As consequências económicas do teletrabalho - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

As consequências económicas do teletrabalho

Subscrever Agora

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Desde o início da pandemia que é possível observar o crescer de um debate sobre as mudanças comportamentais que esta situação pode causar. A nível económico e em especial numa perspetiva de longo-prazo, o impacto potencial na produtividade e no crescimento é um tema que tem ocupado o pensamento de muitos analistas como também da comunidade académica.

Num estudo realizado pela OCDE é mencionado como benefício do teletrabalho, que o equilíbrio entre a vida pessoal e a vida profissional pode aumentar a eficiência dos trabalhadores e reduzir os custos para o espaço de escritórios. De certa maneira, os trabalhadores podem fazer mais, em menos tempo e com menos recursos físicos, revelando-se num possível aumento de produtividade.

Por outro lado, a instituição revela que o impacto na produtividade continua a ser duvidoso. Isto porque podem existir efeitos adversos, uma vez que o teletrabalho pode prejudicar a comunicação, as interações sociais e consequentemente ao abrandamento da inovação. Também é referido que pode levar a horas extraordinárias ocultas, transferindo custos para os trabalhadores e promovendo a sua solidão. Por outras palavras, as pessoas precisam de pessoas para serem inovadoras. A tecnologia online pode não ser suficiente para gerar os tipos de interações que geram criatividade.

Além disso, a OCDE diz ainda que “a falta de interações pessoais pode diminuir o fluxo de conhecimento entre os trabalhadores” e que a capacidade de gestão dos trabalhadores diminui quando as pessoas não estão presentes.

Existe então algum sistema híbrido que possa ser o ideal?

A OCDE tenta também responder a esta questão, afirmando que é relevante não só que o teletrabalho seja uma escolha como que não peque por existir em demasia – reiterando a importância do bem-estar de cada pessoal para a produtividade no trabalho. Refere ainda a importância dos decisores políticos em promoverem a difusão de boas práticas de gestão e competências em tecnologias de informação, investimentos em escritórios domésticos e banda larga rápida e fiável em todo o país.

Através de vários inquéritos a empresas, é de fácil compreensão que o teletrabalho veio para ficar e a pandemia apenas veio acelerar um processo que já estava em curso. Resta-nos a nós dar-lhe o rumo certo uma vez que um aumento de produtividade e da inovação se traduzem num aumento do produto interno bruto. Este último está consequentemente correlacionado com um aumento do emprego, subida de salários e melhora do nível de vida de uma população.

Artigos Relacionados

Os futuros sobem com a força da tecnologia e a Tesla aumenta as percas  (Reuters) – Os futuros do índice de ações dos...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments