Entrar
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Inflação | O que é, tipos e causas

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

Mesmo para quem não está habituado a seguir as páginas de Economia nos jornais diários, o mais certo é já ter dado de caras com a inflação. Afinal de contas, este é um conceito quase inevitável, que surge invariavelmente nas notícias do dia-a-dia, como um obstáculo ao orçamento de Estado, ao preço dos produtos e, consequentemente, à nossa qualidade de vida.

No entanto, a inflação não é propriamente o bicho de sete cabeças e o vilão temerário de que ouvimos constantemente menção nos noticiários. Aliás, após entendermos o que é a inflação, percebemos que este é um conceito muito importante do mercado financeiro e uma ferramenta fundamental para investir com ponderação e responsabilidade.

De forma a perceber tudo o que necessita saber sobre a inflação, preparámos as linhas seguintes, com toda a informação pertinente sobre o tema, para que não lhe falte nada de futuro. E para que, da próxima vez que ouvir falar da inflação, esteja mais bem preparado para perceber o que se passa no mercado nacional ou internacional.

O que é a inflação?

A inflação pode ser definida como um aumento geral dos preços na economia de um determinado país. Se os preços aumentarem, cada unidade monetária será capaz de comprar menos bens e, portanto, o poder de compra será reduzido.

Isto acontece porque a inflação está intimamente ligada à oferta e procura de bens e serviços. Por outras palavras: quando a procura é maior do que a oferta, os preços tendem a aumentar porque há mais dinheiro do que serviços ou produtos. E é esse movimento que se chama inflação.

A inflação elevada é sempre negativa para a economia de um país , porque significa que o poder de compra dos consumidores diminui e, com isso, a qualidade de vida. Quanto maior a inflação , maiores os preços e, claro, a sua capacidade de comprar produtos ou serviços diminui porque o valor dos salários não acompanha a inflação. Em outras palavras, o mesmo dinheiro compra menos coisas no mesmo período de tempo.

Mas é importante perceber que a inflação não é o típico vilão dos filmes de acção, como por vezes nos querem fazer acreditar. É por isso que a meta de inflação para a economia de qualquer país nunca é zero. Isso porque é um índice que, se controlado, mantém a economia em movimento e o dinheiro em circulação. Por outras palavras: se as pessoas consomem, é porque os investidores estão a contrair empréstimos e a economia está a funcionar. Os especialistas afirmam que uma taxa de inflação de 2% é o ideal e que, para além disso, começa a ter efeitos negativos para os cidadãos e as empresas.

Quais são os fatores que causam a inflação?

Geralmente não existe um fator ou elemento único que causa a inflação. Isto pode decorrer de vários factores, que podem mesmo ocorrer em simultâneo, contribuindo para a criação de fenómenos inflacionistas mais ou menos fortes.

Existem 5 fatores que mais comumente causam inflação, e são eles:

  • Aumento da procura de bens e serviços: por exemplo, devido a uma maior capacidade de despesa. Neste caso, os fornecedores destes bens e serviços aumentam o preço explorando a possibilidade de poder contar com um maior número de compradores, com um efeito em cadeia que pode provocar um aumento generalizado dos preços;
  • Aumento dos custos das matérias-primas e materiais: factores geopolíticos ou naturais podem levar à redução da disponibilidade dos recursos que constituem a base da cadeia produtiva, como energia e matérias-primas, conduzindo assim ao aumento dos preços;
  • Aumento da massa monetária: que depende muitas vezes de intervenções expansivas de política económica, como as que caracterizaram a Covid-19, quando em resposta à emergência, na Europa e nos Estados Unidos, foram dadas à população grandes quantidades de dinheiro sob a forma de de subsídios, bônus, incentivos fiscais;
  • Desvalorização cambial: redução do valor do dinheiro em decorrência de alterações na taxa de câmbio. As importações tornam-se mais caras e, como consequência, os preços sobem;
  • Aumento dos salários: um aumento do nível dos salários, por exemplo devido a um período de forte crescimento económico, coloca mais dinheiro nas mãos dos consumidores que terão, portanto, mais capacidade de gasto, contribuindo para o crescimento dos preços e dos salários.

