O investimento das empresas, expectante ante o aumento dos preços das matérias-primas

O investimento das empresas, expectante ante o aumento dos preços das matérias-primas
Conteúdo produzido por PictetAM
A partir do sector automóvel, das empresas de construção ou de logística, o tecido empresarial é afetado pelo encarecimento de mais de 100% no custo de produtos essenciais para a construção ou fabricação de chips, por exemplo.

O despertar da economia mundial nas costas da vacinação a partir de níveis mínimos em grande parte do planeta traz um risco inesperado sob o braço: o encarecimento das matérias-primas em todo o mundo. O alumínio aumentou 52% num ano, o cobre em mais de 50% –102% em comparação com os seus níveis mínimos – enquanto o petróleo subiu acima de 70% –106% desde a sua receita de 2020. Uma situação que se nota tanto na inflação – nos seus níveis mais elevados em Espanha em quatro anos -, mas também nos custos das empresas, que enfrentam agora uma factura em alta no mercado de retomar a produção.

As empresas de construção são um dos primeiros sectores a vivenciar esse fenômeno. Por um lado, a Seopan (Associação das Construtoras e Concessionárias de Infraestruturas) alerta que este aumento dos preços pode implicar a falta de rentabilidade de determinadas obras, assim como compromete o “cumprimento dos prazos contratuais” . Por outro lado, a Associação Nacional dos Distribuidores de Cerâmica e Materiais de Construção (Andimac) alerta que pode pôr em risco investimentos constantes do plano europeu de recuperação. Uma casuística que levou levado a Federação Europeia da Construção (FIEC) a comunicar (ou transferir) este problema à Comissão Europeia para que esta defina mecanismos de ajustamento de preços.

Aumento de 485% na rota entre Xangai e Roterdão

Não é o único sector afetado. O country manager da empresa especializada em comércio internacional MingTa Group, disse à fintech Ebury que “o aumento das matérias-primas oscila entre 8 e 33%”, o que faz com que o preço do frete” suba vertiginosamente” e faça subir os custos para as empresas” inacessível” em ceras ocasiões. Isso faz-se sentir num aumento de preços inédito no transporte internacional de contentores. O Drewry World Container Index da Bloomberg registou, no ano passado, um aumento de 485% na rota Xangai-Roterdão e de 293% noutras oito principais rotas euro-asiáticas.

Escassez de ‘chips’ para automóveis

Um dos sectores económicos mais afectados por esta subida de preços é o dos componentes electrónicos, o que aponta para a indústria automobilística entre outros sectores. Devido ao encarecimento das matérias-primas e à escassez que isso tem causado, a Espanha deixou de produzir mais de 230 mil veículos por falta de chips de janeiro a maio, segundo dados da Associação Espanhola de Fornecedores Automotivos (Sernauto). Uma situação que parecepoder prolongar-se, nas suas previsões, até 2022. A própria London Metal Exchange antecipa que o atual aumento de preços não cederá até o final do próximo ano.

Este fenómeno levou não só as empresas, mas também o maior consumidor de matérias-primas do planeta: a China anunciou que irá penalizar a especulação no investimento nestes produtos, embora muitas empresas optam por direcionar o seu investimento para aumentar as suas compras de segurança. “Estamos num cenário totalmente novo, ao qual as empresas devem adaptar-se em tempo recorde se quiserem sobreviver, e uma dessas mudanças passa por administrar os seus processos de compras com bastante antecedência e buscar alternativas no campo do transporte, como as formas híbridas do mar e do ar, por exemplo”, disse Cimorra.

Sobre o autor

Pictet AM

Pictet AM

Responder a este tópico

Bem-vindo(a) à comunidade!

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Ao continuar, aceita a política de privacidade