Rendimento das Ações do Reino Unido - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Rendimento das Ações do Reino Unido

Subscrever Newsletter

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Entrevista de Richard Colwell, gestor de carteiras e Head of UK Equities na Columbia Threadneedle

As ações europeias têm um desempenho superior aos das ações americanas neste ano?

O índice MSCI All Country World Index (ACWI) obteve um rendimento de -10,8% em divisas locais e de -5,9% em libras esterlinas até agora. De facto, todas as principais regiões accionistas registaram retornos negativos, com excepção do Reino Unido, que foi parcialmente favorecido por uma rotação em torno do valor e da prevalência dos valores energéticos e mineiros do índice. Os EUA ficaram para trás em relação ao ACWI tanto em moeda local como em libras esterlinas, prejudicados pela venda do importante sector da tecnologia. A Europa sem o Reino Unido obteve um rendimento ligeiramente superior; onde o euro enfraqueceu a dependência da região em relação às importações de energia da Rússia e à consequente vulnerabilidade às sanções impostas a Moscovo.

O Reino Unido em particular, também resistiu bem à turbulência dos mercados globais este ano com muitos pontos fortes fora da Europa. Temos a nossa própria moeda e uma maior flexibilidade para lidar com as questões geopolíticas que surgem. E, o que é importante, o Reino Unido, não se limita às  commodities, existe uma grande variedade de indústrias com avaliações atractivas com oportunidades atraentes e excelentes negócios.E acreditamos que o Reino Unido pode ter um rendimento superior ao dos EUA, como já fez em 2000. 

Considera que as ações do Reino Unido são negociadas com grandes descontos? Quais são as causas?

Sim, apesar do seu rendimento mais elevado, as ações do Reino Unido continuam a ser profundamente descontadas em relação às médias globais, uma vez que os detentores de ativos globais se mostraram relutantes em corrigir a sua falta de ponderação nesta categoria de ativos. Isto começou durante o Brexit, onde o Reino Unido foi rejeitado, e exacerbou ainda mais após a crise da COVID. No entanto, acreditamos que isto constitui uma grande oportunidade para investir em empresas de classe mundial com grandes descontos. E apesar da geopolítica, continuamos a ver grande interesse por parte dos investidores estrangeiros e empresas de private equity, já que a arbitragem de avaliação continua a atrair numerosas propostas de M&A.

Considera-se um investidor de valor ou  de crescimento?

Para nós, embora nos aproximemos mais ao  investimento em valor, é mais matizado do que nos considerarmos um ou outro. Encontrámo-nos num espectro e estamos muito mais equilibrados na actualidade. Embora não queiramos pagar demasiado pelos valores de crescimento, também não filtramos mecanicamente os valores que parecem baratos, mas que têm problemas graves. Mesmo Warren Buffett acredita que “as duas abordagens estão unidas na anca; o crescimento é sempre um componente no cálculo do valor”...e para o valor “essas características estão longe de ser determinantes para saber se um investidor está realmente comprando algo pelo que vale portanto, opera verdadeiramente com base no princípio da obtenção de valor“. Para nós, trata-se de equilíbrio, de encontrar um meio-termo e de agir com convicção.

Que princípios-chave orientam os seus processos de investimento e porquê?

Focamos na análise fundamental ascendente com um viés contrário, centrando-nos no médio e longo prazo. Sendo investidores de convicção pode às vezes ser bastante solitário quando o mercado diz que estamos errados! Alguns dos investimentos mais bem sucedidos na carteira levaram vários anos para materializar o seu valor, temos várias dessas histórias de sucesso. Não somos temporizadores do mercado, mas investidores pacientes. Somos também proprietários e não arrendatários de empresas, e isto foi evidente no número de empresas que apoiámos na angariação de capital durante a pandemia da COVID. O compromisso com as equipas de gestão é um aspecto fundamental do nosso processo, e trabalhar em estreita colaboração com elas para conseguir mudanças positivas para a empresa e os acionistas.

Também promovemos o debate e a discussão entre a equipa, adequando-se à nossa abordagem contrária. As boas ideias podem vir de qualquer parte da equipa e procuramos opiniões de diferentes pessoas para considerar novas perspectivas e de diferentes ângulos. Queremos que desafiem as nossas opiniões.

Tem alguma linha vermelhas ao seleccionar um activo específico para o seu portfólio?

Ao concentrar-nos no potencial a longo prazo, evitamos valores especulativos e valores com um impulso de ganhos a curto prazo. Também evitamos os valores amontoados no índice e no pensamento de grupo, e procuramos novas ideias nos valores no espectro mais baixo do índice FTSE. Além disso, evitamos os valores que dependem excessivamente de factores macroeconómicos, difíceis de prever; em vez disso, utilizamos os pontos fortes da nossa equipa e investimos em sectores que se prestam bem a uma análise fundamental.

E em que se fixam ao selecionar ativos para o seu portfólio?

Procuramos joias escondidas, valores que não foram amadas e descartadas pelo mercado, mas que continuam a ser bons negócios com muito potencial. Olhamos para empresas com uma visão de médio a longo prazo e onde acreditamos na gestão. O envolvimento activo e a gestão com as equipas de gestão das empresas que possuímos, é crucial para os activos da nossa carteira. O nosso objectivo é olhar para as empresas de diferentes ângulos, resolver o lado negativo e ignorar o ruído à nossa volta para tomar decisões informadas no interesse dos nossos clientes.

Que classe de ativos ou sectores pensa que são particularmente interessantes agora?

Bem, o Reino Unido, como dissemos anteriormente, é muito interessante neste momento, as ações britânicas cotam a níveis extremamente baixos em comparação com as suas homólogas globais, apesar de serem empresas fortes, resilientes e líderes mundiais com sólidos balanços.

Em particular, temos uma grande exposição ao sector industrial, no entanto, isso não é um reflexo de qualquer visão do ciclo econômico e é mais uma função de uma boa reserva de caça para ideias de geração alfa A nossa equipa pode avaliar se uma empresa tem a possibilidade de se virar ou de consegue aumentar a sua quota de mercado, por isso traz consigo estas vantagens estruturais, apesar de ser um setor economicamente sensível. A indústria é um setor amplo, incluindo embalagem, distribuidores e defesa, pelo que esta é uma área que se adapta ao nosso estilo de tentar encontrar joias escondidas. E, de facto, algumas das nossas posições de sucesso ao longo dos últimos anos têm sido dentro deste setor.

Qual foi a coisa mais emocionante que viu nos mercados desde que começou a trabalhar no sector financeiro?

A coisa mais gratificante é quando se trabalha muito com empresas e equipas de gestão, e se está envolvido numa empresa que dá a volta e se transforma num negócio bem-sucedido e composto – isso é emocionante!

Em termos de mercados e desenvolvimentos macro, há sempre volatilidade e incerteza e é nossa responsabilidade como investidores permanecer emocionalmente calmos face a estes. Na minha carreira, vi a libra esterlina sair do RM no início de 1990, o não pagamento russo quando comecei a gerir fundos em 1997, a bolha tecnológica em 2000 e a crise financeira global em 2008. E nos últimos 6 anos, vimos o Brexit, a covid e agora a guerra da Rússia. O mais profundo para a minha carreira foi a bolha tecnológica e a crise financeira global onde os bancos entraram em falência em 2008. Estes são os momentos em que se aprende muito sobre si mesmo e sobre os mercados eles moldam a sua carreira.

Principais empresas no portfólio e porquê?

As nossas 3 maiores participações no fundo são a AstraZeneca, Electrocomponents e GlaxoSmithKline.

No caso da AstraZeneca, esta ação é uma das 3 maiores participações no fundo de rendimentos há mais de 5 anos. E foi  nos últimos anos que a AstraZeneca surgiu como uma das empresas farmacêuticas globais de mais crescimento, com o melhor perfil de crescimento de vendas e ganhos de uma farmacêutica de grande porte da UE. Estamos particularmente entusiasmados com a transacção Alexion, que permitirá à AstraZeneca aumentar o crescimento dos lucros e proporcionar uma entrada no atractivo segmento das doenças raras, uma das áreas de maior dimensão e de mais rápido crescimento da Biopharma.

GlaxoSmithKline é uma história de renda variável muito diferente em muitos aspectos e emocionante por direito próprio. Estão prestes a separar o seu negócio de consumo do seu negócio de vacinas e do seu negócio farmacêutico. Ambos são negócios fortes que gostamos e, como tal, apoiamos este surgimento e queremos investir em ambas empresas.

Não possuímos tanto a AstraZeneca como a GlaxoSmithKline porque gostamos do sector farmacêutico, ao contrário, ambos são possuídas como resultado da nossa análise fundamental ascendente. Estas empresas encontram-se em fases diferentes das suas trajectórias; a Glaxo está a dar a volta ao seu negócio farmacêutico com muitos produtos novos em preparação, além de ter uma forte franquia de consumo com uma quota de mercado significativa. A GlaxoSmithKline tem uma pressão adicional para executar bem, dado que rejeitaram uma abordagem da Unilever para o seu negócio de consumo no início deste ano.

Electrocomponents é um distribuidor global de produtos industriais e electrónicos, comercializando sob o nome de RS Group. Aderiram recentemente ao FTSE 100, após uma bem sucedida mudança de rumo sob uma nova gestão em 2015. E pensamos que ainda tem muita pista à sua frente, se continuar a executar como tem sido. Num mercado fragmentado, existe uma margem promissora para o crescimento do mercado de primeira linha, uma vez que continuam a tomar quota de mercado e a melhorar a sua margem de lucro.

 

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Artigos Relacionados

A Nordea Asset Management, gestora de investimentos líder na Europa e pioneira do Investimento Responsável, convida-o...
Mark Denham e Keith Ney, gestores de carteiras da Carmignac Portfolio Patrimoine Europe, falam da sua estratégia e da...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments