Investimentos de curto prazo

investimento curto prazo

Os investimentos de curto prazo são ativos que podem ser convertidos em dinheiro ou vendidos em um curto período de tempo, normalmente entre 1-3 anos. Os instrumentos comuns para investimento de curto prazo incluem títulos de curto prazo, Bilhetes do Tesouro e outros fundos do mercado monetário. A negociação de curto prazo ou day trading envolve um grau significativo de especulação e, consequentemente, um risco substancial.

O que são investimentos de curto prazo?

Os investimentos de curto prazo são ativos que podem ser convertidos em dinheiro ou vendidos em um curto período de tempo, normalmente entre 1-3 anos.

Bilhetes do Tesouro

Os Bilhetes do Tesouro são normalmente emitidos por recurso a leilões. A realização dos leilões segue normalmente um calendário anunciado no início de ano ou no início de cada trimestre. Por norma, os leilões de BT têm lugar na primeira e/ou terceira quarta-feira do mês.

Certificados de Aforro

Os certificados de aforro são instrumentos de dívida criados com o objetivo de captar a poupança das famílias. Têm como característica principal o serem distribuídos a retalho, isto é, serem colocados diretamente juntos dos aforradores e terem montantes mínimos de subscrição reduzidos. Os certificados de aforro só podem ser emitidos a favor de particulares e não são transmissíveis exceto em caso de falecimento do titular.

Fundos do mercado mobiliários

Os FMM emitem ações para os investidores financiarem as suas atividades, oferecendo um elevado grau de liquidez, diversificação e rendimentos baseados no mercado.

O valor das suas ações flutua em função do preço dos instrumentos de dívida em que investiram. Têm de manter um elevado nível de liquidez dos ativos a fim de poderem satisfazer resgates diários por parte dos investidores.

Os FMM são considerados entidades de importância sistémica, devido aos laços estreitos com o setor bancário e outras atividades financeiras. Além disso, os FMM são uma importante fonte de financiamento das empresas e da administração pública, pelo que a corrida aos fundos (isto é, levantamentos em massa dos FMM) numa situação de crise financeira pode ter importantes consequências a nível macroeconómico.

Que vantagens e desvantagens trazem?

Vantagens do investimento de curto prazo

  • O investimento de curto prazo oferece flexibilidade ao investidor, pois ele não precisa esperar o vencimento do título para obter dinheiro. Por outro lado, os investimentos de longo prazo podem ser liquidados com a venda no mercado secundário, mas o investidor ganha menos.
  • Os investidores podem obter lucros substanciais em um período de tempo muito curto.
  • É menos arriscado porque o dinheiro investido por transação é substancialmente menor.

Desvantagens do investimento de curto prazo

  • Os investimentos de curto prazo apresentam custos elevados devido ao alto volume de transações e às taxas de comissão de corretagem correspondentes. Os impostos e a inflação também reduzem os retornos obtidos com os investimentos de curto prazo.
  • Isso envolve um certo nível de conhecimento e tempo, pois os investidores devem monitorar de perto os movimentos de preços e identificar os pontos de compra e / ou venda.

Estratégias para investimentos de curto prazo

1. Identificar o trade certo

É importante buscar negócios que envolvam risco mínimo. Uma extensa pesquisa de mercado é importante para reconhecer candidatos potenciais de forma eficiente. O processo inclui o seguinte:

  • Monitorar a média móvel do preço de uma determinada ação durante um período
  • Normalmente, os ciclos incluem períodos de 15, 50, 100 e 200 dias. Uma ação com uma média móvel de inclinação ascendente pode ser comprada, enquanto aquelas com uma curva inclinada para baixo ou achatada podem ser vendidas a descoberto.
  • Os ciclos e tendências do mercado devem ser monitorados de perto. Tendências negativas sugerem poucas oportunidades de compra e vice-versa.
  • Situações externas podem exercer um grande efeito sobre os preços do mercado de ações. Portanto, é importante seguir e receber dicas de notícias relacionadas a negócios, como acordos de processos judiciais, novos regulamentos, escândalos e ambientes políticos em mudança.

2. Diversificação

A diversificação é um método de controlar ou mitigar riscos enquanto maximiza os retornos. Envolve uma mistura de diferentes tipos de ativos com riscos e retornos variados. A diversificação funciona apenas em situações em que os tipos de ativos investidos são mutuamente exclusivos. Por exemplo, uma carteira que inclui investimentos em vários títulos no mesmo setor, ou seja, que são correlacionados, não é considerada diversificada.

3. Hedging

Hedging é um processo que visa eliminar todos os riscos associados a um ativo. Os instrumentos financeiros derivativos, como opções, futuros e swaps (que derivam seu valor de um ativo subjacente), permitem que os investidores segurem contra o risco associado ao ativo em questão.

4. Venda esgotada

A venda esgotada é uma estratégia de nicho que geralmente é empregada apenas por day traders experientes. Geralmente, é feito após períodos de vendas de pânico induzidos por alarmes de recessão ou outras ameaças externas. Os investidores podem comprar a preços excepcionalmente baixos e obter lucro logo depois. Isso é possível porque os preços baixos criados devido à venda em pânico não refletem o valor real subjacente do ativo, que pode ser muito mais alto.

5. Negociação forex em tempo real

A negociação forex em tempo real é uma forma de especulação em que um investidor aposta nos movimentos futuros dos preços de uma determinada moeda. Ele usa indicadores técnicos para medir as mudanças esperadas nas relações de câmbio das moedas. É uma forma de negociação algorítmica, o que significa que não pode ser feito sem o uso de software sofisticado.

0

Sobre o autor

Henrique Garcia

Analista de Mercados

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *