O que são contrato de futuros? - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

O que são contrato de futuros?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Um contrato de futuros é um acordo legal para comprar ou vender um determinado produto, ou ativo a um preço predeterminado num momento específico no futuro. Os contratos futuros são padronizados em termos de qualidade e quantidade para facilitar a negociação em bolsa de futuros (no mercado de derivados). O comprador de um contrato futuro está assumindo a obrigação de comprar o ativo subjacente quando o contrato futuro expirar. O vendedor do contrato de futuros está assumindo a obrigação de fornecer o ativo subjacente na data de vencimento.

O que é um contrato de futuros?

“Contrato de futuros” e “futuros” referem-se ao mesmo. Por exemplo, podemos ouvir alguém dizer que comprou futuros de petróleo, o que significa o mesmo que um contrato de futuros de petróleo. Quando alguém diz “contratos futuros”, eles geralmente se referem a um tipo específico de futuro, como futuros de petróleo, ouro, títulos ou índices, como o S&P 500 . O termo” futuros” é mais geral e é frequentemente usado para se referir a todo o mercado.

Os futuros são contratos standard celebrados entre duas partes, onde fica desde logo estipulado a sua data de expiração e um preço fixo.

E porquê chamá-los futuros? Porque se refere a um contrato para entrega de um produto elementar num momento definido no futuro e a um preço também ele já definido. Os futuros são um instrumento do tipo derivado porque o produto propriamente dito não é detido. Desta forma, este adquire o seu valor com base no preço de um ativo elementar, ativo esse que pode ser um índice, um instrumento financeiro ou uma mercadoria.

Como funcionam os futuros?

Importa saber que os contratos de futuros são contratos negociáveis que dizem respeito à compra (longa) ou venda (curta) de um ativo. A disponibilização desse ativo ocorre no futuro, numa data e a um preço previamente acordados.

Compradores e vendedores têm diferentes expectativas quanto à forma como o valor do ativo se materializará, uma vez que um comprador obtém um lucro bruto quando se dá um aumento do valor do ativo subjacente no fecho, e um prejuízo bruto, no caso de uma descida do valor. É também importante referir que se assumir uma posição longa ao negociar contratos de futuros, é porque está em crer que o preço do subjacente irá aumentar.

Exemplo de contrato de futuros

Os contratos de futuros são usados ​​por duas categorias de participantes do mercadocobertura e especuladores. Os produtores ou compradores de uma cobertura activo subjacente ou garantir o preço a que vende ou compra o produto, enquanto os gerentes de carteira e operadores também pode apostar em movimentos de preço de um activo subjacente usando futuros.

Um produtor de petróleo precisa vender o seu petróleo. Eles podem usar contratos futuros para fazer isso. Dessa forma, eles podem definir um preço pelo qual eles venderão e depois entregarão o óleo ao comprador quando o contrato futuro expirar. Da mesma forma, uma empresa de indústria pode precisar de petróleo para produzir certos produtos acabados. Como eles gostam de planejar e sempre precisam de petróleo todos os meses, eles também podem usar contratos futuros. Desta forma, eles sabem antecipadamente o preço que pagarão pelo petróleo (o preço de exercício do contrato futuro) e sabem que receberão a entrega do óleo quando o contrato expirar.

Os futuros estão disponíveis em muitos tipos diferentes de ativos. Existem contratos futuros sobre índices de ações, commodities e de moedas.

Como liquidar os futuros?

Como já referimos anteriormente, todos os contratos de futuros estipulam, desde logo, a data de expiração, data essa que corresponde, então, à data de liquidação. Esta liquidação pode ser em numerário ou mediante entrega física. Regra geral, os futuros sobre índices são liquidados em numerário. Já com a entrega física, há a garantia de que os bens em causa são efetivamente entregues. Contudo, é raro tal acontecer, pois costumam ser vendidos antes da data de expiração.

Uma das principais razões para investir neste tipo de produto financeiro é a obtenção de lucros ao aproveitar as diferenças de preço dos títulos subjacentes. Por isso, a liquidação em numerário é a forma mais comum do que a entrega física. Com a compra e venda não existe fluxo monetário. O valor acordado será apenas pago na entrega. Porém, há corretores de bolsa que exigem um pagamento inicial por causa do compromisso assumido.

Exemplo

Vejamos um exemplo para uma melhor perceção. Há um determinado índice na bolsa que o investidor acredita que subirá. Este está nos 600 pontos e considera-se um contrato de futuros com uma dimensão de contrato de 200 e o valor do mesmo é de 120 mil euros.

Quando se negoceia futuros, regra geral não é pago o valor integral no momento da compra, mas sim apenas uma margem inicial para celebrar o contrato. Havendo uma margem de 15%, obteria uma exposição de 120 mil euros ao subjacente através de um depósito mínimo de 18 mil euros, como margem da sua conta.

Quer isto dizer que pode obter uma grande exposição por uma pequena margem inicial com um contrato de futuros. Se o índice descer e a margem for a (15%), é feito um pedido de reforço, por forma a que o valor aumente ao limiar de 15%.

De ressalvar que os futuros são liquidados diariamente, o que quer dizer que se o futuro tiver ganho e pontos até ao final da sessão da bolsa, terá ganho 3 vezes o multiplicador de 200 euros, num total de 600 euros.

A cobertura dos futuros

Este é um método comummente utilizado para cobrir o risco. Investidores e empresas recorrem ao mesmo para neutralizarem, na medida do possível, o risco. E esta neutralização só se consegue a remover a incerteza do preço futuro de um objeto ou de um produto financeiro.

Existem coberturas longas e curtas. Regra geral, quem opta por uma cobertura curta são operadores que possuem um ativo e estão preocupados com uma queda nos preços antes do final das vendas. Já as coberturas longas dão-se, por exemplo, quando uma empresa sabe que precisa de comprar um item específico numa data futura, e o preço à vista for superior ao preço futuro, pode bloquear o preço mais baixo.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Manual de Bolsa

Este e-book para aprender a investir na bolsa do zero irá ajudá-lo a saber o que  precisa para começar com sucesso no mundo dos mercados financeiros:

  • O que é a Bolsa de Valores?
  • Como começar a comprar na Bolsa?
  • Como criar uma carteira de ações a partir do zero?
  • E muito mais…

Artigos Relacionados

XTB é uma dos mais populares corretoras de CFD na Europa e no mundo, devido à sua forte regulamentação, baixo depósito mínimo e excelente plataforma de trading. Abaixo, mostramos como criar conta na XTB pass...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments