O que são as entidades de crédito?

As entidades de crédito são empresas cuja actividade consiste em receber depósitos ou outros fundos reembolsáveis, aplicando-os à concessão de créditos. Bancos são instituições de crédito, bancos de poupança e cooperativas de crédito, instituições financeiras de crédito – que não pode receber depósitos.

Atrair fundos reembolsáveis ​​do público é uma atividade reservada, atividades ou seja, em que a entidade recebe dinheiro de clientes (depósitos e fórmulas semelhantes) com o compromisso de devolvê-lo nas condições acordadas, só pode ser realizada por determinados tipos de instituições de crédito (especificamente, bancos, caixas económicas, cooperativas de crédito e instituições de moeda electrónica), e desde que tenham autorização administrativa para operar.

Há uma categoria não sujeita à fiscalização das entidades do Banco de Espanha, secções de crédito das cooperativas que podem levantar fundos, mas unicamente de seus parceiros. Deve-se notar que estas secções não pertencem para nenhum fundo de garantia e, portanto, o dinheiro depositado nas referidas secções de crédito não tem a garantia oferecida pelos fundos de garantia de depósito.

No entanto, para conceder créditos, mesmo que seja uma das atividades típicas das instituições de crédito, a autorização não é necessária. A dupla atividade de atrair fundos reembolsáveis ​​do público, mesmo que não seja na forma de depósitos -para que os mercados mediante a emissão e colocação de títulos e aplicá-los para a concessão de empréstimos, é uma atividade reservada às instituições de crédito e também pode realizar os bancos, caixas de poupança e cooperativas de crédito.

Uma instituição de crédito pode falhar (banco, banco de poupança ou cooperativa de crédito)?

Sim, é possível que uma instituição de crédito atinja uma situação de crise que torne a sua continuidade inviável. Embora os bancos portugueses estejam sujeitos a regulamentações rigorosas em termos de solvência, e apesar do fato de que a supervisão é muito rigorosa, isso não exclui a possibilidade de haver entidades mal administradas ou ineficientes.

Nesse caso, e numa economia de mercado como a portuguesa, há obviamente a possibilidade de uma entidade falhar.

Neste caso, o Fundo de Garantia de Depósitos irá intervir para compensar os seus depositantes no montante legalmente previsto, atualmente de 100.000 euros por depositante.

Em qualquer caso, a supervisão do Banco de Portugal não substitui a responsabilidade dos administradores na gestão da entidade. O papel do Banco de Portugal é tentar reduzir a probabilidade de ocorrência de uma crise e mitigar seus efeitos, uma vez ocorrida.

O facto de uma instituição de crédito estar autorizada a operar em Portugal e estar registada no Banco de Portugal é uma garantia da sua solvabilidade?

Não exactamente. A inscrição nos registos oficiais das instituições de crédito do Banco de Portugal apenas certifica que a entidade tem autorização para operar (concedida pelas autoridades portuguesas ou pelas autoridades do seu país de origem, caso se encontrem na União Europeia).

Da mesma forma, as entidades registadas nos registos estão sujeitas à supervisão do Banco de Portugal ou às autoridades do país da União Europeia a que pertencem. A supervisão dos bancos na Espanha e na União Europeia é muito rigorosa, mas isso não supõe uma garantia absoluta da solvência ou da continuidade de cada entidade. A responsabilidade da gestão é dos administradores.

Sobre o autor

António Fernandes