Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

A volatilidade está de volta!

Subscrever Newsletter

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Mark Denham e Keith Ney, gestores de carteiras da Carmignac Portfolio Patrimoine Europe, falam da sua estratégia e da gestão táctica do risco que utilizaram para manter o fundo para todas as condições meteorológicas no bom caminho até agora.

Quando o Carmignac Portfolio Patrimoine Europe foi lançado em 2017, Donald Trump era presidente dos EUA e uma pandemia de dois anos parecia dificilmente concebível. Hoje, o mundo é um lugar diferente – sobretudo desde a invasão da Ucrânia pela Rússia. Quais são para si, atualmente, os maiores desafios enfrentados pelos gestores de carteiras de fundos all weather como o Patrimoine Europe?

Mark Denham: A volatilidade está de volta! Desde que lançámos o fundo em 2017, não tem sido um percurso fácil. Vivenciamos dois mercados em baixa e duas recuperações espetaculares e, atualmente, enfrentamos a maior crise geopolítica da Europa em décadas. Mas antes disso, o início do ano de 2022 assistiu a uma mudança na correlação ações/obrigações. Com a desaceleração do crescimento mundial, ameaças de inflação persistente e a posição mais restritiva adotada pelos bancos centrais dos países desenvolvidos, os mercados de ações e obrigações de dívida pública/de empresas entraram simultaneamente numa dinâmica de baixa. Nestas circunstâncias, as obrigações deixaram de ser uma cobertura tão eficaz para as ações como o foram nos últimos 20 anos para os investidores, e este novo paradigma pode ser o maior desafio para a carteira de multiativos.

A gestão de risco desempenha um papel central na afetação tática de ativos de todos os fundos de gestão de ativos da Carmignac. Por exemplo, como é que se lida com períodos difíceis como a quebra acentuada na primavera de 2020, quando a pandemia do coronavírus, inicialmente, imprimiu quedas nas bolsas de valores em todo o mundo?

Mark Denham: A gestão de riscos está no centro da filosofia de investimento da Carmignac, em particular na nossa gama Património. O Carmignac Portfolio Patrimoine Europe partilha esta filosofia e a crise de 2020 ilustra isso mesmo na perfeição. O Fundo utilizou toda a flexibilidade no seu mandato para enfrentar este acontecimento sem precedentes. Através do equilíbrio do nosso processo de gestão de risco com a análise bottom-up de seleção de títulos e com a gestão top-down da exposição, conseguimos amortecer o drawdown, bem como acompanhar a recuperação. Fizemos isso sendo muito reativos a reduzir o risco da carteira em fevereiro de 2020. Tal incluiu reduzir a nossa exposição líquida a ações para 0%, aumentar o nível de ativos líquidos ou gerir ativamente a nossa duração modificada. A partir daí, conseguimos voltar rapidamente a expor-nos à recuperação, nomeadamente através do acréscimo de ações e emitentes que foram fortemente atingidos pela crise e, consequentemente, ofereciam perspetivas genuínas para o futuro. Esta gestão verdadeiramente flexível permitiu ao Fundo atenuar a queda do primeiro trimestre e, em seguida, tirar partido da recuperação.

Sr. Ney, é o responsável pela carteira de obrigações do Patrimoine Europe. Os tempos não têm sido fáceis para os fundos mistos desde o final de 2017, dada a conjuntura de taxas de juro nulas. Como é que conseguiu lidar com essa questão nos últimos anos?

Keith Ney: Ter taxas de juro nulas e um desempenho positivo das obrigações não é incompatível. É correto afirmar que para os investidores passivos em obrigações europeias, os tempos têm sido difíceis, com yields negativas e a sensibilidade às taxas de juro a tornar-se cada vez mais importante (e perigosa). No entanto, na Carmignac e no fundo, a nossa abordagem obrigacionista não segue um indicador de referência e é ativa. Contamos com ferramentas como um intervalo alargado de duração modificada, que nos permite ser reativos e gerir ativamente a exposição da nossa carteira às taxas de juro. Como resultado, desde o lançamento do fundo em dezembro de 2017, a componente obrigacionista do Carmignac Portfolio Patrimoine Europe superou o desempenho não só dos índices de obrigações europeias mas, também, de vários índices de ações europeias, demonstrando que, com a abordagem correta, os estereótipos europeus podem ser quebrados.

