Qual é a hora limite do banco para fazer uma transferência? - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Qual é a hora limite do banco para fazer uma transferência?

Subscrever Agora

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Hora limite do meu banco para transferência

Sabe qual é o tempo limite do seu banco para fazer uma transferência? Tenho a certeza que já se perguntou isso, se é porque precisava de pagar algo de última hora, porque precisa de fazer um presente, um recibo… Neste artigo, veremos qual é o tempo limite do seu banco para fazer uma transferência bancária.

Qual o tempo limite para transferências?

Hoje em dia, com os multibancos ou o home banking, não há qualquer limite de hora para fazer transferências. Contudo, a hora a que a faz vai depender de quando o dinheiro fica disponível na conta de destino. Ou seja, para trasnferências nacionais entre contas do mesmo banco, esta deverá ficar automaticamente disponível se for efectuada até às 15 horas; para contas de diferentes bancos, esta ficartá disponível até ao fim do dia útil seguinte.

Estas regras aplicam-se também nas transferências bancárias para todos os países da União Europeia, se bem que as entidades financeiras recomendam esperar até a um período máximo de 4 dias, para prevenir qualquer contratempo. Estas são as chamadas transferências SEPSA. Para todas as outras, o período pode variar, dos 3 aos 7 dias de duração até o dinheiro ficar finalmente disponível. 

Quer informações sobre cartões? Descarregue o nosso guia GRATUITO

O que consideramos por dia útil?

Mencionámos acima os prazos de transferências bancárias, mas há outra questão que surge. Afinal, o que consideramos por um dia útil, quando fazemos esta contabilidade? Ora bem, o tempo que o dinheiro demora até ficar disponível na conta de destino começa a ser contado a partir do exacto momento em que a entidade bancária recebe a ordem de transferência. A partir daqui, os dias úteis são considerados todos os dias de feira (de segunda a sexta), entre as 8h30 e as 15 horas. O fim-de-semana não conta como dias úteis, obviamente.

Isto quer dizer que, se efetuar uma transferência bancária durante um dos dias do fim-de-semana, este começa a contar imediatamente após as 8h30 do dia útil seguinte, ou seja, de segunda-feira. O mesmo se passa com feriados, por exemplo. 

Qual é o horário limite do meu banco?

Contudo, para situações urgentes, existem agora as transferências imediatas em que, como o próprio nome indica, o dinheiro fica disponível na conta de destino em apenas poucos segundos. Já praticamente todas as entidades bancárias em Portugal o disponbilizam, se bem que estas têm custos inerentes associados. E existe um limite financeiro de 15 mil euros neste tipo de operação. Estas transferências imediatas só estão disponíveis em território nacional, ao balcão do banco, se bem que se fala de que isso poderá mudar muito em bree e ser estendido a todo o território europeu.

As transferências são gratuitas?

Existe sempre a dúvida se as transferências bancárias são gratuitas ou não. A resposta é sim e não. São gratis se as efectuar no multibanco, mas terão um custo associado se as fizer na sua entidade bancária. Isto explica-se porque, ao balcão, terá a ajuda de um funcionário. 

A outra alternativa para que as suas transferências bancárias sejam gratuitas é recorrer ao home banking. Hoje em dia todos os bancos disponibilizam aplicações e sites muito intuitivos e fáceis de utilizar, onde pode transferir dinheiro para outra conta sem qualquer custo associado. Como mencionámos em cima, isos não se aplica às transferências imediatas.

De realçar que as transferências bancárias são sempre pagas, com as despesas a serem divididas entre quem envia e quem recebe o dinheiro. Este valor varia dependendo das entidades bancárias envolvidas e dos países, nomeadamente se são territórios da União Europeia ou não.

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments