O que podemos esperar da reunião da OPEP?

Ole Hansen, diretor de estratégia de commodities no Saxo Bank

  • Esperamos que a OPEP anuncie uma extensão do contrato de 6 a 9 meses
  • Para satisfazer a Rússia, poderia adicionar uma data de revisão do contrato durante o período actual
  • Qualquer sinal de falta de compreensão pode implicar uma correcção de óleo
  • O suporte mais importante do WTI está em  56.40 dólares
  • Nos EUA, reactivaram-se metade das 39 plataformas petrolíferas paralisadas nos últimos três meses

O petróleo cede posições um dia antes do encontro dos ministros da OPEP em Viena, com vista a abordarem uma extensão no contrato de corte de produção. Há muito em jogo nesta reunião, porque a Rússia aparentemente ainda não está preparada para se comprometer com uma extensão do contrato de nove meses sem uma estratégia de saída apropriada. As próximas 48 horas determinarão a direção no que resta de 2017.

A reunião de amanhã entre membros da OPEP e a Rússia em Viena é a chave, mais ainda depois de a API reportar um aumento surpresa nas reservas ontem à noite no Crude semanal do EUA, enquanto isso, o Crude WTI caía à medida que se retomavam os fornecimentos do oleoduto Keystone.

O consenso aponta para a inevitável extensão do acordo para parar a produção além do final da sua data de vencimento em Março. Mas o que ainda é incerto, é a duração de tal acordo e também de como poriam fim sem se arriscarem a inundar o mercado com barris indesejados. A OPEP retornou cada vez mais consciente do impacto do posicionamento especulativo no mercado de petróleo. Sabem que não anunciar o que o mercado espera desencadeia uma grande correcção devido à acumulação de posições largas existentes.

Desde julho, o petróleo experimentou um importante ” rally “. Durante este tempo, os fundos de hedge continuaram a acumular posições de compra. Na verdade, a combinação de posições longas líquidas em Brent e WTI foi próxima de 900 milhões de barris na última semana, não muito longe do recorde de Fevereiro de 930 milhões.

Com isso em mente, esperamos que a OPEP anuncie uma extensão de 6 a 9 meses e, para satisfazer a Rússia, poderia adicionar uma data de revisão do acordo durante o período actual. As empresas petrolíferas russas mostram-se cada vez mais desconfortáveis com a ideia de diminuição de produção durante mais tempo e isso aumentou o risco de violação do acordo.

O impacto no preço do petróleo dependerá da dialéctica que a OPEP – não a OPEP use para anunciar um acordo. Qualquer sinal que mostre a falta de entendimento poderia implicar uma queda acentuada no preço.

Tecnicamente, se levarmos em consideração os níveis de retração Fibonacci, o WTI tem um suporte em US  57.40 dólares por barril e, mais abaixo nos 56.40 dólares, nível que, se fosse perfurado, poderia levar a uma correcção mais profunda.

Outra questão que poderia levar a um debate acalorado seria uma discussão sobre se Irão (+ 50,000 barris / dia), Líbia (+ 350,000 b / d) e Nigéria (+ 230,000 b / d) deveriam unir-se ao acordo depois de terem sido isentos. Estes três países têm aumentado desde Outubro a produção de mais de 600 mil barris por dia e é, precisamente, devido a esses barris extra, que foram um dos principais motivos pelo qual houve o acordo de corte de produção, que realmente só começou a ter impacto durante o segundo semestre de 2017.

O cartel também abordará com preocupação a possível resposta dos produtores do petróleo de xisto dos EUA A recuperação de 20% do preço desde o início de Outubro levou a um aumento no número de plataformas de petróleo. Nas últimas três semanas, reactivaram-se metade das 39 plataformas de petrolíferas que se encontravam paralisadas nos últimos três meses. A produção de petróleo dos EUA atingiram níveis recorde.

Sobre o autor

Rankia

    Melhores corretoras de Bolsa em Portugal

    Melhores corretoras de Bolsa em Portugal

    Estas são as comissões que nos cobraram em 2017 as principais corretoras de bolsa do mercado português.  A melhor corretora para um investidor não tem que ser a melhor “broker” para outro. O...