Como é que olha para o segmento obrigacionista tendo em conta a questão da intensificação da inflação e como se encontra atualmente posicionado?

Keith Ney: A perceção de que a inflação veio para ficar mais tempo do que o inicialmente previsto, levou os mercados obrigacionistas a incorporar aumentos das taxas de juro e reduziu os programas de aquisição de ativos nos próximos anos. Assim, no decurso de um ano, passamos de uma conjuntura caracterizada por taxas baixas eternas e programas intermináveis de compra de ativos para expectativas de um rigor monetário particularmente rápido e relativamente forte. Nesta conjuntura extremamente turbulenta, é necessário manter uma abordagem cautelosa mas flexível para nos ajustarmos a quaisquer alterações na política monetária e fiscal, utilizando todo o nosso intervalo de duração modificada.

Sr. Denham, o Sr. é responsável pela carteira de ações do Patrimoine Europe. Que exposições se revelaram particularmente gratificantes desde então e onde é que vê atualmente oportunidades específicas?

Mark Denham: No que diz respeito aos mercados de ações, investimos de acordo com uma abordagem bottom-up. A nossa filosofia é identificar empresas de elevada qualidade e com um crescimento acima da média que sejam capazes de reinvestir os seus lucros, de forma a crescerem organicamente. Por conseguinte, o Fundo esteve, no passado, exposto a setores virados para o futuro, como o dos cuidados de saúde, da tecnologia e das energias renováveis. A nossa abordagem no tocante à Europa é, por conseguinte, muito seletiva e assenta num processo sólido. Na conjuntura atual, continuamos empenhados com as nossas principais participações, que são vencedoras nos respetivos domínios, mas também fazemos alguns ajustamentos aumentando a nossa exposição defensiva, por exemplo. Através das estratégias de gestão de risco, poderíamos construir exposição a estes setores promissores sem aumentar o nível de risco a curto prazo do fundo.

Sr. Ney, qual o paralelismo com as obrigações: com que exposições o fundo conseguiu obter um desempenho particularmente bom?

Keith Ney: Ao contrário do Mark, sou mais um investidor de valor. Com a ajuda da nossa equipa de crédito, estamos a analisar as melhores oportunidades que conseguimos encontrar no Velho Continente mas com uma orientação para o valor. Apesar disso, sou muito ativo na gestão da nossa exposição líquida total à dívida empresarial. Por exemplo, em 2021, tínhamos reduzido drasticamente a nossa afetação a esta classe de ativos porque achávamos que não era suficientemente atrativa de um ponto de vista do risco/retorno face aos mercados de ações. Além disso, a seletividade da dívida pública não central e a gestão ativa da nossa duração modificada também foram fortes impulsionadores do desempenho para o fundo.

Desde o seu lançamento, o fundo tem registado um bom desempenho em muitos aspetos e conseguiu um desempenho muito acima da média, aliado a oscilações descendentes comparativamente baixas. Qual foi o contributo da gestão de risco tática para tal?

Keith Ney: As nossas estratégias de gestão de risco têm contribuído positivamente para o desempenho do fundo desde o seu lançamento. O leque alargado de ferramentas disponíveis tem sido, no entanto, mais útil na atenuação dos riscos negativos do que na geração de um desempenho bruto positivo. O fundo é mais do que a mera soma de uma afetação de uma ação e de uma obrigação. Com o Mark, determinamos as afetações de ativos ideais da carteira global. Enquanto selecionadores de ações, ambos procedemos a uma análise aprofundada dos nossos investimentos sem perder de vista possíveis riscos de sobreposição. A longo prazo, é a nossa seleção bottom-up de ações e de obrigações que tem contribuído de forma mais significativa para o desempenho positivo do fundo, e estamos bem com isso!

O fundo caracteriza-se, também, por emissões de CO2 consideravelmente mais baixas da carteira em comparação com o índice de referência. O que contribuiu para isso em particular?

Mark Denham: O nosso processo rigoroso de critérios ESG. O fundo estabelece características ambientais e sociais de muitas formas. Em primeiro lugar, estamos a fazer uma triagem negativa através de limiares de exclusão precisos das empresas do setor energético e de sectores socialmente nocivos, como o tabaco e as armas em todas as classes de ativos. Os títulos com uma gestão deficiente dos riscos ESG estão excluídos do universo de investimento. Posteriormente, no lado das ações, estamos a proceder a uma triagem positiva para identificar empresas que contribuem positivamente para o ambiente e para a sociedade. Esta triagem, positiva e negativa, contribui para se obter uma carteira de baixo carbono. Adicionalmente, as emissões de carbono são monitorizadas e publicadas mensalmente para manter a abordagem de baixo carbono de menos 30% de emissões de carbono no Fundo em comparação com o seu indicador de referência.

O fundo é classificado como um fundo do Artigo 8.º. Quais são os desafios específicos para os fundos mistos em relação aos aspetos ESG e como os ultrapassa?

Keith Ney: Embora os gestores de fundos de ações tenham cada vez mais em conta os fatores ESG, esta tem sido uma questão complicada para os fundos multiativos. Apoiados pelos anos de experiência de Mark Denham com critérios ESG incorporados no seu processo de investimento, concebemos o Fundo para ser um fundo de investimento multiativos socialmente responsável. Adotámos, assim, uma abordagem de investimento socialmente responsável em relação a todas as classes de ativos em que investimos – ações, obrigações de empresas e obrigações soberanas. Para conseguirmos isso, criámos a nossa própria visão através de uma análise quantitativa própria, enriquecida com insights humanos e investigação independente. Para esse efeito, desenvolvemos ferramentas internas que nos ajudam a monitorizar e a avaliar o desempenho extra-financeiro de todos os nossos investimentos dentro da carteira.

Como é que a Europa que faz parte do Carmignac Patrimoine difere da carteira do Carmignac Patrimoine Europe?

Keith Ney: São completamente diferentes. Partilhar a mesma filosofia não significa investir da mesma forma. O Carmignac Patrimoine Europe não foi criado para ser um carve-out do Carmignac Patrimoine, longe disso. Para começar, os dois fundos não partilham o mesmo universo de investimento, o que influencia significativamente a gestão de ambos os fundos, tanto na seleção bottom-up, bem como na gestão de riscos. A diferença entre os dois fundos pode ser explicada por razões de construção da carteira, mas também porque as equipas de investimento não são as mesmas. Por exemplo, Mark Denham e David Older não têm os mesmos estilos de investimento e isso reflete-se na sua seleção de ações. Consequentemente, a sobreposição entre os dois fundos é baixa, bem como a sua correlação, o que torna ambos os fundos complementares numa carteira de investidor.

 

 

Principais riscos do fundo – AÇÕES: O Fundo pode ser afetado por variações nos preços das ações, numa escala que depende de fatores externos, volumes de negociação de ações ou capitalização bolsista. TAXA DE JURO: O risco de taxa de juro resulta na diminuição do valor patrimonial líquido no caso de variações nas taxas de juro. CRÉDITO: O risco de crédito consiste no risco de incumprimento do emitente. CAMBIAL: O risco cambial está associado à exposição a uma moeda que não seja a moeda de avaliação do Fundo, através de investimento direto ou do recurso a instrumentos financeiros a prazo. Este fundo não possui capital garantido.

Material de promoção. Este documento destina-se a clientes profissionais. Fonte: Das Investment, Carmignac. Abril 2022. O presente material não pode ser total ou parcialmente reproduzido sem autorização prévia da Sociedade Gestora. O presente material não constitui qualquer oferta de subscrição nem consultoria de investimento. O presente material não se destina a fornecer consultoria contabilística, jurídica ou fiscal e não deve ser utilizado para estes efeitos. O presente material foi-lhe fornecido apenas para fins informativos e não o pode utilizar para avaliar as vantagens de investir em quaisquer títulos ou participações aqui referidas ou para quaisquer outros fins. As informações contidas neste material poderão ser apenas parciais e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. Estas informações são apresentadas à data em que foram escritas, derivam de fontes próprias e não próprias consideradas fiáveis pela Carmignac, não incluem necessariamente todos os pormenores e a sua precisão não é garantida. Como tal, não é dada qualquer garantia de precisão ou fiabilidade e a Carmignac, os seus diretores, colaboradores ou agentes não assumem qualquer responsabilidade decorrente de erros e omissões (incluindo a responsabilidade perante qualquer pessoa por motivo de negligência). O desempenho passado não é necessariamente um indicador do desempenho futuro. Os desempenhos são líquidos de comissões (excluindo eventuais comissões de subscrição cobradas pelo distribuidor). No caso de ações sem cobertura cambial, o retorno poderá aumentar ou diminuir em resultado de flutuações cambiais. A referência a determinados títulos e instrumentos financeiros serve para fins ilustrativos para destacar ações incluídas, ou que já o tenham sido, em carteiras de fundos da gama Carmignac. Não se destina a promover o investimento direto nesses instrumentos, nem constitui consultoria de investimento. A Sociedade Gestora não está sujeita à proibição de negociação destes instrumentos antes de emitir qualquer comunicação. As carteiras dos fundos Carmignac estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. A referência a uma classificação ou prémio não garante os futuros resultados do OIC ou do gestor. Escala de Risco do KIID (Documento com as Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores). O risco 1 não significa um investimento isento de risco. Este indicador pode variar ao longo do tempo. The recommended investment horizon is a minimum and not a recommendation to sell at the end of that period. Morningstar Rating™: © 2021 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste documento: são propriedade da Morningstar e/ou dos seus fornecedores de conteúdos; não podem ser copiadas ou distribuídas; e não são garantidamente corretas, completas ou atempadas. Nem a Morningstar nem os seus fornecedores de conteúdos são responsáveis por quaisquer danos ou perdas decorrentes da utilização destas informações. O acesso aos Fundos pode estar sujeito a restrições no que diz respeito a determinadas pessoas ou países. O presente material não é dirigido a nenhuma pessoa em qualquer jurisdição onde (em virtude da sua nacionalidade, residência ou outro motivo) o material ou a disponibilização deste material seja proibida. As pessoas sujeitas a tais proibições não deverão aceder a este material. A tributação depende da situação do indivíduo. Os Fundos não estão registados para distribuição a pequenos investidores na Ásia, no Japão, na América do Norte, nem estão registados na América do Sul. Os Fundos Carmignac estão registados em Singapura como um organismo estrangeiro restrito (apenas para clientes profissionais). Os Fundos não foram registados nos termos da US Securities Act de 1933. Os Fundos não podem ser oferecidos ou vendidos, direta ou indiretamente, por conta ou em nome de uma “Pessoa dos EUA”, conforme definição dada no Regulamento S dos EUA e na FATCA. Os Fundos são registados junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Os respetivos prospetos, KIID e relatórios anuais do Fundo poderão ser encontrados em www.carmignac.com, www.fundinfo.com e www.morningstar.pt ou solicitados à Carmignac Gestion Luxembourg, Citylink, 7 rue de la Chapelle L-1325 Luxemburgo. Os riscos, comissões e despesas correntes encontram-se descritos no KIID (Material com as Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores). O KIID deve ser disponibilizado ao subscritor antes da subscrição. O subscritor deverá ler o KIID. Os investidores podem perder uma parte ou a totalidade do seu capital, pois o capital nos fundos não é garantido. Os Fundos apresentam um risco de perda do capital. A Carmignac Portfolio refere-se aos subfundos da Carmignac Portfolio SICAV, uma sociedade de investimento de direito luxemburguês, em conformidade com a Diretiva OICVM. Copyright: Os dados publicados nesta apresentação pertencem exclusivamente aos seus proprietários, tal como mencionado em cada página. CARMIGNAC GESTION 24, place Vendôme – F-75001 Paris Tel: (+33) 01 42 86 53 35 – Sociedade gestora de patrimónios aprovada pela AMF – Sociedade Anónima de capital aberto com um capital social de 15.000.000 € – RCS de Paris B 349 501 676. CARMIGNAC GESTION Luxembourg City Link – 7, rue de la Chapelle – L-1325 Luxemburgo Tel: (+352) 46 70 60 1 – Filial da Carmignac Gestion. Sociedade gestora de fundos de investimento aprovada pela CSSF Sociedade Anónima de capital aberto com um capital social de 23.000.000 € – RC do Luxemburgo B 67 54

 

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments