O importante é conhecer o seu perfil de investidor

perfil investidor

Uma coisa que devemos fazer antes de ir a um intermediário financeiro e considerar quais os riscos que estaríamos dispostos a assumir e os retornos que esperamos alcançar após as decisões de investimento que tomamos, devemos estar cientes de qual é o nosso perfil de investidor

Qual o perfil do investidor?

Dos tipos ou categorias mais comuns, podemos nos posicionar dentro do “espectro” dos investidores: conservador, moderado ou arriscado, dependendo da capacidade de lidar com possíveis quedas nos mercados e perda de capital. De tal forma que, dependendo do perfil do nosso investidor, estaremos destinados a escolher ativos muito diferentes dos demais, em termos de rentabilidade e risco, sabendo que quanto maior o retorno esperado, maior o risco que devemos assumir.

Por que é importante conhecer o seu perfil?

A determinação de nosso perfil de investidor é o primeiro passo e o ponto de partida para a tomada de decisão subsequente, pois nos facilitará a realização dos filtros relevantes para descobrir quais produtos financeiros atendem às nossas necessidades e preferências. Para além do anterior, o intermediário financeiro tem a obrigação de o informar devidamente e adequadamente sobre as características e riscos dos produtos que irá adquirir. Portanto, é essencial que entenda as informações que a entidade transmite para que esteja ciente do nível de risco assumido em cada produto adquirido.

 

Como determinar o seu perfil como investidor?

Para determinar nosso perfil como investidor, precisamos conhecer as respostas para as seguintes perguntas:

  1. Qual é o meu ponto de partida? É sobre a definição da sua situação financeira atual: receitas, despesas, dívidas, capacidade de poupança atual e futura …
  2. Quais são os meus objetivos concretos? É essencial determinar quais são os seus objetivos financeiros, de maneira realista e concreta. Por exemplo, “alcançar independência financeira” pode ser muito difuso e pouco operacional. No entanto, “poupar 15.000 euros em três anos para fazer um curso no extrangeiro” é um objetivo específico: inclui tempo, quantidade e propósito.
  3. Quanto tempo eu tenho para atingir a meta ? Essa resposta depende da anterior e ajudará a determinar o tipo de produtos que podem interessá-lo.
  4. Qual o nível de risco que estou disposto a tomar na estrada? Esta questão tem um componente objetivo (a sua capacidade financeira, o que pode se dar ao luxo de perder) e um subjetivo (o seu conhecimento financeiro, o seu modo de ser e como isso influencia a sua tolerância ao risco).
  5. Preciso de conselhos? Os produtos de investimento e as operações de mercado são cada vez mais complexos e exigem atenção constante e acompanhamento, por isso, pode ser aconselhável recorrer à orientação dos profissionais. Se decidir ir a um profissional para aconselhá-lo pessoalmente, ele deve ser responsável por determinar o seu perfil de investimento.

Como o risco financeiro se encaixa no perfil?

É importante que cada investidor reflita para ter certeza de que o risco que ele está a assumir nos seus investimentos é compatível com a sua situação financeira e com a sua disposição em aceitar perdas, caso ocorram. Pode acontecer que a sua situação financeira não esteja alinhada com a sua tolerância pessoal ao risco; por exemplo, se a capacidade financeira é boa, mas não quer assumir muitas perdas. Obviamente, o investidor deve ser especialmente prudente quando a sua capacidade de assumir riscos é fortemente limitada pela sua situação financeira, mesmo se ele se considerar disposto a tolerar altos níveis de risco. No entanto, nenhum produto deve ser rejeitado pelo simples facto de implicar algum risco, uma vez que pode ser aconselhável no âmbito de uma carteira bem diversificada. De facto, uma carteira de ativos equilibrada normalmente incluirá produtos com diferentes níveis de risco.

Conhecer o perfil do investidor não é fácil, pois envolve a avaliação de elementos subjetivos difíceis de quantificar, o que talvez nem tenha considerado em profundidade. Não há classificação exata, com perfis absolutos, em que um investidor se encaixa perfeitamente. O facto de ser considerado como um investidor conservador não significa que, a qualquer momento, não seja conveniente investir parte da economia em produtos destinados a investidores mais agressivos. A passagem do tempo, mudanças na situação financeira e outras circunstâncias pessoais, incluindo as experiências acumuladas, fazem com que o perfil do investidor sofra modificações.

Sobre o autor

Henrique Garcia
Analista de Mercados