Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

O que é um ETF? Saiba o que são e que vantagens trazem

Subscrever Newsletter

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Para quem começa a interessar-se pelo mercado financeiro e económico, em busca de boas oportunidades de investimento, é provável que se depare com a sigla ETF. Afinal de contas, este tipo de activo tem tido um crescimento e uma adesão muito forte nos últimos anos, garantindo um retorno financeiro muito grande a vários investidores em todo o mundo.

Contudo, tal como os outros instrumentos financeiros, os ETF também têm riscos associados. Obviamente que o mercado económico não é uma ciência exacta e, para investir, deverá faze-lo com critério, adoptando uma postura sensata, responsável e inteligente. Para o ajudar em tudo isso, compilámos nas linhas seguintes tudo o que necessita saber sobre um ETF.

O que é um ETF?

Antes de tudo, há que começar pelo início, tal como se inicial todas as histórias. Afinal de contas, o que é um ETF? Comecemos pelo nome. ETF são as iniciais de Exchange Traded Fund, o que traduzido livremente para português dará algo como Câmbio de Fundo Comercial. E um ETF é um activo financeiro cotado em bolsa. No entanto, este é muito diferente dos fundos tradicionais.

Os ETF surgiram no Canadá no ano de 1993 e são activos financeiros conjuntos que acompanham um determinado índice económico, como o PSI-20 ou o DAX, por exemplo, onde os investidores da bolsa podem investir o seu dinheiro, através da compra e da venda destes fundos. Ou seja, esta bolsa espelha o movimento dos activos incluídos no seu portfólio.

No entanto, os ETF não replicam apenas ações tradicionais de empresas, já que podem também espelhar outros activos financeiros, como é o caso de moedas, obrigações, matérias-primas e taxas de câmbio. No entanto, esta nunca é uma réplica completamente perfeita, porque os ETF têm outros custos associados.

Existem ETFs de réplica física e ETFs de réplica sintética. No primeiro, o gestor compra os títulos subjacentes do índice a ser replicado, enquanto no segundo, em réplica sintética, o gestor compra um contrato de swap com um banco de investimento que lhe pagará o desempenho do índice. Muitos investidores preferem a replicação física, uma vez que o investidor tem a propriedade efectiva do subjacente, enquanto a replica sintética não.

ETF: como funciona?

Esta é provavelmente a parte mais complicada. No entanto, para quem tem um conhecimento básico de como é o funcionamento do mercado de valores este entendimento será relativamente mais fácil. É que, tal como as ações e os fundos tradicionais, os ETF são também negociados durante as sessões da bolsa, recebendo um símbolo de cotação e respectivo preço.

Como mencionámos no parágrafo em cima, o valor de um fundo ETF replica normalmente o preço dos títulos subjacentes desse pacote. Sempre que estes valores se afastam, o mercado realinha o preço de ambos, o que faz com que este tipo de instrumento financeiro seja uma óptima opção de investimento, procurada por muita gente em todo o mundo. Podem ser negociados em tempo real, já que são equiparados a valor patrimonial, garantindo uma maior segurança a quem investe.

Para negociar um ETF, o primeiro passo passa por seleccionar o fundo em que quer investir. Depois, o passo seguinte é decidir, tal como no mercado de ações, se quer transmitir uma ordem de compra ou de venda. Para isso, necessita dos serviços de um banco ou de uma correctora que disponibilizem esses serviços.

Ou seja, se quer comprar um ETF e já tem um intermediário, apenas necessidade de encontrar um detentor do ETF que pretende que esteja disposto a vende-lo. Como a maioria destes fundos asseguram sempre um preço de venda e de compra, a transação é facilmente feita por qualquer investidor, seja ele individual ou institucional. Contudo, os riscos associados são sempre exponencialmente relacionados com o potencial do mesmo.

Vantagens e desvantagens ETF

Tal como qualquer outro tipo de activo financeiro, os ETF têm vantagens e desvantagens para os investidores. Comecemos pelos seus benefícios.

ETF: Vantagens

A principal vantagem de negociar em ETF é que tem acesso a vários activos financeiros através de um único instrumento. Por exemplo, actualmente sabemos que o sector da inteligência artificial está em ascensão. Contudo, não conhece numa empresa de robótica para saber qual tem maior potencial de investimento. Com um ETF, pode investir em contrapartida a um fundo que compila o mercado da robótica, como é o caso do ETF Global X Robotics & Artificial Intelligenge. Ou seja, em vez de estar a “apostar” numa empresa específica, está antes a investir em firmas que beneficiam dessas áreas de produção, aproveitando um mercado em expansão em detrimento de uma empresa em particular.

Existem ainda outras vantagens associadas aos ETF. As comissões são bem mais baixas, por exemplo, e o risco é normalmente menor, uma vez que estamos a falar de um activo diversificado. Além disso, mas não menos importante, neste sector não existem investimentos mínimos, os quais podem ser definidos apenas pelas correctoras, o que dá espaço a qualquer investidor de se chegar à frente.

  • Diversificação

Ao investir em cestos de acções, tipicamente índices de ações, os ETFs são diversificados e comportam menos riscos do que as ações individuais. Com um ETF num único mercado, é possível deter muitos stocks diferentes num único produto.

  • Transparência, flexibilidade e simplicidade de negociação

Por ser um híbrido, beneficia da flexibilidade e facilidade de negociação de ações, podendo comprar e vender em tempo real. Isto é uma vantagem sobre os fundos de índice, onde a negociação é mais lenta. Portanto, podemos saber sempre o valor do nosso investimento, o que não é o caso dos fundos mútuos, onde temos de esperar até que os mercados se aproximem para conhecer o valor das nossas posições.

  • Eficiência de custos

Os ETFs caracterizam-se por taxas baixas em comparação com os fundos de investimento, uma vez que são muito mais fáceis de gerir e não requerem uma equipa de analistas para tomar decisões. Como resultado, o seu desempenho final é muito semelhante aos índices ou sectores que reproduzem. Outro ponto a favor é que os requisitos mínimos para aceder a este tipo de produto são muito baixos, o que o torna um produto muito acessível para os investidores com menor património líquido.

  • Desempenho muito semelhante aos índices de longo prazo

Ao replicar um índice, pretendem ter um desempenho muito semelhante, exactamente mais baixo do que as taxas cobradas. Por conseguinte, ao comprar um ETF, é quase garantido que o nosso desempenho a longo prazo será muito semelhante ao do mercado.

  • Possibilidade de alavancagem ou investimentos curtos

Os ETFs dão ao investidor a possibilidade de alavancar contra o índice e mesmo investir para baixo no índice, o que é difícil de fazer em fundos de investimento. Portanto, dá novas alternativas especulativas, mais relacionadas com o investimento em acções do que em fundos. No entanto, pela mesma razão, pode ocorrer algum pânico no mercado se um ETF tiver demasiadas encomendas curtas, uma vez que pode não ter dinheiro suficiente para preencher essas encomendas. Este é um problema hipotético, mas possível, e dever-se-ia procurar uma ETF altamente líquida para mitigar este risco.

ETF: Desvantagens

Quanto às desvantagens, a principal tem a ver com o facto de não garantirem rentabilidade nem o reembolso total do capital investido. Ou seja, a oscilação dos valores dos títulos subjacentes ao fundo podem levar à perda total do seu dinheiro, mas este é um risco inerente a qualquer tipo de mercado deste género. É por isso que deve sempre explorar e analisar bem o mercado e perceber porque é que um índice de ações emergentes é sempre mais arriscado do que um fundo de obrigações de países ocidentais. Contudo, a possibilidade de lucro do segundo é bem mais inferior do que o primeiro.

  • Tributação menos favorável que os fundos de investimento

Os ETFs são tributados como as ações, portanto não possuem a vantagem fiscal dos fundos de investimento, o que permite transferências entre diferentes fundos sem ter que pagar impostos sobre ganhos de capital.

  • Custos de transacção

Aqui também deve ter em conta os custos cobrados pelas plataformas de corretagem ao efectuar transacções.

  • Produto mais complexo

Os ETFs são produtos complicados e o investidor precisa de estar bem informado sobre o seu funcionamento antes de começar a investir neles. Por exemplo, é necessário saber que os ETFs não são liquidadas no dia seguinte como fundos, mas no prazo de dois dias. Isto significa que, se liquidar uma ETF para investir o capital num fundo no dia seguinte, não o poderá fazer.

Por outro lado, os ETFs têm dois preços, um preço de oferta e um preço de venda. Se o spread for grande, pode-se dizer que o ETF ou o mercado em que está a negociar é ilíquido, tornando mais difícil para o investidor vender a um preço-alvo. Portanto, é importante educar-se a si próprio antes de investir.

Qual a diferença entre um ETF e um fundo de investimento?

Outra pergunta recorrente de quem pondera investir num ETF pela primeira vez prende-se com a diferente entre estes e um fundo de investimento tradicional. É uma óptima e pertinente questão, cuja resposta também é muito simples.

Ora bem, comecemos pelo fundo de investimento. Este é o conjunto das contribuições das poupanças de várias pessoas, que passam a sua gestão para uma entidade profissional respectiva. Por sua vez, os ETF são fundos que são negociados directamente no mercado de ações, equiparados a ações, que replicam o valor dos seus activos subjacentes.

Por sua vez, enquanto que os ETF são sempre de gestão passiva, os fundos tradicionais podem ter uma gestão activa. Isto significa que, entre outras coisas, os fundos tradicionais tentam superar os seus índices para garantir rentabilidade aos seus investidores, enquanto que os ETF tentam corresponder tal e qual o retorno do índice do activo que espelham.

Leia ainda: Diferenças entre um fundo indexado e um ETF

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Começa a votação para os Prémios Rankia Portugal 2022: Fundos
Arrancaram as votações para os Prémios Rankia Portugal 2022 na categoria de Fundos.

Deixamos o link da votação para poder votar nos seus favoritos👇

Artigos Relacionados

TRI: Como calcular a Taxa de Retorno Imediato? Estudar a Taxa de Retorno é muito importante e certamente estará ciente da taxa de retorno no vencimento. O que pode dizer-me sobre a Taxa de Retorno Imediato? ...
A Coupon stripping é a separação dos pagamentos periódicos de juros sobre um título direto da sua obrigação de reembo...
A economia pode parecer enfadonha, apesar disso, no meu primeiro artigo dou motivos suficientes para dedicar tempo a ...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments