Entrar
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Quando comprar e vender ações na bolsa?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

Quando comprar e vender uma ação na bolsa?

O investimento no mercado de ações é uma atividade que requer uma análise cuidadosa e uma compreensão profunda das dinâmicas económicas. A tomada de decisões sobre quando comprar ou vender uma ação é um processo complexo, influenciado por uma variedade de fatores, incluindo a saúde económica global, as tendências setoriais e o desempenho individual das empresas. Contudo, com um conhecimento sólido dos princípios fundamentais do mercado e uma estratégia de investimento bem concebida, é possível navegar com confiança neste ambiente desafiador.

Neste artigo, exploraremos em profundidade o campo do investimento em ações. Iniciaremos a nossa discussão com uma análise do nível de risco que um investidor pode estar disposto a assumir e como isso pode influenciar as suas decisões de investimento. Em seguida, abordaremos a questão de quando é o momento mais apropriado para comprar ações, tendo em consideração fatores como as condições do mercado e os indicadores económicos. Finalmente, trataremos da questão crucial de quando comprar e vender ações, fornecendo orientações estratégicas para auxiliar na tomada de decisões informadas.

Portanto, caso queira aprofundar os seus conhecimentos sobre o investimento em ações e melhorar a sua capacidade de tomar decisões de investimento informadas, sugerimos continuar a leitura.

O que são ações?

As ações representam uma fração da propriedade de uma empresa e constituem a base do mercado de ações. Quando uma pessoa compra ações de uma empresa, torna-se um acionista e adquire uma parte da propriedade dessa empresa.

As ações são emitidas por empresas para angariar capital, que pode ser utilizado para financiar operações, expandir o negócio, ou pagar dívidas. Em troca, os acionistas têm direito a uma parte dos lucros da empresa, geralmente na forma de dividendos, e podem ter direito a voto nas assembleias gerais da empresa.

Existem dois tipos principais de ações: ações ordinárias e ações preferenciais. Os detentores de ações ordinárias têm direito a voto nas assembleias gerais da empresa e podem receber dividendos, embora o pagamento de dividendos não seja garantido. Os detentores de ações preferenciais, por outro lado, têm um direito superior ao dos detentores de ações ordinárias no que diz respeito ao pagamento de dividendos e ao reembolso do capital em caso de liquidação da empresa, mas geralmente não têm direitos de voto.

Leia também 👉 O que são ações e como funcionam

Como são transacionadas as ações cotadas em bolsas?

As ações cotadas em bolsas são transacionadas mediante um processo que envolve vários passos e participantes. Aqui está um resumo de como funciona:

Ordem de compra ou venda: Tudo começa quando um investidor decide comprar ou vender ações. O investidor coloca uma ordem através da sua corretora, especificando o número de ações que deseja comprar ou vender e o preço, que está disposto a pagar ou a receber.

Transmissão da ordem: A corretora transmite a ordem para a bolsa de valores, onde a ação está cotada. As bolsas de valores são mercados organizados onde as ações são compradas e vendidas.

Correspondência da ordem: Na bolsa de valores, a ordem é correspondida com uma ordem oposta – uma ordem de venda para uma ordem de compra, ou uma ordem de compra para uma ordem de venda. Este processo é geralmente realizado por computadores que combinam ordens com base no preço e na sequência em que foram recebidas.

Execução da ordem: Uma vez que as ordens são correspondidas, a transação é executada. A propriedade das ações é transferida do vendedor para o comprador, e o dinheiro é transferido do comprador para o vendedor.

Confirmação da transação: Após a execução da transação, a corretora confirma a transação com o investidor. O investidor recebe um relatório de confirmação detalhando os termos da transação, incluindo o número de ações compradas ou vendidas e o respetivo preço.

Qual é o risco que posso assumir?

O risco é uma componente inerente ao investimento no mercado de ações. Cada investidor tem um nível de tolerância ao risco que é único e que deve ser considerado ao tomar decisões de investimento. A tolerância ao risco é influenciada por uma variedade de fatores, incluindo a idade do investidor, a situação financeira, os objetivos de investimento e o horizonte de investimento.

Em termos simples, o risco pode ser definido como a possibilidade de um investimento não produzir o retorno esperado. No contexto do investimento em ações, o risco pode surgir devido a fatores como a volatilidade do mercado, as mudanças nas condições económicas, ou os problemas específicos de uma empresa.

Antes de investir no mercado de ações, é importante avaliar cuidadosamente o seu nível de tolerância ao risco. Isto pode ser feito mediante uma análise cuidadosa da sua situação financeira e dos seus objetivos de investimento. Por exemplo, se está a investir para a reforma e ainda faltam muitos anos para se reformar, pode estar disposto a assumir um risco maior em troca de um potencial retorno mais elevado. Por outro lado, se está perto da reforma, pode preferir investimentos mais seguros que ofereçam um retorno mais estável.

Além disso, é importante lembrar que o risco pode ser gerido mediante uma diversificação eficaz do portfólio. Ao investir numa variedade de ações de diferentes setores e regiões, pode-se reduzir o impacto negativo que um único investimento mal sucedido pode ter no portefólio global.

Em suma, a chave para um investimento bem-sucedido é entender o nível de risco disposto a assumir e gerir esse risco eficazmente mediante uma estratégia de investimento bem planeada e uma diversificação eficaz do portfólio.

Entender o seu perfil de risco

O perfil de risco de um investidor é uma avaliação das suas atitudes e capacidades relativamente ao risco. É uma medida de quanto risco um investidor está disposto e consegue assumir. Compreender o seu perfil de risco é um passo fundamental na criação de uma estratégia de investimento eficaz.

Existem vários fatores que podem influenciar o perfil de risco de um investidor. Estes incluem:

Objetivos de investimento: Se os seus objetivos de investimento são de longo prazo, como a reforma, pode estar disposto a assumir um maior risco para obter retornos potencialmente mais elevados. Por outro lado, se os seus objetivos são de curto prazo, como a compra de uma casa, pode preferir investimentos de menor risco que ofereçam retornos mais estáveis.

Horizonte temporal: O horizonte temporal refere-se ao tempo que planeia manter o seu investimento. Se tem um horizonte de tempo longo, pode estar mais disposto a assumir riscos, ao ter mais tempo para recuperar de eventuais perdas. Se o seu horizonte de tempo é curto, pode preferir investimentos de menor risco.

Situação financeira: A sua situação financeira atual também pode influenciar o seu perfil de risco. Se tem uma situação financeira estável e um fundo de emergência adequado, pode estar mais disposto a assumir riscos. Por outro lado, se a sua situação financeira é precária, pode preferir investimentos de menor risco.

Compreender o seu perfil de risco é essencial para tomar decisões de investimento informadas. Ao conhecer o seu perfil de risco, pode escolher investimentos que se alinhem com a sua tolerância ao risco e os seus objetivos de investimento, ajudando-o/a a alcançar os seus objetivos financeiros eficazmente.

Leia ainda 👉 Qual é o seu perfil de investidor?

Quando comprar e vender ações?

A decisão de quando comprar e vender ações é uma das mais importantes que um investidor tem de tomar. Esta decisão pode ter um impacto significativo no retorno do seu investimento. No entanto, determinar o momento certo para comprar ou vender pode ser um desafio, dado o caráter imprevisível do mercado de ações.

Quando comprar ações?

A compra de ações deve ser considerada quando as condições do mercado são favoráveis e quando a empresa em questão apresenta um forte potencial de crescimento. Alguns dos indicadores que podem sugerir um bom momento para comprar incluem:

Preço da ação: Se o preço da ação está baixo em relação ao seu valor intrínseco, pode ser um bom momento para comprar. No entanto, é importante lembrar que o preço da ação por si só não é um indicador de um bom investimento. Deve-se considerar também outros fatores, como a saúde financeira da empresa e as perspectivas de crescimento.

Condições do mercado: Se o mercado em geral está em alta, pode ser um bom momento para comprar ações. No entanto, é importante lembrar que o mercado de ações pode ser volátil e que as condições do mercado podem mudar rapidamente.

Desempenho da empresa: Se a empresa tem um histórico de bom desempenho e perspectivas positivas para o futuro, pode ser um bom momento para comprar ações.

Quando vender ações?

A venda de ações deve ser considerada quando as condições do mercado são desfavoráveis ou quando a empresa em questão apresenta um fraco desempenho ou perspectivas negativas. Alguns dos indicadores que podem sugerir um bom momento para vender incluem:

Preço da ação: Se o preço da ação está alto em relação ao seu valor intrínseco, pode ser um bom momento para vender. No entanto, é importante lembrar que o preço da ação por si só não é um indicador de um bom momento para vender. Devem ser considerados também outros fatores, como a saúde financeira da empresa e as perspectivas de crescimento.

Condições do mercado: Se o mercado em geral está em baixa, pode ser um bom momento para vender ações. No entanto, é importante lembrar que o mercado de ações pode ser volátil e que as condições do mercado podem mudar rapidamente.

Desempenho da empresa: Se a empresa tem um histórico de fraco desempenho ou perspectivas negativas para o futuro, pode ser um bom momento para vender ações.

Como comprar e vender ações?

Comprar e vender ações pode parecer complexo, mas é mais simples do que pensa.

Como comprar ações?

Abrir uma conta de corretagem: Para comprar ações, precisará de uma conta de corretagem. Existem muitas corretoras disponíveis, cada uma com as suas próprias taxas, serviços e requisitos de conta mínima. Faça a sua pesquisa e escolha a corretora que melhor se adapta às suas necessidades.

Faça a sua pesquisa: Antes de comprar ações, deve fazer a sua pesquisa sobre a empresa em que tem interesseestá interessado. Isto inclui a análise dos relatórios financeiros da empresa, a avaliação das suas perspectivas de crescimento e a compreensão do setor em que opera.

Decida quantas ações comprar: O número de ações que deve comprar depende do preço da ação e do montante total que deseja investir.

Coloque a sua ordem: Uma vez que tenha decidido que ações comprar e qual a sua quantidadequantas, pode colocar a sua ordem através da sua corretora. Pode escolher comprar ações a um preço específico (ordem limitada) ou comprar ações ao preço atual de mercado (ordem de mercado).

Como vender ações?

Decida quais ações vender: Se tem várias ações na sua carteira, deve decidir que ações deseja vender. Isto pode depender de vários fatores, incluindo o desempenho da ação e as suas necessidades financeiras atuais.

Decida quantas ações vender: Não precisa de vender todas as suas ações numa determinada empresa de uma só vez. Pode decidir vender apenas uma parte das suas ações.

Coloque a sua ordem: Assim como na compra de ações, pode colocar a sua ordem de venda através da sua corretora. Pode escolher vender ações a um preço específico (ordem limitada) ou vender ações ao preço atual de mercado (ordem de mercado).

Lembre-se, comprar e vender ações envolve risco, e é importante fazer a sua pesquisa e considerar cuidadosamente as suas decisões de investimento.

Procura uma corretora para comprar e vender ações? Deixamos algumas corretoras do mercado:

Comissões 0%
Ações e ETFs
Grande seleção
Ações, ETFs e opções de ações
Variedade de produtos
e plataformas
Várias plataformas
de negociação

Esta informação não é uma sugestão de investimento, e incentivamos que você busque mais informações antes de tomar qualquer decisão.

Qual é a melhor estratégia para comprar ações?

Não existe uma “melhor” estratégia única para comprar ações, pois a abordagem ideal pode variar de acordo com os objetivos do investidor, o perfil de risco, o horizonte de investimento e a situação económica. No entanto, aqui estão algumas estratégias comuns que os investidores costumam considerar ao comprar ações:

  1. Investimento a longo prazo: Esta estratégia envolve comprar ações de empresas sólidas com perspetivas de crescimento a longo prazo. Os investidores que seguem esta abordagem muitas vezes estão menos preocupados com as flutuações de curto prazo no mercado de ações e focam-se na valorização das ações ao longo do tempo. A ideia é aproveitar o poder do crescimento composto.
  2. Investimento em valor: Os investidores de valor procuram ações que estejam subvalorizadas em relação ao seu valor intrínseco. Eles analisam métricas como o rácio preço/lucro, preço/valor contabilístico e outros indicadores para identificar oportunidades onde o mercado pode estar a subestimar o verdadeiro potencial da empresa.
  3. Investimento em dividendos: Esta estratégia concentra-se em comprar ações de empresas que têm histórico de distribuição de dividendos consistentes. É uma abordagem popular para investidores que procuram rendimentos regulares, embora também possam se beneficiar da valorização das ações ao longo do tempo.
  4. Investimento em crescimento: Investidores que seguem esta estratégia procuram empresas com perspetivas de crescimento significativo das receitas e dos lucros. Estas empresas muitas vezes reinvestem os seus lucros para expandir o negócio, pelo que o retorno potencial está associado ao crescimento futuro.
  5. Investimento em setores específicos: Alguns investidores preferem concentrar-se em setores específicos da economia nos quais têm conhecimento ou acreditam que têm potencial para crescimento. Esta abordagem exige uma análise profunda do setor em questão.
  6. Dollar-Cost Averaging (DCA): Em vez de investir uma grande quantia de uma só vez, o DCA envolve investir pequenas quantias de dinheiro em intervalos regulares, independentemente das flutuações do mercado. Esta estratégia pode ajudar a mitigar o risco de entrar no mercado num momento desfavorável.
  7. Análise fundamental e técnica: A análise fundamental envolve avaliar os fundamentos financeiros de uma empresa, enquanto a análise técnica envolve estudar os padrões de preços e volumes para prever movimentos futuros. Alguns investidores combinam ambas as abordagens para tomar decisões informadas.

Independentemente da estratégia escolhida, é importante conduzir uma pesquisa sólida, diversificar a carteira de investimentos para reduzir o risco e manter uma perspetiva de longo prazo. Além disso, a formação contínua e a adaptação às mudanças do mercado são essenciais para o sucesso a longo prazo no investimento em ações. É aconselhável procurar aconselhamento financeiro profissional antes de tomar decisões de investimento significativas.

Principais indicadores a considerar

Ao comprar ações, é importante considerar uma série de indicadores para avaliar a saúde financeira e o potencial de crescimento de uma empresa. Aqui estão alguns indicadores-chave que os investidores costumam analisar:

  1. Rácio Preço/Lucro (P/E): Este é um dos indicadores mais comuns e compara o preço da ação com os lucros por ação. Um P/E mais alto pode indicar que os investidores estão dispostos a pagar mais pelos lucros atuais da empresa.
  2. Rácio Preço/Valor Contabilístico (P/B): Este rácio compara o preço da ação com o valor contabilístico por ação. Pode indicar se a ação está sobrevalorizada ou subvalorizada em relação aos ativos tangíveis da empresa.
  3. Rácio de endividamento: Avalia o nível de endividamento da empresa em relação ao seu capital próprio ou aos seus ativos totais. Um rácio elevado pode indicar um maior risco financeiro.
  4. Margem líquida: Representa a percentagem dos lucros que uma empresa mantém após deduzir todos os custos e impostos. Uma margem mais alta é geralmente preferível, pois indica uma maior eficiência operacional.
  5. Crescimento dos lucros: Analisar o histórico e as projeções de crescimento dos lucros da empresa pode indicar a sua capacidade de gerar rendimentos ao longo do tempo.
  6. Dividend Yield: Este indicador mostra a percentagem do dividendo anual pago pela empresa em relação ao preço atual da ação. Pode ser importante para investidores que procuram rendimentos consistentes.
  7. Rácio de cobertura de juros: Indica a capacidade da empresa de cobrir os seus encargos financeiros, como juros sobre a dívida. Um rácio mais alto é preferível, pois demonstra maior solidez financeira.
  8. Margem de lucro operacional: Mede a percentagem de lucro que a empresa obtém a partir das suas operações principais, excluindo custos financeiros e impostos.
  9. Retorno sobre o investimento (ROI): Avalia a eficácia dos investimentos da empresa em relação aos seus lucros. Um ROI mais elevado é desejável.
  10. Crescimento das receitas: Acompanhar o crescimento das receitas ao longo do tempo pode indicar a capacidade da empresa de expandir a sua base de clientes e o seu alcance de mercado.
  11. Rácio de liquidez: Mede a capacidade da empresa de pagar as suas obrigações de curto prazo. Rácios de liquidez saudáveis indicam uma boa saúde financeira.
  12. Inovação e posicionamento no mercado: Avaliar a posição competitiva da empresa, a sua capacidade de inovação e a sua adaptabilidade ao ambiente em mudança também são indicadores importantes.

Lembre-se de que não existe um indicador único que determine a qualidade de uma ação. É essencial considerar vários indicadores em conjunto e analisar o contexto da empresa e do mercado antes de tomar uma decisão de investimento. Além disso, a diversificação da carteira de investimentos é fundamental para reduzir o risco.

Leia ainda 👉 como analisar uma ação

Análise fundamental vs Análise técnica

A análise fundamental e a análise técnica são duas abordagens principais utilizadas pelos investidores para avaliar e prever o desempenho das ações. Embora ambas tenham o mesmo objetivo final de ajudar os investidores a tomar decisões informadas, elas diferem significativamente na sua metodologia e foco.

Análise fundamental

A análise fundamental é uma abordagem que envolve a avaliação da saúde financeira e operacional de uma empresa. Os analistas fundamentais examinam uma variedade de informações financeiras, incluindo balanços, demonstrações de resultados e fluxos de caixa, para avaliar a solidez financeira de uma empresa. Eles também consideram fatores externos, como a saúde económica geral e as condições do setor.

O objetivo da análise fundamental é determinar o valor intrínseco de uma ação. Se o preço atual da ação estiver abaixo do seu valor intrínseco, a ação pode ser considerada subvalorizada e pode ser uma boa compra. Por outro lado, se o preço da ação estiver acima do seu valor intrínseco, a ação pode ser considerada sobrevalorizada e pode ser um bom momento para vender.

👉 Análise fundamental: o que é e como funciona?

Análise técnica

A análise técnica, por outro lado, envolve a análise de padrões de preços e tendências de mercado para prever futuros movimentos de preços. Os analistas técnicos utilizam uma variedade de ferramentas e técnicas, incluindo gráficos de preços, indicadores técnicos e análise de volume, para identificar padrões e tendências que podem sugerir futuros movimentos de preços.

A análise técnica é baseada na ideia de que os padrões de preços históricos podem prever futuros movimentos de preços. Assim, ao contrário da análise fundamental, a análise técnica não se preocupa com o valor intrínseco de uma ação. Em vez disso, concentra-se em identificar oportunidades de negociação com base em tendências e padrões de preços.

Em suma, enquanto a análise fundamental se concentra na avaliação da saúde financeira e operacional de uma empresa, a análise técnica concentra-se na análise de padrões de preços e tendências de mercado. Ambas as abordagens têm os seus méritos e podem ser utilizadas em conjunto para ajudar os investidores a tomar decisões informadas.

👉 Análise Técnica | Guia completo

Devo investir ou negociar ativamente?

A decisão entre investir a longo prazo e negociar ativamente depende dos seus objetivos financeiros, tolerância ao risco, disponibilidade de tempo e conhecimentos financeiros. Aqui estão alguns pontos a considerar ao escolher entre as duas abordagens:

Investir a longo prazo

  • Objetivo de crescimento a longo prazo: Se o seu objetivo é construir riqueza ao longo do tempo e aproveitar o poder do crescimento composto, o investimento a longo prazo pode ser mais adequado. Esta abordagem envolve comprar ações de empresas sólidas e de qualidade e mantê-las por vários anos ou décadas.
  • Menos stress: O investimento a longo prazo geralmente envolve menos stress e tomada de decisões constantes. Não precisa de monitorizar o mercado diariamente ou tomar ações imediatas em resposta a flutuações de curto prazo.
  • Menos comissões e impostos: Negociar ativamente pode resultar em mais transações, o que pode levar a custos mais elevados em termos de comissões e possivelmente impostos sobre ganhos de curto prazo. Investir a longo prazo pode ser mais eficiente em termos de custos.

Negociar ativamente

  • Procura de ganhos rápidos: Se tem interesse em obter ganhos rápidos, negociar ativamente pode ser mais atrativo. Os traders ativos procuram lucrar com as flutuações de curto prazo nos preços das ações, aproveitando as oportunidades de compra e venda.
  • Aptidões e conhecimentos necessários: A negociação ativa exige um conhecimento profundo dos mercados financeiros, análise técnica, estratégias de negociação e gestão de riscos. É uma abordagem mais orientada para quem está disposto a dedicar tempo e esforço à aprendizagem constante.
  • Maior risco: A negociação ativa geralmente envolve maior risco devido à volatilidade do mercado e à possibilidade de perdas rápidas. Tomar decisões rápidas pode ser emocionalmente desafiador e resultar em decisões precipitadas.
  • Tempo e disponibilidade: Negociar ativamente exige que foque alguma da sua atenção ao mercado durante o horário de negociação, o que pode não ser viável para todos devido a compromissos profissionais ou outras responsabilidades.

Em última análise, a escolha entre investir a longo prazo e negociar ativamente deve ser baseada na sua personalidade, objetivos financeiros e nível de conforto com o risco. Algumas pessoas podem optar por uma abordagem híbrida, mantendo uma parte dos seus investimentos a longo prazo enquanto reservam uma pequena parte para a negociação ativa. Lembre-se de que ambas as abordagens têm os seus prós e contras, e não existe uma resposta única que seja adequada para todos. Se estiver em dúvida, pode ser útil procurar aconselhamento financeiro de um profissional qualificado.

Recursos adicionais para aprender a comprar e vender ações

Após ter explorado as noções básicas de investimento em ações neste artigo, recomendamos aprofundar o seu conhecimento com recursos adicionais. 

Neste vídeo, Gonçalo mostra como comprar ações, quais são os tipos de ordens existentes, como comprar e vender utilizando os diferentes tipos de ordens e muito mais. 

FAQs

1. Qual é a melhor estratégia para comprar ações?

A melhor estratégia para comprar ações varia de acordo com o perfil de risco do investidor, os seus objetivos de investimento e o seu horizonte de tempo. No entanto, uma estratégia comum é a diversificação, que envolve a distribuição dos investimentos por várias ações de diferentes setores para reduzir o risco. Além disso, é importante fazer uma análise cuidadosa da empresa e do setor antes de comprar ações.

2. Como posso minimizar o risco ao investir em ações?

Existem várias maneiras de minimizar o risco ao investir em ações. Uma das mais eficazes é a diversificação, que envolve a distribuição dos investimentos por várias ações de diferentes setores. Outra estratégia é investir a longo prazo, pois isso pode ajudar a suavizar as flutuações do mercado. Além disso, é importante fazer uma análise cuidadosa antes de investir e ajustar regularmente o seu portfólio de acordo com as suas necessidades e objetivos.

3. Como posso saber quando é a hora certa para vender as minhas ações?

Determinar o momento certo para vender ações pode ser desafiador. No entanto, alguns sinais podem indicar que pode ser um bom momento para vender. Por exemplo, se o preço da ação está significativamente acima do seu valor intrínseco, pode ser um bom momento para vender. Além disso, se a empresa enfrenta problemas significativos ou se as condições do setor são desfavoráveis, pode ser aconselhável vender as ações.

4. O que devo fazer se o valor das minhas ações cair?

Se o valor das suas ações cair, é importante não entrar em pânico. As flutuações de preço são normais no mercado de ações. Em vez disso, deve reavaliar a empresa e o setor para entender a razão da queda do preço. Se acredita que a empresa ainda é sólida e que o preço da ação se recuperará, pode ser aconselhável manter as ações. No entanto, se acredita que a empresa ou o setor enfrentam problemas significativos, pode ser aconselhável vender as ações.

5. Como posso começar a investir em ações?

Para começar a investir em ações, precisará de abrir uma conta de corretagem. Existem muitas corretoras disponíveis, cada uma com as suas próprias taxas e serviços. Após abrir uma conta, pode começar a comprar ações. No entanto, é importante fazer a sua pesquisa e entender os riscos antes de começar a investir.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF

Manual de Bolsa

Este e-book irá ajudá-lo a aprender o que precisa de saber para começar com sucesso nos seus investimentos:

  • Noções básicas financeiras
  • O que é e como funciona o mercado de ações
  • Dicas úteis para investir

Artigos Relacionados

Após dois anos fracos no mercado de IPOs, 2024 acena com um cenário mais otimista para os mercados financeiros. Dive...