Perguntas e Respostas sobre o MIFID II

Respostas sobre o MIFID II

Com o início do novo ano, começarão a ser implementadas a maioria das disposições regulamentares da Diretiva MiFID II e do Regulamento MiFIR,  que se encontra vigor (nível I) desde julho de 2014. Mas, sabemos realmente que disposições, são essas ?

O que é MiFID II?

A MiFID II é a directiva europeia destinada a regulamentar os mercados de instrumentos financeiros. Este regulamento visa melhorar as medidas já tomadas na implementação da MiFiD, na qual se regulam:

  • Condições de autorização e funcionamento das Empresas de Serviços de Investimento (ESI), introduzindo a liberdade de estabelecimento e prestação de serviços na UE, bem como a actividade de empresas de países terceiros.
  • As condições de autorização e funcionamento dos mercados regulamentados.
  • A limitação das posições e controlos da gestão de posições em derivados commodities.
  • As regras de conduta e a protecção do investidor a serem seguidas pelo ESI.
  • Os serviços de fornecimento de dados e a organização e os requisitos de conduta para os participantes no mercado com o objectivo de melhorar a protecção dos investidores.

As formas como a MiFID II pretende reforçar a actual legislação são:

  • Insistir para que as negociações organizadas ocorram em plataformas regulamentadas.
  • Introduzir regras sobre negociação algo-rítmica para o uso de novas tecnologias.
  • Melhora a transparência e a supervisão dos mercados financeiros.
  • Fortalece a protecção dos investidores.

O MiFIR é o regulamento que regula a transparência antes e depois da negociação em relação às autoridades competentes e aos investidores. Estabelece os seguintes requisitos:

  • Divulgação da actividade de negociação ao público.
  • Relatório de dados de operações para reguladores e supervisores.
  • Eliminação de obstáculos entre os sistemas de negociação e os prestadores de serviços de liquidação.
  • Acções de supervisão específicas sobre instrumentos financeiros.

Os objectivos da reforma são:

  • Fortalecer a protecção do investidor, regulando o assessoramento na comercialização de produtos financeiros.
  • Adaptar-se aos desenvolvimentos tecnológicos e dos mercados, regulando práticas como a negociação algo-rítmica.
  • Promover a negociação de instrumentos financeiros a partir de mercados OTC para mercados regulamentados.
  • Aumentar a transparência nos mercados.
  • Melhorar a regulamentação de alguns produtos financeiros, como os derivados.
  • Facilitar o acesso das PYMES ao financiamento, com a criação de “mercados de PYME em expansão“.

Embora não sejam a mesma legislação, os dois regulamentos vão de mãos dadas e são totalmente complementares quando se trata de atingir os objectivos propostos pela União Europeia. Além disso, a MiFID II obriga os encarregados a assessorar os clientes sobre investimentos e produtos financeiros a disporem de um certificado que os credite.

O que é “melhor execução” em MiFID II?

A “melhor execução” na MiFID II é a obrigação de uma entidade que atua nos mercados de instrumentos financeiros para garantir o melhor resultado possível para o cliente ao intermediar e executar as suas operações. A “melhor execução” além de procurar proteger o investidor, também visa melhorar o funcionamento dos diferentes centros de execução e promover uma maior concorrência.

A MiFID II mantém os factores a serem considerados pelos intermediários para obter o melhor resultado possível para os seus clientes ao seleccionar os melhores centros de execução, esses factores são:

  • O preço.
  • Os custos.
  • A rapidez.
  • A probabilidade de execução e liquidação.
  • O volume.
  • A natureza ou qualquer outra consideração relevante.

Esses factores devem ser levados em consideração para todos os tipos de clientes, sejam eles retalhistas ou profissionais. Esses intermediários devem atribuir a esses factores uma importância relativa para cada tipo de cliente. Ao mesmo tempo, o acesso a um ou vários centros de execução dependerá da existência de competição entre centros. Se houver concorrência, será necessário dar acesso aos centros concorrentes, mas se não houver num centro sequer, apenas a “melhor execução” será garantida.

No caso específico de que o cliente seja retalhista, a “melhor execução” será determinada por termos de “consideração total“. Este factor não é novo na norma MiFID II, mas com este regulamento, a obrigação obtém formalmente uma classificação mais alta do que a regulamentada nos regulamentos anteriores.

A “consideração total” é constituída pelo preço do activo e pelos custos relacionados à execução, que incluem todas as despesas incorridas pelo cliente que estão directamente relacionadas à execução do pedido (taxas do centro de execução, taxas de compensação e liquidação e outras taxas pagas a terceiros).

Quais são as diferenças entre MiFID e MiFID II?

Já tendo mencionado que os factores levados em consideração permanecem inalterados em relação à MiFID I, procederemos a analisar as diferenças. A diferença mais significativa é que as medidas exigidas aos intermediários na MIFID I eram “razoáveis” enquanto que, agora com a MIFID II, é necessário que as medidas sejam “suficientes”.

De acordo com a ESMA (Autoridade Europeia de Valores e Mercados), as “medidas suficientes” são um requisito adicional para o cumprimento da obrigação de melhor execução. Essas medidas não são definidas para cada activo financeiro, mas podem ser uma “medida suficiente” sempre que os procedimentos forem fortalecidos, a suficiência dependerá de um único centro ser realmente o melhor em termos dos factores já listados ou se os diferentes centros são de competição efectiva.

A outra grande diferença é que a MiFID II inclui a obrigação de intermediários da publicação anual dos cinco principais centros de execução em relação a cada tipo de instrumento financeiro no qual executaram ordens no ano anterior, em termos de volume.

Perguntas mais frequentes sobre o MiFID II

1-Que formato deveria ser usado para fornecer informações pré-contratuais aos clientes?
” As entidades podem usar o formato que considerem adequado para cumprir as obrigações de informações pré-contratuais da MiFID II. ”

2-É necessário formalizar um contrato básico com clientes profissionais e de retalho para a mera recepção e transmissão de pedidos?
“O artigo 58 do Regulamento Delegado da MiFID II estabelece que deve ser assinado um acordo básico em que sejam estabelecidos os direitos e obrigações essenciais da empresa e do cliente. ”

3-Como se devem aplicar as obrigações de execução às Sociedades Gestoras de Instituições de Investimento Coletivo (SGIIC), tanto na sua actividade de gestão colectiva quanto na gestão discricionária de carteiras?
“No que diz respeito à gestão colectiva, não há nada de novo e deve ser lembrado que os regulamentos da IIC já possuem regras específicas para uma melhor execução. No que se refere à gestão discricionária das carteiras, conforme mencionado acima, o Artigo 1.1 do RD desencadeia um erro devido à falta de actualização de referências a artigos de uma versão anterior. Em princípio, às SGIIC aplicam-se os artigos 64.4 e 65 da Secção 5 sobre a melhor execução (e os parágrafos 2 a 9 do Artigo 66 por remessa do Artigo 65).

Por outro lado, de forma geral, essas entidades, ao fornecerem o serviço de gestão de portfólio ou a recepção e transmissão de ordens, devem identificar na sua política de execução, para cada classe de IFs, as entidades às quais irão transmitir as ordens para execução. A menção dos centros de execução do artigo 66 deve ser entendida neste caso como as entidades às quais as ordens de execução são transmitidas. Portanto, quando aplicável, a política de execução para os SGIICs que fornecem o serviço de gestão de portfólio deve colectar informações sobre os intermediários seleccionados e não necessariamente nos centros de execução. ”

4-Como devem as empresas e as autoridades competentes devem entender a diferença entre “medidas razoáveis” e “passos suficientes”?
A Diretiva MiFID exigiu que as empresas” tomassem todas as medidas razoáveis para obter, ao executar ordens, o melhor resultado possível para os seus clientes levando em consideração o preço, os custos, a velocidade, a probabilidade de execução e a liquidação, tamanho, natureza ou qualquer outro dado relevante para a execução da ordem “. A MiFID II exige agora que as empresas “tomem todas as medidas necessárias para obter, ao executar ordens, o melhor resultado possível para os seus clientes levando em consideração o preço, os custos, a velocidade, a probabilidade de execução e a liquidação, tamanho, natureza ou qualquer outra consideração relevante para a execução da ordem “. Enquanto as empresas ainda estão sujeitas à mesma obrigação geral de obter os melhores resultados consistentes ao executar ordens de clientes, o requisito de etapas “suficientes” estabelece uma barra maior para a conformidade do que as etapas razoáveis. ”

0

Sobre o autor

Fabio Gourgel

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Susana Bárrios

    Curso muito útil para actualização de informação.

    0