Como a inflação é calculada 

Para calcular a inflação é necessário conhecer a cesta de referência, ou seja, os bens e serviços consumidos durante o ano. O peso atribuído a cada bem/serviço não é o mesmo e muda dependendo do índice utilizado para o cálculo, por exemplo.

Neste caso, para efeitos de cálculo da inflação, é monitorizada a variação dos preços dos bens/serviços individuais do cabaz, ponderada segundo um peso proporcional ao grau de importância que o produto representa face ao consumo médio do produto de referência. população.

Para recapitular:

  1. É necessário elaborar uma lista de todos os bens e serviços que compõem o cabaz e das quantidades consumidas durante o ano (ano de referência) e depois calcular:
  • A despesa total com cada um dos bens e serviços, multiplicando as quantidades adquiridas pelo preço pago;
  • O custo total dos bens e serviços, ou consumo no ano base, somando os resultados dos bens e serviços individuais;
  • O aumento depois de um ano, dois anos e assim por diante.
  1. Em seguida, divida o custo total do cabaz no ano em questão pelo custo do cabaz no ano base e multiplique o resultado por 100. Isto dá o índice de preços para o ano em questão.

Alternativamente, pode realizar o cálculo usando algumas fórmulas como:

Índice de preços do ano = (Custo total do ano / Custo total do ano base) ∗ 100;

Taxa de inflação em 12 meses = [(índice do ano – índice do ano base) / índice do ano base] ∗ 100

Inflação = [(IPC atual – IPC histórico) / IPC atual] ∗ 100

Onde IPC significa Índice de Preços ao Consumidor .

Quais são os efeitos?

Abaixo citarei do site Ecolink.com.ar a parte completa dos 2 tipos de efeitos que a inflação traz em geral, uma vez que é bastante interessante poder vê-los:

Inflação Antecipada:

Os agentes tentarão minimizar esta perda através da redução dos seus saldos monetários médios.

  • Mais riqueza será atribuída ao consumo de bens duradouros, como meio de protecção contra o imposto inflacionário.
  • O processo de actualização dos preços nominais envolve custos reais associados aos gastos que os comerciantes têm de fazer no processo de demarcação.
  • A inflação pode levar a distorções na carga fiscal. Por exemplo, assumindo que os escalões de imposto sobre o rendimento são estabelecidos em termos nominais, ao longo do tempo os rendimentos nominais aumentarão, e as pessoas mudarão para escalões de imposto mais elevados, aumentando assim a sua taxa de imposto marginal. Assim, uma pessoa cujo rendimento real antes de impostos é constante sofrerá um aumento gradual na sua obrigação fiscal e uma consequente perda de rendimento disponível, simplesmente devido à inflação. Quanto maior for a variação dos preços, maiores serão os custos envolvidos.
  • A inflação também implica custos para o Estado, uma vez que prejudica o valor dos impostos que cobra. Isto porque existe um intervalo de tempo entre o momento em que as despesas governamentais ocorrem e o momento em que os impostos são cobrados para as cobrir. Em muitos países, durante este período de atraso, não existe um mecanismo para manter o valor real da obrigação fiscal. Este fenómeno é conhecido como o efeito Oliver-Tanzi, que pode levar a um círculo vicioso. Um aumento do défice fiscal traduz-se num aumento da inflação, que por sua vez reduz as receitas fiscais; receitas fiscais mais baixas, por sua vez, aumentam ainda mais o défice fiscal, e assim por diante.

Inflação inesperada:

Os principais efeitos da inflação imprevista são redistributivos. As surpresas nas taxas de inflação levam a mudanças de rendimento e riqueza entre diferentes grupos da população. Durante um processo inflacionário, os devedores beneficiarão à custa dos credores, uma vez que a inflação mina as taxas de juro reais. Dependendo do grau de aumento dos preços, as taxas de juro reais podem tornar-se negativas, o que acaba por favorecer claramente os mutuários.

Em geral, todos os detentores de activos financeiros que tenham uma taxa nominal fixa de retorno sofrerão uma perda devido a aumentos na taxa de inflação. Para evitar a erosão destes activos face à subida dos preços, foram desenvolvidos instrumentos indexados, que se comprometem a pagar uma taxa de juro real ou, por outras palavras, a ajustar a taxa de juro nominal que pagam por um índice que evita a perda de valor causada pela subida dos preços.

Os efeitos redistributivos da inflação inesperada também se manifestam dentro do sector doméstico. Os proprietários com hipotecas beneficiarão de ver os seus reembolsos de hipoteca caírem em termos reais. Os mais velhos, por outro lado, têm mais saldos nominais do que os mais jovens, pelo que um processo inflacionário redistribui os rendimentos em favor dos mais jovens.

Os sectores assalariados também estão sujeitos a um empurrão redistributivo. O aumento dos preços mina os salários reais dos trabalhadores contratados. Mesmo quando os contratos de trabalho incluem cláusulas de ajustamento, a sua eficácia em prevenir a perda de rendimentos dos trabalhadores é reduzida porque os contratos são revistos esporadicamente enquanto os aumentos de preços são um processo contínuo, de modo que os ajustamentos contratuais só melhoram os salários reais durante um determinado período de tempo; à medida que a inflação continua o seu curso ascendente, os salários reais caem novamente. Assim, o processo inflacionário não só reduz os salários reais como também afecta a sua variabilidade.

Principais indicadores da Inflação

Existem vários indicadores económicos fundamentais para entender a movimentação do índice da inflação em Portugal. Estes estão relacionados com o Produto Interno Bruto do país, com o consumo privado, com as exportações e importações ou com a Formação Bruta de Capital Fixo. Ou seja, os indicadores em causa são as contas nacionais, o mercado de trabalho e a própria inflação.

Anualmente, o Instituto Anual de Estatística (INE) apura a taxa de inflação do ano transato, o que permitindo assim aos analistas e investidores terem acesso a uma informação muito útil e fidedigna. A taxa de inflação a aplicar num determinado ano corresponde à taxa de variação média dos últimos doze meses, calculada em dezembro do ano transato. Ainda no site do INE, os investidores têm acesso a vários gráficos e quadros complementares, que permitem todo o estudo e análise do mercado, para que possam delinear as suas estratégias de investimento da melhor forma possível.

Por que deveríamos nos preocupar se os preços sobem demais?

A inflação elevada, por um lado, constitui uma fonte de redução do poder de compra dos consumidores e, por outro, conduz a uma forte incerteza no mercado e entre as empresas. O aumento dos preços, de facto, especialmente em sistemas onde o mercado de trabalho é particularmente rígido e caracterizado principalmente pela presença de mecanismos de negociação colectiva, nem sempre é equilibrado por um aumento correspondente dos salários. O que conduz essencialmente ao empobrecimento daqueles trabalhadores que não conseguem negociar, individual ou colectivamente, melhores condições salariais.

O que ocorre é, no fundo, um fenómeno de redistribuição de recursos daqueles que só podem contar com um rendimento rígido (por exemplo, os reformados) para aqueles que podem, graças ao maior poder de negociação ou à possibilidade de adaptar rapidamente o preço dos seus serviços. à taxa de inflação (exemplo: freelancers), ajustam os seus rendimentos de forma dinâmica às tendências dos preços.

Além disso, do ponto de vista das empresas, a inflação conduz à incerteza e, portanto, a um maior foco na necessidade de evitar a ocorrência de perdas e a uma menor propensão para fazer escolhas de investimento arriscadas.

Por que se preocupar mesmo que os preços caiam?

Uma redução dos preços está frequentemente associada a uma redução da actividade económica, pois pode resultar de uma redução na procura de bens e serviços, por exemplo devido a uma contracção dos rendimentos reais. No entanto, também pode resultar de um aumento na oferta. Neste caso nem sempre está associado a uma redução da actividade económica ou a um baixo crescimento. Quando a taxa de inflação cai abaixo de 0%, isso é chamado de deflação. Além disso, a deflação representa um problema para os devedores. Na verdade, o valor das dívidas monetárias (ou seja, aquelas que não decorrem de factos ilícitos, como um acidente de viação, por exemplo) é nominal. O devedor leva vantagem em períodos de inflação elevada, porque a dívida permanece nominalmente a mesma. Por exemplo, devo 100 em 2021, Ainda devo mais de 100 juros em 2023, mas obviamente o valor real da moeda cai. Inversamente, quando há uma forte deflação o credor fica obviamente em vantagem, mas em detrimento do devedor, que vê a sua dívida aumentar. E, portanto, a sua situação económica irá piorar.

Video “Combater a inflação”

Combater a inflação, a nível macroeconómico, não é fácil. Uma das poucas ferramentas de política monetária que os bancos centrais têm à sua disposição para controlar a dinâmica dos preços são as taxas de juro centrais. Estes influenciam o custo do dinheiro e, portanto, consequentemente, a taxa de juro aplicada pelos bancos ao consumidor. No entanto, tais intervenções também podem levar a uma redução do nível de actividade económica e a um aumento do desemprego. Identificar um ponto de equilíbrio entre estas duas necessidades não é, portanto, simples.

Como se comportar quando a inflação está alta

Para se proteger da inflação, é aconselhável rever as suas escolhas de investimento. Em primeiro lugar, em períodos de inflação elevada obviamente não é recomendado deixar o seu capital no banco ou em instrumentos pouco rentáveis, pois isso leva a uma certa erosão do capital. Assim, mercados como o petróleo, o ouro e o sector bancário podem ter um bom desempenho em tempos de inflação crescente, e é conveniente investir neles. Além disso, vários especialistas recomendam investir em ações, pois empresas que produzem bens ou prestam serviços ganham mais em tempos de inflação. Quando os preços sobem, mas os salários sobem lentamente, esta disparidade gera lucros mais elevados que remuneram os accionistas. Além disso, mesmo fora dos períodos inflacionários, historicamente sempre foi rentável investir em ações a longo prazo.

Num contexto económico caracterizado por um aumento sustentado da inflação, os investidores vêem-se frequentemente reconsiderando a composição das suas carteiras. As ações defensivas , muitas vezes ligadas a setores menos sensíveis às flutuações económicas, como os cuidados de saúde ou os bens de consumo básicos, ganham apelo nestes tempos de incerteza. Ao mesmo tempo, os ETFs defensivos , que acompanham índices compostos por uma variedade de ações com baixa volatilidade ou ligados a setores “à prova de recessão”, estão a tornar-se ferramentas cada vez mais populares para mitigar riscos. Mas não só: em cenários de inflação crescente, ativos portos seguroscomo o ouro ou as obrigações governamentais de países economicamente sólidos tornam-se particularmente atraentes, pois tendem a manter ou mesmo a aumentar o seu valor real. A opção por uma combinação destas diferentes classes de activos pode oferecer uma protecção mais abrangente contra as erosões inflacionistas.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF

Está a procurar uma corretora para investir? Aqui estão algumas corretoras do mercado 👇
Comissões 0%
Ações e ETFs
Grande seleção
Ações, ETFs e opções de ações
Variedade de produtos
e plataformas
Várias plataformas
de negociação
   Esta informação não constitui uma sugestão de investimento e recomendamos que procure informação adicional antes de tomar qualquer decisão.

Artigos Relacionados

Charlie Munger, uma das lendas do mundo financeiro, faleceu. Investidor, empresário, vice-presidente da Berkshire Hat...