Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

5 etapas para criar um plano de investimento com fundos

Subscrever Newsletter

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Ao investir em fundos de investimento (como em outros produtos financeiros, como ETFs ou ações) é importante para projetar um plano de investimento . A seguir, nos ajudará a alcançar os objetivos estabelecidos. Em seguida, discutiremos cinco etapas para construir nosso plano de investimento com fundos de investimento . “Tudo é relativo” no mundo dos investimentos, de modo que cada investidor vai escolher a sua própria estratégia, mas planear um caminho pode ser fundamental para o sucesso do nosso investimento.

  1. Nós tomamos a decisão de investir. Seja claro sobre o que vamos fazer e porquê
  2. Estabelecemos nossos objetivos de perfil e de rentabilidade. Horizonte temporal
  3. Nós decidimos em quais fundos de investimento investir. Construção do portefólio inicial
  4. Estratégia a seguir
  5. Follow up e / ou modificações na carteira

Por fim, apresentaremos um exemplo de um plano de investimento. Pode ver um exemplo de um plano de investimento para millennials ” Carteira de fundos de investimento para millennials, pode investir a partir de 10 euros “.

O que é um Fundo de Investimento?

Um fundo de investimento pode ser definido como um instrumento financeiro que é responsável por atrair contribuições de dinheiro de investidores que têm o mesmo objectivo de investimento. É definido como um Esquema de Investimento Colectivo (SCI) composto pelas várias contribuições dos investidores.

Todas as contribuições, o dinheiro é investido em diferentes instrumentos financeiros, tais como derivados ou títulos de rendimento fixo, ou ações de grandes empresas. Uma das formas de acesso aos mercados financeiros.

Ao investir estrategicamente através destes fundos, podem diversificar os seus investimentos. O dinheiro do investimento é investido e a estratégia é levada a cabo por profissionais que são responsáveis pela gestão dos fundos, analisando as oportunidades do mercado e procurando as melhores opções e escolhendo o momento mais rentável para investir.

O que é um plano de investimento?

É definido como o planejamento do investimento que se pretende fazer, a partir de que, quanto se vai investir, o risco, quanto lucro se pode ter. Permite determinar os objectivos, a rentabilidade que os investimentos irão gerar, considerando, entre outros aspectos, os custos associados à fase de arranque de um negócio ou de um investimento. Embora com base no projecto de investimento, alguns, por diferentes razões, implementam novos planos de investimento quando consideram decisões financeiras.

Modificações ao plano de investimento inicial:

  • Plano de investimento de substituição: isto ocorre quando há necessidade de modificar um dos ativos da empresa com um ativo de substituição.
  • Plano de investimento de racionalização: é aplicado um ajustamento às receitas e despesas com base no investimento, tornando possível a poupança de custos.
  • Plano de investimento de expansão: para manter o crescimento do investimento, poderá ser necessário investir mais dinheiro.

Como estabelecer um plano de investimento?

O plano de investimento é o principal método para iniciar a forma de gerar benefícios económicos. Permite tomá-lo como uma referência para capitalizar o projecto de investimento no âmbito da estratégia de procura de lucros.

Para elaborar o plano de investimento, devem ser seguidos os seguintes passos:

  • Avaliar a própria situação pessoal
  • Analisar a situação financeira
  • Considerar o perfil de risco
  • Estabelecer os objectivos
  • Definir uma data alvo para o cumprimento dos objectivos
  • Que nível de liquidez se pretende atingir
  • Decidir como diversificar
  • O plano tem de estar de acordo com o seu perfil de risco.
  • Consultar um conselheiro financeiro, se necessário.
  • Instrumentos de investimento

Para além de saber como fazer o plano de investimento, deve considerar que instrumentos ou tipos de investimento existem. Como por exemplo o seguinte:

  • Existências
  • Fundos de investimento
  • Obrigações
  • Certificados financeiros.

Qual é a importância de um plano de investimento?

Planejar financeiramente um plano de investimento abrangente, organizado e personalizado, a fim de garantir os objectivos financeiros, bem como os prazos, custos e recursos para implementar o plano de investimento.

A importância de um plano de investimento reside no facto de, ao planejar, permitir definir um guia com o qual não se desviar do caminho e atribuir o dinheiro e aplicar uma gestão financeira correta, baseada num planejamento financeiro que procura tornar o dinheiro investido rentável.

O plano de investimento é o que permite passar de A para B sem desvios no meio para cumprir sem perder dinheiro e para atingir os objectivos propostos, que é obter rentabilidade.

5 etapas para criar um plano de investimento com fundos de investimento

1. Tomamos a decisão de investir. Seja claro sobre o que vamos fazer e por que

A primeira coisa que devemos fazer em nosso plano de investimento é fazer a pergunta “porquê” queremos investir. Quais são os nossos objetivos e quanto precisamos enfrentá-los? Além disso, é essencial ter clareza sobre o conceito de fundos de investimento para que possamos entender a sua evolução (tanto para o bem quanto para o mal).

  • O que é um fundo de investimento?
  • Como funciona um fundo de investimento? Conheça os agentes que têm um relacionamento direto com o fundo: participantes, depositário, gestor e comerciante.
  • Qual é o Valor do Ativo Líquido e como é calculado? Ou seja, o preço de cada ação do fundo de investimento.
  • Quais são os riscos dos fundos de investimento? Fundamental para conhecer os riscos para entender o investimento. Os fundos mútuos são produtos para o longo prazo, o seu valor patrimonial líquido flutua diariamente. Que um dia perdemos 5% não significa que estamos perdendo dinheiro, já que não alienamos o dinheiro do fundo. Aqui é conveniente diferenciar entre risco e volatilidade.
  • Qual o custo de um fundo de investimento? Conhecer as comissões que vamos pagar pode ser decisivo na escolha de um fundo.

Caso acreditemos que não temos conhecimento suficiente para nos investir, talvez seja aconselhável consultar um gestor para nos ajudar nessa tarefa. Nós temos aqueles que pertencem ao banco com o qual temos a conta ou aqueles que não fazem parte de qualquer entidade bancária. Mesmo indo a um gestor independente, é importante ter nossos próprios critérios e entender o investimento que vamos fazer. Além disso, tenha cuidado com os gestores não independentes que só nos oferecem produtos de casa.

Os fundos de investimento são a longo prazo, por isso é essencial que não precisemos desse montante a curto prazo. Suponha que deseja salvar para comprar uma casa no futuro, um carro, pagar a faculdade para o nosso filho / filha (se disponível / a), reforma…

2. Estabelecemos nosso perfil e objetivos de rentabilidade. Horizonte temporal

Muitos investidores pensam que eles têm um certo perfil, quando na verdade é outro. Por exemplo: o investidor A acha que ele tem um perfil agressivo. No entanto, um dia o seu portefólio de fundos cai 5% e ele decide retirar tudo. Isso nos leva a pensar que talvez não seja um perfil agressivo, mas sim um perfil conservador. Um exemplo de teste para estudar o perfil que temos é o seguinte:

Quantos anos tem?

a) Menos de 30 anos

b) Entre 30 e 55 anos

c) Mais de 55 anos

Qual é o seu horizonte temporal?

a) Menos de 2 anos

b) De 2 a 5 anos

c) mais de 5 anos

O seu nível de conhecimento?

a) nível alto

b) Nível médio

c) nível baixo

Qual percentagem seria o investimento das suas economias?

a) Menos de 20%

b) Entre 20% e 60%

c) mais de 60%

O que aconteceria se minha carteira cair 1% num dia?

a) Eu retiraria o meu dinheiro.

b) Isso me assustaria, mas eu não faria nada.

c) Comprava mais.

O que aconteceria se minha carteira cair 5% num dia?

a) Eu retiraria meu dinheiro.

b) Isso me assustaria, mas eu não faria nada.

c) Comprava mais.

O que aconteceria se minha carteira cair em 10% num dia?

a) Eu retiraria meu dinheiro.

b) Isso me assustaria, mas eu não faria nada.

c) Comprava mais.

Este é um exemplo simples para determinar o perfil de risco que temos.

Estabelecido nosso perfil, determinaremos qual rentabilidade esperamos do nosso investimento:

  • Obtenha um retorno maior que a inflação.
  • Receba 5% a cada ano.
  • Receba 10% a cada ano.

Isso não significa que o objetivo será atingido, uma vez que a rentabilidade não é garantida no mundo dos fundos de investimento. No entanto, teremos que ter isso claro, se quisermos criar uma maneira de cumpri-lo.

3. Decidimos em quais fundos de investimento investir. Construção do portefólio inicial

Se olharmos para a lista de fundos de investimento na Morningstar, temos milhares e milhares de fundos para escolher. Temos que escolher alguns fundos dessa longa lista para construir nosso portefólio inicial com base em:

  • Perspectivas de mercado Ou seja, investiremos e / ou manteremos os recursos que acreditamos que irão melhorá-lo nos próximos meses / anos, com base na análise dos ativos, áreas e áreas que temos.
  • Análise do gestor do fundo. Veja a experiência anterior que teve como gerente, analista ou auditor, bem como a trajetória em termos de rentabilidade.
  • Comissões . Geralmente, escolhemos o fundo que tem comissões mais baixas. Embora este ponto dê origem a um debate histórico e relativo, porque há aqueles que preferem pagar uma comissão maior se tivermos perspectivas de que a rentabilidade será maior.
  • Índices e indicadores : como volatilidade, rentabilidade, índice de Sharpe, razão de informação, Alpha, Beta, Máximo Drawdown …
  • Moeda : geralmente em euros, embora existam investidores que preferem investir em outra moeda em algum momento para aproveitar uma possível tendência do mesmo.

É importante ter uma carteira diversificada e sem correlação para controlar o risco dela. Vamos ver a diferença entre os dois conceitos com um exemplo simples:

  • Investir em 20 bancos diferentes (ou fundos do setor financeiro) significa que temos uma carteira diversificada, mas não não correlacionada. O normal é que, se o setor financeiro passa por um momento mau, todos ou a maioria dos bancos tem um tempo muito mau.
  • Investir em bancos, farmacêutico, Europa, EUA, emergente, ouro, títulos teria uma carteira diversificada e não correlacionada. Tendo ativos não correlacionados vai ajudar cada volatilidade minimizar ou a variação, o nosso portefólio.

Como sei que tenho um portefólio não correlacionado? Quando pelo menos um dos ativos tem um comportamento diferente para o mercado.

Neste ponto, também estudaremos a opção de investir em fundos de gestão ativa ou fundos passivos, um debate que podemos seguir neste tópico ” Gestão Ativo vs. Gestão Passiva “. Um dos principais argumentos da gestão passiva são as comissões, muito mais baixas do que no caso dos fundos de gestão ativa. No longo prazo, grande parte dos fundos de gestão ativa não excede o seu benchmark e, em muitos casos, a diferença corresponde à comissão aplicada. Nosso trabalho será escolher os fundos que acreditamos que se comportarão melhor do que o índice e a categoria de longo prazo, que existem. Em caso de não confiar que nosso fundo se sairá melhor do que o índice, escolheremos um de gestão passiva.

4. Estratégia a seguir

Neste ponto, proporemos algumas estratégias para o nosso plano de investimento.

  • Buy and Hold. Todo o capital é investido no início e nenhuma mudança é feita até a hora de retirar o investimento. Nesse caso, uma tendência de alta de longo prazo é esperada.
  • Market Timing. Trata-se de investir nos ativos / áreas / setores no momento certo, ou seja, comprar pelo menor preço e vender pelo preço mais alto. Infelizmente, poucos investidores têm essa capacidade e muitos são os que compram caro e vendem barato.
  • Contribuições periódicas. Trata-se de investir uma quantia a cada X vezes (todos os meses, todos os trimestres, todos os anos …) em vez de tudo de uma só vez. Com essa estratégia, garantimos que não compramos no ponto mais alto ou vendemos no menor nível.
  • Dependendo do comportamento dos fundos (Performance-Weighting Strategy) . Vamos imaginar que temos o seguinte portfólio em T0:
Património Percentagem
Fundo A 25.000 25%
Fundo B 25.000 25%
Fundo C 25.000 25%
Fundo D 25.000 25%
100.000 100%

E é depois de 1 ano:

Rentabilidade 1 ano Património Percentagem
Fundo A 13,60% 28.400 26,28%
Fundo B 6,80% 26.700 24,71%
Fundo C 8,50% 27,105 25,10%
Fundo D 3,40% 25.850 23,92%

Dados da investopedia

Muitos investidores venderiam do Fundo D depois do primeiro ano porque era o menos rentável. No entanto, com essa estratégia, vendemos ações do fundo que foi melhor comprar do que piorou, de modo que os percentuais sejam equilibrados. Siga a teoria do último será o primeiro …

5. Follow up e / ou modificações na carteira

Um acompanhamento mínimo e / ou reequilíbrio é necessário para que nosso plano de investimento nos ajude a alcançar nossos objetivos. Dependendo das perspectivas de mercado que temos, deixaremos alguns fundos e entraremos em outros, ou seja, modificaremos nosso portefólio inicial. Esse follow up pode ser feito mensalmente, trimestralmente, semestralmente ou anualmente, dependendo de nossas possibilidades económicas e espaço temporal. A estratégia comprar e manter, no entanto, não leva esse ponto em consideração.

É aconselhável, especialmente em tempos de volatilidade, fazer um plano baseado em investimento sistemático para que possamos garantir que não compramos pelo preço mais alto, em vez de executar uma estratégia de buy and hold.

Exemplo de plano de investimento

Vamos detalhar um exemplo de um plano de investimento para ver melhor o que foi explicado acima. Imagine um investidor de 30 anos com um salário mensal de 2.000 líquidos e um horizonte temporal de 10 anos. Ele quer investir inicialmente 5.000 euros e fazer contribuições trimestrais de 600 euros (2.400 anuais), assumindo um perfil de risco tolerante ao risco.

Um portefólio inicial poderia ser o seguinte:

  • Fundo Monetário – 20%
  • True Value – 20%
  • Robeco Global Conservative Equities – 20%
  • Dividendo Global M & G – 20%
  • MFS Valor Europeu / Schroder EUA Small & Mid Cap Equity – 20%

Um pequeno portefólio com fundos consistentes de longo prazo que seriam expandidos à medida que contribuir com mais dinheiro trimestralmente. Seria aconselhável contribuir nas quedas para aproveitar melhor os aumentos que podem ser. Também pode adicionar um fundo temático com base nas suas perspectivas sobre ele.

Vantagens do plano de investimento

Entre os benefícios e vantagens de ter um plano de investimento, está a antecipação, poder antes de implementar o plano de investimento é determinar o custo e a viabilidade do investimento que irá implementar a estratégia a ser implementada é o melhor no futuro.

Ao gastar tempo e investir dinheiro num plano de investimento a longo prazo – dependendo daquilo em que investir – terá menos riscos, tendo previamente estudado o ambiente e os potenciais riscos e retornos.

Além disso, seguir uma estratégia pré-desenvolvida ajudará a reduzir as possibilidades de más decisões, erros e perdas. Isto inclui um melhor cálculo dos custos diretos e indiretos das transações efectuadas. A não realização antecipada de um plano de investimento pode resultar em taxas e impostos mais elevados.

  • Reduzir erros
  • Correr menos riscos
  • Medir e mudar

Riscos de investimentos

O risco financeiro de um investimento é o potencial para resultados inesperados, perdas e instabilidade dos próprios mercados financeiros. Embora cada ativo em que se invista envolva um determinado montante de risco, o montante do lucro a ser realizado depende do nível de risco. Portanto, ter conhecimento, fazer um plano e mesmo ter aconselhamento profissional prévio é o que o impedirá de enfrentar certos riscos de investimento.

O investimento é sobre os lucros a serem obtidos no futuro, recebendo o montante inicial investido mais os juros gerados pelo investimento. Os investimentos a prazo têm de ser definidos de acordo com os seus objectivos, rendimentos, retorno esperado do investimento e os riscos que podem suportar. Uma coisa a considerar é que existem ativos financeiros com riscos mais elevados e volatilidade anterior, que é um risco intrínseco ao próprio ativo e não ao plano de investimento.

Tipos de risco de investimento:

  • Risco sistémico: Quando o mercado sofre certas consequências diretamente e em geral afetando praticamente todos os setores por igual, como por exemplo quando ocorre uma crise económica.
  • Risco não sistémico: Este tipo de risco ocorre embora apenas afete certas empresas, uma vez que está associado a fatores internos de cada empresa.
  • Risco de liquidez: Ocorre quando uma compra ou venda de ativos não pode ser realizada ou não foi realizada dentro do tempo ou custo previamente estabelecido.
  • Risco de crédito: Quando não há capacidade económica para devolver o montante investido, não sendo capaz de cumprir o pagamento acordado.

Um pequeno portefólio com fundos consistentes de longo prazo que seriam expandidos à medida que contribuir com mais dinheiro trimestralmente. Seria aconselhável contribuir nas quedas para aproveitar melhor os aumentos que podem ser. Também pode adicionar um fundo temático com base nas suas perspectivas sobre ele.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments