Preparar financeiramente a entrada na faculdade

Entrou na faculdade, ou vai ter um filho/a que vai entrar? Parabéns! A tua vida vai ser outra ou a vida do seu filho/a vai melhorar!

A entrada na faculdade é sempre um momento marcante e com um grande impacto nas finanças. Saiba como preparar a família para as despesas que aí vêm.

A entrada dos estudantes na faculdade é sempre um momento marcante para pais e filhos. Uns incham de orgulho por verem os frutos de uma vida inteira dedicada à educação dos pequenos; outros sentem a ansiedade da entrada na vida adulta, nas aventuras próprias da vida académica e da autonomia pela qual passaram os últimos anos a suspirar.

O mundo académico, no entanto, não é pintado apenas de cor-de-rosa. Entrar na faculdade significa também assumir o pagamento das famosas propinas – que, não sendo exageradamente caras na maioria das universidades públicas, podem ser um rombo financeiro se os estudantes escolherem uma instituição privada.

Então, como preparar as finanças para aguentar os anos como estudante universitário?

Faça uma boa gestão. Todo cêntimo conta!

O primeiro passo para uma boa gestão financeira é o envolvimento de toda a família no processo. Quando um filho entra na faculdade, é importante que tenha consciência do esforço financeiro que os pais vão fazer para suportar os estudos, por isso, envolva os seus filhos no planeamento financeiro da família.

Comece por adjudicar-lhes a tarefa de planear todas as despesas previsíveis: propinas, transportes, alojamento, alimentação… é importante que saibam que estudar na faculdade não se resume a pagar as propinas e que, na verdade, a maior parte do dinheiro é gasta noutras coisas.

Neste processo não se esqueçam que um estudante pode não gastar o mesmo todos os anos – há material que se compra em determinadas fases do curso, por exemplo, e que pode alterar significativamente o plano de despesas desse ano.

Fazer um plano orçamental como se fosse o ministro das finanças

Agora que já sabem o que vão gastar e o que têm para gastar, é importante que desenhem em conjunto um plano orçamental. Assegure-se de que os seus filhos sabem quanto podem gastar por mês e obrigue-os a serem rigorosos, fazendo-os notar que, sempre que derraparem nas contas, vão “roubar” verba ao bolso dos pais ou dos irmãos.

Se possível, atribua a cada filho uma mesada e diga-lhe que, dessa mesada, tem de pagar todas as contas. A reação inicial pode ser de alguma confusão e dificuldade de gestão, mas vai ver que ao fim de poucos meses eles estão muito mais conscientes do valor do dinheiro e muito menos dispostos a desperdiçá-lo.

Despesas variáveis

Também é importante que os estudantes saibam que o mundo não é estável e que pode haver imprevistos que impedem a execução do plano inicialmente traçado. Faça-os entender que as contas batem certo nestas circunstâncias, mas que um dos pais pode perder o emprego, por exemplo. Ou que a entrada de um irmão na faculdade vai obrigar a um reajuste orçamental.

No fundo, aqui pretende-se que os estudantes mantenham presente que nada é totalmente garantido e que pode ser-lhes exigido um esforço mais intenso a qualquer momento, porque a família funciona como um todo e, se alguém mudar de circunstâncias, todos terão de contribuir para o reajuste.

A vantagem deste ponto também vai ser a de que os estudantes vão evitar ficar na faculdade a “marcar passo”, porque sabem que o esforço para estudarem é grande e pode acabar a qualquer momento. Como não querem correr o risco de ficar com o curso a meio, vão procurar fazer o percurso no tempo normal e estudar mais para não repetir anos.

Procurar descontos a estudantes

Os descontos para estudantes existem e podem dar muito jeito, por isso habitue os seus filhos a procurarem-nos e a tirarem partido deles. Há marcas que dão descontos em roupa, outras em bilhetes de cinema, outras em tecnologias. Habitue os seus filhos a gerirem as compras de forma inteligente e a estarem abertos à possibilidade de abdicarem do produto ideal para poupar alguns euros.

Sobre o autor

Henrique Garcia
Analista de Mercados