Fundos de investimento: porque fecham alguns?

Muitos fundos de investimento por vezes informam que não admitem novos participantes e/ou reforços nos seus fundos, de forma temporária ou definitiva, ou comunicam firmemente a intenção de fazê-lo de forma imediata. Estas proibições adotam diferentes modalidades: seja através de taxas de subscrição (na qualidade de ser já participante), de montantes máximos para subscrever diariamente, do facto de ser um investidor institucional ou não, redução parcial ou total do fundo, entre outros.

Razões dos fundos de investimento encerrarem

Refletindo porque motivo os gestores tão reputados propõem por vezes encerrar os seus fundos, o que logicamente prejudica a curto prazo o seu negocio, ocorreram-me as seguintes razões:

  • Os gestores acham que o mercado de ações está sobreavaliado, e não querem ter mais património para evitar a serem obrigados a diminuir quando há quedas significativas. Atualmente, não há uma comunhão completa de interesses entre o gestor e o cliente, de modo que o cliente seja indiretamente advertido de que a relação risco-recompensa não é tão boa quanto foi nos últimos tempos ou que a maturidade do investimento é maior.
  • Alguns gestores não querem ou acreditam que não é o seu trabalho gerir liquidez, ou não sabem ou não desejam desapontar os seus clientes quando compram ações através de um fundo.
  • Limitação de horas / equipamento de análise e dificuldade em encontrar novos gestores para integrar na sua equipa já formada. Eles valorizam a confiança na equipa já formada, e na sua metodologia como um ativo, que deve ser preservada em relação aos concorrentes.
  • Empresas onde a disparidade de critérios e avaliações são maiores ou são desconhecidas, ou são empresas mais pequenas onde não se consegue investir grandes somas de capital sem se alterar os preços, e os fundos mais sonantes, já são grandes o suficiente para que eles não considerem útil ou lucrativo examinar esse tipo de empresa a investir mais.
  • Se entra muito dinheiro nos seus fundos, elevam artificialmente o preço dos seus ativos já existentes porque já não se consegue comprar pouco a pouco (ordens faseadas).
  • Há sempre aqueles que “apanham um rabanete pelas folhas” pensam que é um efeito para aumentar no curto prazo o volume dos ativos geridos.

 

O mais curioso é que alguns gestores, ao mesmo tempo que fecham alguns dos seus fundos, mantém certos fundos, regionais ou setoriais, permanentemente abertos, cujas ações são a componente principal. Ou criam outros fundos semelhantes / alternativos para não perder rendibilidade a curto prazo, e para não mencionar, a operação nas contas nos fundos estrangeiros que são comercializados aqui, podem ser difíceis de entrar novamente.

Seria bom que as entidades gestoras explicassem pormenorizadamente porque fecham os seus fundos, inclusive contemplar essa possibilidade e a de aumentar a liquidez dentro de determinados limites em alguns supostos. Seria bom também, haver uma explicação ao cliente o que se pode esperar

“Alicia em Wall Street” (livro de finanças que deve fazer parte para todos) explica-nos porque se fechou o Buffett Partnership:

Ele não se sentiu capaz de continuar a oferecer esses enormes ganhos de capital e não poderia enganar os clientes que, inconscientemente, pensariam continuar a desfrutar, nos próximos anos de benefícios semelhantes. Warren pensou que o mercado de ações estava sobreavaliado e como tinha muito dinheiro em mãos, ele não encontrou empresas de valor a bons preços para investir.

Os seus parceiros e acionistas pressionaram-no a mudar seu estilo de investimento e especular no menor tempo possível.

Quando investes num fundo, certifica-te antecipadamente se seus gestores estão dispostos a fechá-lo devido às circunstâncias do mercado, ou para administrar muito capital prevê-se que ele deixe de ser suficientemente lucrativo.

Sobre o autor

Rankia