Onde Colocar o Fundo de Emergência

Onde Colocar o Fundo de Emergência

Ter um fundo de emergência é fundamental para a saúde das finanças de cada família, estamos constantemente a ser afetados por crises e nunca sabemos atempadamente quando iremos necessitar de algum dinheiro para alguma despesa extra, portanto para que estejamos mais confortáveis para enfrentar as crises e os momentos financeiramente mais difíceis, nada melhor que começar desde cedo a preparar o fundo de emergência.

Onde Colocar o Fundo de Emergência

Primeiramente, o fundo de emergência, tal como o nome indica, é para ser utilizado em emergências e nunca saberemos se vamos necessitar do dinheiro daqui a uma semana ou só daqui a 5 anos, mas tal como sabemos o dinheiro está constantemente a perder valor devido à inflação (subida generalizada dos preços),ou seja, com 100€ euros hoje consigo comprar uma maior quantidade de bens do que irei conseguir comprar daqui a 5 anos com esses mesmos 100€.

Em consequência, para que o nosso fundo não esteja a perder valor com o tempo, é preciso que este dinheiro cresça a uma taxa igual ou superior à da inflação, e que em Portugal tem sido de 0,1% em média dos últimos 8 anos (segundo dados do INE).

Tal como sabemos de antemão, o mais importante, é que devemos ter o nosso fundo de emergência guardado num local seguro (em que o capital seja garantido) e de fácil liquidez,  para que possamos ter acesso ao dinheiro e movimentá-lo rapidamente quando necessário.

Tendo em conta estas três premissas anunciadas em cima: Segurança, Liquidez e Rentabilidade (igual ou superior à inflação), apresentarei algumas possíveis opções para guardar o seu fundo de emergência.

Depósito a prazo

Os depósitos a prazo são a aplicação financeira mais conhecida e utilizada em Portugal e apesar de, nos tempos que correm, as taxas de juro para depósitos a prazo oferecidas pelos bancos serem muito baixas, aproximadamente 0,1% em média (igual à média da taxa de inflação dos últimos 8 anos), estas aplicações serão sempre uma excelente opção para colocar o fundo de emergência, pois são produtos, todos eles garantidos pelo Fundo de Garantia da União Europeia, que garante ao depositários todo o montante aplicado até 100.000€ e que para além disso,  se caracterizam pela sua elevada liquidez.

Certificados

Os certificados são produtos de dívida pública, ou seja, são produtos utilizados pelo Estado Português para se financiar através das famílias. São os produtos financeiros que conjuntamente apresentam uma maior rentabilidade e a garantia de todo o capital investido, o que faz destes produtos uma excelente opção para alocar o fundo de emergência.

Atualmente existem dois tipos de certificados, os Certificados de Aforro, caracterizados por ter uma taxa de juro variável, e por outro lado, os Certificados do Tesouro Poupança Crescimento caracterizados por ter uma taxa de juro base fixa.

Na tabela abaixo são descritas, as principais características destes produtos financeiros.

Descrição Certificados de Aforro Certificados do Tesouro Poupança Crescimento
Prazo 10 anos 7 anos
Capitalização Sim Não
Resgate Antecipado 3 meses após data-valor da subscrição 1 ano após data-valor da subscrição
Prémio de Permanência + 0,5% – do início do 2º ano ao final do 5º ano

+1% – do início do 6º ano ao final do 10º ano

A partir do 2º ano, + 40% do crescimento médio real do PIB
Mínimo de Subscrição 100 unidades (100€) 1.000 unidades (1.000€)
Taxa de Juro Euribor (3 meses) + 1% 1º ano = 0,75%

2º ano = 0,75%

3º ano = 1,05%

4º ano = 1,35%

5º ano = 1,65%

6º ano = 1,95%

7º ano = 2,25%

Toda a informação contida nesta tabela encontra-se disponível na página oficial da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP, onde podem ser consultadas todas as informações sobre Certificados.

Conclusão

Em conclusão, com estas alternativas apresentadas ao longo de todo o artigo, difícil é não ter o dinheiro a render.

Contudo, antes de investir é sempre recomendado fazer uma análise pessoal sobre os produtos financeiros em pretende alocar o seu dinheiro, assim como, perceber todas as suas características de forma a encontrar o produto mais apropriado ao seu perfil e às suas necessidades.


Todo o conteúdo presente neste artigo tem apenas fins informativos e educacionais e não constitui uma recomendação ou qualquer tipo de aconselhamento financeiro.

1+

Sobre o autor

Rúben José

Aluno da Licenciatura de Finanças e Contabilidade do ISCTE-IUL

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *