Entrar
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Como investir em ativos financeiros?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

Os ativos financeiros, também conhecidos como instrumentos financeiros, representam um direito que os investidores possuem sobre um ativo. São essencialmente contratos que podem ser negociados no mercado financeiro, com valores que dependem dos ativos subjacentes que representam.

Ativos que posso investir (comprar) na bolsa

Estes ativos desempenham um papel crucial no mercado financeiro, atuando como uma ponte entre os investidores e as entidades que necessitam de financiamento. Eles permitem o fluxo eficiente de capital na economia, fornecendo uma forma de os investidores lucrarem com os seus investimentos e para as entidades adquirirem o financiamento necessário para as suas operações ou projetos.

Investir em ativos financeiros envolve a compra desses instrumentos com a expectativa de obter um retorno no futuro. Este retorno pode vir na forma de juros, dividendos ou um aumento no valor do ativo. A seleção adequada de ativos financeiros para investir requer uma compreensão clara dos diferentes tipos de ativos disponíveis, o seu potencial de retorno e o nível de risco associado.

Tipos de ativos financeiros

Investir no mercado financeiro envolve a aquisição de diferentes tipos de ativos financeiros. Cada ativo tem as suas próprias características, vantagens, desvantagens e níveis de risco. Compreender a natureza desses ativos e como eles operam é crucial para tomar decisões de investimento informadas e criar uma carteira de investimentos equilibrada. A seguir, vamos explorar alguns dos principais tipos de ativos financeiros: ações, obrigações, fundos de investimento, produtos de rendimento fixo e derivados financeiros.

Ações

As ações representam uma fração do capital social de uma empresa. Quando se compra ações, torna-se parte proprietário dessa empresa e, consequentemente, tem direito a uma parte dos lucros que a empresa gera, geralmente na forma de dividendos. As ações são negociadas em bolsas de valores, onde o preço varia de acordo com oferta e procura. O investimento em ações tem potencial para altos retornos, mas também apresenta com um nível significativo de risco, já que o valor das ações pode subir ou descer.

Investir em ações pode oferecer várias vantagens. Entre elas estão o potencial de elevado retorno se a empresa apresentar resultados positivos e a possibilidade de receber dividendos, que são partes dos lucros da empresa distribuídos aos acionistas. As ações também podem aumentar a diversificação de uma carteira de investimentos.

Além disso, atualmente, muitos brokers oferecem a opção de investir em ações fracionadas. Isso significa que os investidores podem comprar frações menores de uma ação, em vez de comprar uma ação inteira. Essa possibilidade torna o investimento em ações mais acessível para investidores com menor capital inicial, permitindo que eles obtenham uma participação em empresas de elevado valor nominal sem a necessidade de investir grandes quantias de dinheiro.

No entanto, investir em ações também apresenta desvantagens e riscos. O valor das ações pode flutuar significativamente, o que significa que é possível perder uma parte ou todo o investimento. Além disso, embora a empresa possa escolher pagar dividendos aos acionistas, não é obrigada a fazê-lo.

ETFs

Os ETFs (Exchange-Traded Funds) são um tipo de ativo financeiro que combina as características de um fundo de investimento com a negociação de ações numa bolsa de valores. Eles são uma forma popular de investimento que oferece aos investidores a oportunidade de diversificar as suas carteiras com eficiência, ao mesmo tempo, em que proporcionam facilidade de negociação e transparência.

Obrigações

As obrigações são uma forma de dívida que uma entidade, seja ela uma empresa ou um governo, emite para arrecadar fundos. Quando se compra uma obrigação, empresta-se dinheiro ao emissor em troca de juros regulares e o retorno do principal no vencimento. As obrigações são geralmente consideradas menos arriscadas do que as ações, mas isso pode variar dependendo da solidez do emissor.

Investir em obrigações apresenta várias vantagens. Em primeiro lugar, elas fornecem um fluxo de rendimento regular e previsível através do pagamento de juros. Além disso, são geralmente consideradas um investimento menos arriscado do que as ações, pois, a menos que o emissor entre em falência, o investidor recebe de volta o valor principal no vencimento.

No entanto, as obrigações também apresentam desvantagens. Embora sejam menos arriscadas do que as ações, o retorno potencial é geralmente mais baixo. Além disso, existe o risco de crédito, que é a possibilidade do emissor não cumprir com as suas obrigações de pagamento.

Fundo de investimento

Os fundos de investimento são instrumentos financeiros que agregam recursos de diversos investidores, permitindo-lhes a diversificação e a gestão profissional dos seus investimentos. Cada participante, adquire unidades de partipação que representam uma fração do património total do fundo. Esse património é investido por gestores especializados, que aplicam o dinheiro de acordo com a política de investimento predefinida do fundo.

Para escolher o melhor fundo de investimento, é importante considerar vários fatores. Alguns deles incluem o perfil de risco do investidor, os objetivos de investimento, o prazo de investimento pretendido, as taxas de administração do fundo, a reputação e o histórico do gestor do fundo, bem como o desempenho passado do fundo.

Investir em fundos de investimento oferece diversos benefícios. Além de permitir a diversificação dos investimentos, dá acesso a gestores de investimentos profissionais, que têm a experiência e os recursos para analisar em profundidade os mercados financeiros. Adicionalmente, os fundos de investimento podem ser uma maneira conveniente de investir, uma vez que o gestor do fundo se encarrega das decisões de investimento do dia a dia.

No entanto, também existem riscos associados aos fundos de investimento. A rentabilidade do fundo pode não alcançar as expectativas, e o valor das unidades de participação pode oscilar, o que significa que os investidores podem perder parte ou a totalidade do seu investimento inicial. Além disso, o fundo pode ser afetado por eventos adversos de mercado, e as decisões de investimento feitas pelo gestor podem não ser bem-sucedidas. Por fim, os custos associados ao investimento num fundo, como as taxas de administração e de desempenho, podem afetar a rentabilidade do investimento.

Produtos de rendimento fixo

Produtos de rendimento fixo são investimentos que pagam ao investidor uma taxa de retorno fixa ao longo do tempo. Incluem-se aqui instrumentos como depósitos a prazo e títulos do tesouro.

Os depósitos a prazo são produtos bancários onde o investidor deposita uma quantia de dinheiro por um período de tempo definido, durante o qual o dinheiro acumula juros a uma taxa pré-acordada. No final do prazo, o investidor recebe de volta o valor depositado mais os juros acumulados.

Títulos do tesouro são dívidas emitidas pelo governo para financiar as suas atividades. Quando se compra um título do tesouro, está-se efetivamente a emprestar dinheiro ao governo. Em troca, o governo promete pagar ao investidor juros fixos periodicamente e devolver o valor principal na data de vencimento do título.

Investir em produtos de rendimento fixo tem várias vantagens. Eles proporcionam um fluxo de rendimento estável e previsível, o que pode ser particularmente útil para investidores que procuram uma fonte de rendimento regular. Além disso, os produtos de rendimento fixo são geralmente considerados investimentos de baixo risco, especialmente quando emitidos por governos estáveis ou instituições financeiras sólidas.

No entanto, também existem riscos ao investir em produtos de rendimento fixo. O principal deles é o risco de crédito, que é a possibilidade do emissor não cumprir com as suas obrigações de pagamento. Além disso, como a taxa de retorno é fixa, os produtos de rendimento fixo podem não oferecer um retorno real positivo se a taxa de inflação for maior do que a taxa de juros recebida. Por fim, existe o risco de liquidez, que é a possibilidade de não conseguir vender o investimento quando necessário ou sem perder dinheiro.

Derivados financeiros

Derivados financeiros são instrumentos que têm seu valor baseado num ativo subjacente, como ações, títulos, commodities, moedas, entre outros. Esses instrumentos têm este nome pois o seu valor deriva do preço de um ativo subjacente. Dois exemplos comuns de derivados financeiros são opções e futuros.

Opções:

As opções são contratos que concedem ao titular o direito, mas não a obrigação, de comprar (opção de compra ou “call”) ou vender (opção de venda ou “put”) um ativo subjacente a um preço pré-determinado (preço de exercício) em ou antes de uma data específica (data de vencimento). O comprador da opção paga um préêmio ao vendedor para obter esse direito. As opções oferecem uma maneira de se proteger contra riscos de preço ou especular sobre a direção futura dos preços dos ativos subjacentes.

Futuros:

Os contratos de futuros são acordos vinculativos para comprar ou vender um ativo subjacente a um preço específico numa data futura pré-definida. Estes contratos padronizados são negociados em bolsas de futuros. Eles são frequentemente utilizados para fins de hedging, permitindo que produtores e compradores garantam um preço para um determinado ativo no futuro, protegendo-se contra a volatilidade dos preços.

Além das opções e futuros mencionados anteriormente, outro tipo de derivado financeiro bastante comum é o Contrato por Diferença (CFD – Contract for Difference). Os CFDs são instrumentos financeiros que permitem aos investidores especularem sobre a variação de preços de ativos subjacentes sem a necessidade de deterpossuir o ativo em si.

Vantagens dos derivados financeiros:

Hedging para redução de riscos: Uma das principais vantagens dos derivados é a capacidade de realizar operações de hedging, permitindo que os investidores se protejam contra riscos de preço e volatilidade dos ativos subjacentes. Por exemplo, produtores agrícolas podem utilizar contratos de futuros para garantir um preço mínimo para sua produção, protegendo-se contra possíveis quedas nos preços no momento da colheita. Desta forma, os derivados fornecem uma forma de mitigar riscos associados a flutuações de preços.

Potencial de alavancagem para maiores ganhos: Os derivados oferecem a possibilidade de operar com alavancagem, o que permite que os investidores controlem uma posição maior do que o investimento inicial. Essa alavancagem pode ampliar o potencial de ganhos. Por exemplo, um investidor com 1.000€ pode utilizar esse valor para adquirir um contrato de futuros no valor de 10.000€, permitindo a participação em movimentos maiores de preço. No entanto, é essencial lembrar que a alavancagem também aumenta os riscos de perdas.

Desvantagens dos derivados financeiros:

Riscos elevados e potenciais perdas: A alavancagem que permite maiores ganhos também pode levar a perdas substanciais. Se o mercado se mover contra a posição do investidor, as perdas podem exceder o capital investido. Istso é especialmente relevante em cenários de elevada volatilidade e eventos inesperados, que podem afetar negativamente o valor dos ativos subjacentes e dos derivados.

Complexidade e conhecimento necessário: Os derivados financeiros são produtos complexos, exigindo um conhecimento sólido e compreensão adequada para utilizá-los de maneira eficaz. Investidores inexperientes ou mal informados podem tomar decisões inadequadas, resultando em perdas significativas. É crucial que os investidores estejam cientes dos diferentes tipos de derivados, das suas características e dos riscos envolvidos antes de começar a negociar neste mercado.

É fundamental destacar que investir em derivados financeiros envolve riscos significativos e requer conhecimento adequado dos produtos e dos mercados. Como tal, é recomendável que os investidores procurem orientação de profissionais especializados e compreendam completamente os riscos envolvidos antes de iniciar qualquer atividade neste mercado.

Como investir em ativos financeiros

Abra uma conta de investimento: Irá precisar de uma conta numa corretora ou instituição financeira para comprar e vender investimentos. Escolha uma que ofereça as opções que você deseja e uma interface fácil de usar. Se estiver em dúvida sobre qual escolher, consulte nosso artigo sobre as melhores corretoras de bolsa e também não perca o nosso curso gratuito no YouTube (explicamos mais abaixo).

Invista de forma gradual: Não invista todo o seu dinheiro de uma vez. Considere investir gradualmente ao longo do tempo para aproveitar oportunidades de mercado.

Monitorize e ajuste: Acompanhe regularmente seus investimentos e faça ajustes conforme necessário. O desempenho de diferentes ativos pode variar com o tempo.

Curso “Do Zero a Investidor” no YouTube

Em colaboração com Gonçalo Malheiro, desenvolvemos um curso focado em ensinar como investir na Bolsa desde o início. Esta série de vídeos é feita tanto para investidores iniciantes quanto para os mais experientes. Aprenda passo a passo, desde a compreensão básica da bolsa de valores até a criação da sua própria carteira de ações. E o melhor? Aprenderá também a partir dos nossos erros e acertos. Assista agora a “Do Zero a Investidor”.

Que tipo de ativo financeiro escolher?

A escolha do tipo de ativo financeiro dependerá de diversos fatores, incluindo os seus objetivos financeiros, tolerância ao risco, horizonte temporal de investimento e conhecimento sobre os diferentes tipos de ativos.

A escolha do tipo de ativo dependerá dos seus objetivos e situação financeira. Se procura crescimento a longo prazo, ações podem ser uma opção. Se deseja rendimento estável, títulos ou imóveis podem ser mais adequados. A diversificação é importante para reduzir o risco, portanto considere combinar diferentes tipos de ativos na sua carteira.

Lembre-se de que cada tipo de ativo apresenta os seus próprios riscos e potenciais retornos. É aconselhável fazer uma análise aprofundada e, caso necessário, com a ajuda de um consultor financeiro, antes de tomar decisões de investimento.

Vantagens e desvantagens de investir em ativos financeiros

Investir em ativos financeiros oferece várias vantagens e desvantagens, que devem ser consideradas cuidadosamente ao tomar decisões de investimento. Aqui estão algumas das principais vantagens e desvantagens:

Vantagens

Potencial de crescimento: Muitos ativos financeiros, como ações e investimentos em startups, têm potencial de valorização ao longo do tempo, permitindo que o seu dinheiro cresça.

Diversificação: Investir em diferentes tipos de ativos ajuda a diversificar a sua carteira, reduzindo o risco de perdas significativas caso um único investimento tenha mau desempenho.

Rendimento passivo: Alguns ativos, como títulos e imóveis para arrendamento, podem gerar rendimento passivo regular na forma de juros, dividendos ou arrendamento.

Acesso a mercados globais: Com a tecnologia atual, é possível investir em mercados financeiros ao redor do mundo, permitindo aproveitar oportunidades globais.

Liquidez: Muitos ativos podem ser comprados e vendidos de forma relativamente fácil, proporcionando liquidez caso precise de dinheiro rapidamente.

Desvantagens

Risco de perda: Todos os investimentos acarretam algum grau de risco. O valor de muitos ativos pode diminuir, resultando em perdas financeiras.

Volatilidade: Os mercados financeiros podem ser voláteis, com flutuações de curto prazo nos preços dos ativos, o que pode ser stressante para alguns investidores.

Necessidade de conhecimento: Investir requer conhecimento sobre os diferentes tipos de ativos, mercados e estratégias. Tomar decisões sem informação adequada pode levar a resultados negativos.

Custos e taxas: Investir frequentemente envolve custos, como taxas de corretagem, gestão e impostos sobre ganhos de capital, que podem reduzir os retornos.

Retorno não garantido: Enquanto muitos ativos apresentam potencial de crescimento, não existe garantia de retorno positivo. Alguns investimentos podem até mesmo resultar em perdas totais.

Complexidade: Alguns tipos de ativos, como derivados financeiros, podem ser complexos e arriscados, exigindo um entendimento profundo antes de investir.

Necessidade de tempo e monitorização: Investir pode exigir tempo e atenção para acompanhar o desempenho dos seus investimentos, fazer ajustes e tomar decisões informadas.

É importante avaliar cuidadosamente estas vantagens e desvantagens em relação aos seus próprios objetivos, tolerância ao risco e situação financeira. Não existe um “melhor” tipo de investimento para todos, e a diversificação inteligente pode ser uma forma de equilibrar riscos e recompensas.

FAQs

O que são ativos financeiros?

Os ativos financeiros são instrumentos ou títulos que representam uma propriedade ou direito económico que pode ser negociado no mercado. Estes incluem uma ampla variedade de investimentos, como ações, títulos, fundos de investimento, certificados de depósito (CDs), entre outros.

Quais são os principais tipos de ativos financeiros?

Os principais tipos de ativos financeiros incluem ações (ações de empresas), títulos (dívidas emitidas por governos ou empresas), fundos de investimento (pools de dinheiro de investidores), imóveis (propriedades físicas), commodities (bens tangíveis como ouro e petróleo) e moedas (câmbio).

Quais são os ativos financeiros de maior risco?

Normalmente, os ativos financeiros com maior risco potencial são as ações de empresas de menor dimensão e menos estabelecidas, derivados financeiros complexos, títulos de elevado rendimento (também conhecidos como junk bonds) e investimentos em mercados emergentes.

Quais são os ativos financeiros mais seguros?

Os ativos financeiros considerados mais seguros geralmente incluem títulos emitidos por governos sólidos e confiáveis, como títulos do tesouro de países com boa classificação de crédito. Além disso, investimentos em grandes empresas estabelecidas e fundos de investimento de rendimento fixo de baixo risco também são considerados mais seguros.

Como diversificar os meus investimentos em diferentes tipos de ativos financeiros?

A diversificação é uma estratégia importante para reduzir o risco na sua carteira de investimentos. É possível diversificar os seus investimentos distribuindo o dinheiro porem diferentes classes de ativos financeiros. Isto pode incluir uma combinação de ações, títulos, imóveis, fundos de investimento e outros investimentos. Ao diversificar, ajuda-se a mitigar os impactos negativos de um mau desempenho num determinado setor, pois é possívelpode-se obter ganhos em outros ativos com melhor desempenho

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF

Está a procurar uma corretora para investir? Aqui estão algumas corretoras do mercado 👇
Comissões 0%
Ações e ETFs
Grande seleção
Ações, ETFs e opções de ações
Variedade de produtos
e plataformas
Várias plataformas
de negociação
   Esta informação não constitui uma sugestão de investimento e recomendamos que procure informação adicional antes de tomar qualquer decisão.

Artigos Relacionados

Charlie Munger, uma das lendas do mundo financeiro, faleceu. Investidor, empresário, vice-presidente da Berkshire Hat...

Deixar uma Resposta

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments