam disso, mas tínhamos duas pequenas seguradoras em Berkshire que estavam a fechar, exceto que não as deixamos fechar. Quer dizer, poderíamos ter desistido e deixado o dinheiro porque eram empresas separadas. E não partimos. E não passamos nossas vidas trabalhando para tentar encontrar maneiras de sair das dívidas e não encontrar maneiras de tirar proveito dos credores. Simplesmente não é nosso jogo. Se devemos dinheiro, nós o pagaremos.

É assim que nossos pais pensavam. Quem diabos sabe exatamente de onde tira os seus valores, mas basicamente tem algumas pessoas que são professores para si na vida e eles não são professores formais.
E as pessoas mais importantes são definitivamente seus pais. Nunca, nunca ouvi meu pai me dizer “Certifique-se de pagar todas as suas dívidas.”

Existem pessoas na vida que não quer decepcionar. Quer ter pessoas que o tornem uma pessoa melhor do que seria. E Charlie faz isso por mim agora, mas meu pai fez por mim desde o início.

7- Como escolher um parceiro de negócios?

Uma das vantagens que pouco se fala no sucesso de qualquer negócio é a de selecionar bons companheiros de viagem para superar as dificuldades que a estrada lhe impõe, além de ter um bom complemento no processo de tomada de decisão.Buffett reflete sobre o seu relacionamento com Munger.

É melhor me associar com pessoas que são melhores do que nós . Quando conheci Charlie, depois de alguns minutos no restaurante, eu sabia que esse cara estaria na minha vida para sempre. Quer dizer, íamos nos divertir juntos. Íamos ganhar dinheiro juntos. Íamos obter ideias um do outro. Íamos nos comportar melhor do que se não nos conhecêssemos.
Temos sido capazes de nos associar com as pessoas de quem realmente gostamos na vida. Bem, esse é um dos luxos da vida.

8- O que acha da Zoom?

Uma das questões em que apresentam diferentes pontos de vista é sobre o impacto das ferramentas tecnológicas no mundo que chegam até nós e sua utilidade para o setor financeiro.
Munger

Eu uso o Zoom pelo menos três vezes ao dia. Fiz um acordo na Austrália. Acho que o Zoom veio para ficar. Adicione muita conveniência.
Bem, eu acho que muitas viagens de negócios nunca vão voltar. Acho que as empresas farão uma ou duas reuniões presenciais por ano, e o restante, Zoom. E acho que veio para ficar.

Buffett

O zoom é particularmente útil se tem 97 anos e não deseja rolar. Mas Charlie e eu conversamos muito desde o início da pandemia e ainda não conversamos no Zoom.

Não vejo nenhuma vantagem nisso, fiz uma ou duas vezes, e eles tinham uma tela inteira de pessoas que não me pareciam estar adicionando nada à experiência. Prefiro ter meus pés sobre a mesa.

9- O que o surpreendeu na pandemia?

O problema de saúde mudou o mundo para sempre. Todos nós aprendemos lições e quando perguntado como isso os afetou, Buffett reflete sobre Buffett

Aprendi que as pessoas não sabem tanto quanto pensam que sabem. Mas o que mais se aprendeu é que a pandemia pode estar chegando, e que isso não é o pior que se pode imaginar. A sociedade deve se preparar para coisas que são remotas, mas são possíveis e acontecerão mais cedo ou mais tarde. Haverá outra pandemia, nós sabemos, sabemos que existe uma ameaça nuclear, química, biológica e agora cibernética.
E é verdade que fazemos algumas coisas a respeito, mas não é algo que a sociedade pareça ser capaz de enfrentar plenamente. A ameaça cibernética acabou de começar e veja o dano que já foi feito. Charlie e eu temos muita sorte em muitos aspectos. Mas o mais sortudo era estar nesta época e lugar.

Como podemos fazer para que a humanidade, daqui a 50, 100 e 200 anos, possa desfrutar de uma vida incrivelmente melhor sem arruiná-la?

10- Como descreveria a Berkshire Hathaway e a sua experiência em gestão?

60 anos depois, é hora do resumo e quem melhor do que os seus criadores para definir o que a Berkshire tem sido para eles e quais são as chaves para o seu sucesso.

Munger

Nós acidentalmente criamos um experimento muito interessante sobre como um lugar realmente grande pode ser administrado, sem burocracia, com extrema descentralização. Somos como um caso de teste para o extremo que pode ser feito. E eu diria que até agora tem funcionado melhor. Obtemos mais vantagens do que desvantagens de nossa gestão sem intervenção.

É uma experiência útil que fizemos, e prevejo com segurança que algum dia alguém descobrirá que parte dessa burocracia boba pode ser eliminada, estaremos melhor. Talvez tenhamos criado a descentralização porque se adequava à nossa natureza.

Buffett

Numa empresa centralizada, eu teria renunciado. Ou eles teriam me despedido. Não, eu preferia, eu preferia estar em uma cela com algumas pessoas interessantes. sabe, e muito material de leitura.

Sobre o autor

Henrique Garcia

Analista de Mercados

Responder a este tópico

Bem-vindo(a) à comunidade!

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Ao continuar, aceita a política de privacidade