O que acontece com minhas ações e meus fundos de investimento se a minha corretora for à falência?

Se você começou a negociar no mercado de ações, certamente você se fez essa pergunta, especialmente com o que aconteceria com o nosso dinheiro: Posso perder todo o meu dinheiro? Perderei alguma parte proporcional do meu dinheiro? O que pode acontecer?

Caso o corretor com o qual operamos vá à falência, nossas ações ou fundos de investimento estarão seguros, uma vez que tanto as ações quanto os fundos não estão no nome do corretor, mas no nosso.
A única mudança que poderíamos notar é que nossos fundos ou ações passariam para outro corretor diferente, isso é tudo.

Os gestores dos mercados de valores mobiliários possuem registos semelhantes aos de registar a propriedade de imóveis, uma vez que são valores registados em que os proprietários das ações são registados e com o número de ações detidas. Além disso, quando compramos ou vendemos ações, uma parte proporcional da comissão que pagamos vai para as despesas de registo naquele registo.

Se nosso corretor for à falência, quando tiver que liquidar o que precisa fazer, vender todos os ativos que possui, um desses ativos, é a carteira de clientes que possui a corretora, que será comprada por outra corretora por um preço negociado.

As nossas corretoras garantem nosso dinheiro em caso de falência?

Dependendo do tipo de corretor com o qual queremos trabalhar, devemos garantir que eles sejam garantidos por um fundo de garantia que cobriria o investimento do acionista no caso de a corretora falir, e achamos os dois mais importantes:

O Fundo de Garantia de Investimentos (FOGAIN) oferece uma indemnização aos investidores das suas entidades afiliadas (empresas de valores mobiliários, agências de valores mobiliários e sociedades gestoras) de até 100.000 euros em determinados casos de insolvência da entidade que presta o serviço de investimento, pelo dinheiro e valores mobiliários depositados ou confiados à entidade. (ClickTrade, Rent 4)

O objectivo do Fundo de Garantia de Depósitos (FGD) é garantir aos depositantes das instituições de crédito a recuperação dos seus depósitos em numerário e em montantes até 100.000 euros por portador e entidade. (BPI, Santander, Millennium BCP)

O que aconteceria se o gestor do fundo falisse?

No caso hipotético de que isso ocorreu, e o gestor do fundo apresentou um processo de falência declarando insolvente, os ativos do fundo estariam fora da propriedade da insolvência e os participantes poderiam receber o valor total do investimento naquele momento. Eles seriam afetados APENAS pela falência se o fundo tivesse ações ou valores mobiliários naquela entidade.

O que acontece se eu tiver uma conta omnibus?

Por outro lado, existem outros tipos de contas, chamadas de contas omnibus. Neste tipo de contas, as contas dos clientes da corretora estão juntas em uma única conta. O possuidor dessa conta de títulos que aparece no registo é o corretor, não nós (ou seus clientes).

Por exemplo, imagine 3 pessoas que sejam clientes de uma corretora com uma conta coletiva, e a primeira detém 1.000 ações da X, a segunda compartilha 2.000 ações da X e a terceira ações da 5.000 ações. No registo oficial há apenas uma conta, que é a da corretora, pois nesse cadastro aparecerão as 8.000 ações da X em nome da corretora (embora na realidade sejam elas uma das 3 clientes) e não os nomes dos três clientes que realmente possuem as ações.

Se a corretora com uma conta coletiva for à falência, a entidade deve estabelecer um procedimento interno que permita a individualização da posição de cada cliente.

Esses tipos de contas são seguros em caso de falência?

A única vantagem que encontramos é que é mais barato, aglomerando muitos investidores em uma única conta e como consequência que as comissões são muito mais baixas.

Embora as desvantagens que possam surgir sejam maiores, a princípio o facto de que as pessoas não têm suas ações no registo oficial é um problema, geralmente o corretor através de um sistema interno da empresa sabe o número de ações que cada um de seus clientes Embora esteja claro que um registo interno não tem nada a ver com um registo oficial.

Em Portugal, quando uma entidade utiliza uma conta coletiva para a operação de seus clientes, a conta é aberta em nome da entidade, mas o património da conta é dos clientes e, em nenhum caso, a entidade pode dispor do património daquela entidade. Conta sem ordem expressa do cliente.

Se quiser aprender mais sobre Bolsa, pode fazer download do nosso manual de gratuitamente

manual bolsa

Sobre o autor

Juan Diego Quilez
Gestor do Rankia Portugal

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *